Di­rei­tos de Au­tor em aná­li­se

CON­FE­RÊN­CIA NA­CI­O­NAL Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra pre­o­cu­pa­do com o res­pei­to cri­a­ti­vo

Jornal de Angola - - GENTE -

O Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra re­a­li­za, na quar­ta e quin­ta-fei­ra, em Lu­an­da, uma con­fe­rên­cia na­ci­o­nal so­bre os di­rei­tos do au­tor e co­ne­xos.

A ins­ti­tui­ção, em co­mu­ni­ca­do, dis­se que o even­to se en­qua­dra no âm­bi­to dos es­for­ços in­ter­nos de cons­tru­ção da ca­pa­ci­da­de na­ci­o­nal, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, pro­tec­ção, uso e apro­vei­ta­men­to dos di­rei­tos da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al.

O do­cu­men­to re­fe­re que, com es­te exer­cí­cio, pre­ten­de-se tam­bém co­lher e re­ter al­guns ele­men­tos de re­fe­rên­cia pa­ra a ela­bo­ra­ção de pro­pos­tas de me­di­das que se im­põem, pa­ra o aper­fei­ço­a­men­to dos ins­tru­men­tos le­gais exis­ten­tes, em es­pe­ci­al, e a efi­caz ges­tão do Sis­te­ma Na­ci­o­nal dos Di­rei­tos de Au­tor e Co­ne­xos (SNDAC), no ge­ral.

En­tre os te­mas em debate, des­ta­cam-se o pa­pel da Di­rec­ção Na­ci­o­nal dos Di­rei­tos de Au­tor, a le­gis­la­ção na­ci­o­nal res­pei­tan­te aos di­rei­tos de au­tor e co­ne­xos, pers­pec­ti­vas de pro­tec­ção da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, no do­mí­nio ju­di­ci­al, a pro­tec­ção da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, o com­ba­te à pi­ra­ta­ria e à con­tra­fac­ção, a ex­pe­ri­ên­cia na ges­tão co­lec­ti­va dos di­rei­tos de au­tor e co­ne­xos.

A pro­tec­ção da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, ao re­co­nhe­cer os di­rei­tos dos au­to­res, é um me­ca­nis­mo de in­cen­ti­vo à cri­a­ti­vi­da­de e à ino­va­ção, sen­do o sis­te­ma dos di­rei­tos au­to­rais e de pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al re­qui­si­tos pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, eco­nó­mi­co, tec­no­ló­gi­co e cul­tu­ral. Por sua vez, o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra, em exer­cí­cio, na Huí­la, Pe­dro Mus­sun­da, so­li­ci­tou, on­tem, na ci­da­de do Lu­ban­go, à so­ci­e­da­de ci­vil no sen­ti­do de apoi­ar o go­ver­no lo­cal no com­ba­te à pi­ra­ta­ria, por ser uma ac­ção que pre­ju­di­ca o cres­ci­men­to ar­tís­ti­co e le­sa a eco­no­mia do país. O res­pon­sá­vel fez es­se pro­nun­ci­a­men­to quan­do in­ter­vi­nha nu­ma pa­les­tra so­bre “O im­pac­to da vi­o­la­ção dos di­rei­tos da pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al pa­ra a eco­no­mia”, nu­ma ini­ci­a­ti­va da re­pre­sen­ta­ção lo­cal do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da De­fe­sa do Con­su­mi­dor (Ina­dec).

Pe­dro Mus­sun­da lem­brou que a pi­ra­ta­ria é um ac­to cri­mi­no­so, por cons­ti­tuir uma vi­o­la­ção aos di­rei­tos de au­tor, pro­vo­car pre­juí­zos aos ar­tis­tas e ser uma ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al que não pro­duz re­cei­tas pa­ra os co­fres do Es­ta­do, en­tre ou­tros da­nos. ste fe­nó­me­no, re­for­çou, é um ac­to de­li­be­ra­do e vi­o­la­dor de di­rei­tos, reprodução, ven­da, ex­po­si­ção e dis­tri­bui­ção de obra ar­tís­ti­cas, sem o con­sen­ti­men­to do pro­pri­e­tá­rio, que anu­al­men­te pro­vo­ca pre­juí­zos em pro­por­ções de gran­de es­ca­la.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, a pi­ra­ta­ria que­bra a con­fi­an­ça dos agen­tes eco­nó­mi­cos, re­trai o in­ves­ti­men­to e a ino­va­ção e pro­vo­ca fu­ga ao fisco, além de os pro­du­tos con­tra­fei­tos não te­rem a qua­li­da­de exi­gi­da.

“O fe­nó­me­no de con­tra­fac­ção é vi­sí­vel em An­go­la. É uma ac­ti­vi­da­de ile­gal e in­ten­ci­o­na­da, que tem pro­vo­ca­do gran­des pre­juí­zos a vá­ri­os sec­to­res da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca”, fri­sou.De­fen­deu a cri­a­ção de uma ba­se de da­dos so­bre pro­du­tos con­tra­fei­tos, in­cluin­do a ca­ta­lo­ga­ção dos seus au­to­res e pon­tos de ven­da.

JOÃO GO­MES

Usu­fru­to eco­nó­mi­co dos bens cul­tu­rais e ar­tís­ti­cos ge­ra debate en­tre ar­tis­tas e es­pe­ci­a­lis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.