Cur­so de ár­bi­tros afri­ca­nos en­cer­ra ama­nhã no Con­go

Jornal de Angola - - DESPORTO - TE­RE­SA LUÍS |

A pri­mei­ra fa­se do cur­so de ar­bi­tra­gem, or­ga­ni­za­do sob a égi­de da Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de An­de­bol (CAHB), com vis­ta a pas­sa­gem pa­ra o grau con­ti­nen­tal, en­cer­ra ama­nhã no Con­go Braz­za­vil­le, com a par­ti­ci­pa­ção de 25 juí­zes, em re­pre­sen­ta­ção de seis paí­ses.

To­más Chi­tan­gue/Es­cu­ri­nho An­tó­nio e Al­dair Lu­tu­cu­ta/Vla­di­mir Tchi­e­ma são as du­plas an­go­la­nas ins­cri­tas na for­ma­ção. A Tu­ní­sia e o Ga­bão con­tam ca­da com três pa­res, Con­go De­mo­crá­ti­co dois, ao pas­so que Egip­to e Ca­bo Ver­de es­tão com um.

Du­ran­te a eta­pa pre­li­mi­nar da for­ma­ção, os juí­zes são sub­me­ti­dos a tes­tes de co­nhe­ci­men­to ge­ral, re­gras de jo­go, exa­mes fí­si­cos, es­cri­ta e ví­de­os. O in­glês e o fran­cês são as lín­guas de tra­ba­lho uti­li­za­das. Os ár­bi­tros na­ci­o­nais apri­mo­ra­ram o do­mí­nio da lín­gua fran­ce­sa, de mo­do a as­si­mi­la­rem os con­teú­dos.

Fer­nan­do Ama­do, pre­si­den­te do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Ár­bi­tros (CNA), es­ta con­fi­an­te no de­sem­pe­nho dos juí­zes: “Eles es­tão de­ter­mi­na­dos em pas­sar pa­ra a se­gun­da fa­se, por for­ma a al­can­çar as me­tas tra­ça­das. Por ou­tro la­do, têm da­do in­di­ca­do­res de que es­tão pron­tos”.

A se­gun­da fa­se do es­tá­gio co­me­ça ama­nhã e ter­mi­na a 4 de Ou­tu­bro. O cur­so que de­cor­re no Con­go Braz­za­vil­le é o úl­ti­mo do pro­gra­ma da CAHB pa­ra o pre­sen­te ano e vi­sa a in­te­gra­ção dos ár­bi­tros afri­ca­nos na Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal de An­de­bol (IHF).

A Fe­de­ra­ção An­go­la­na (FA­AND) pre­ten­de o au­men­to do nú­me­ro de du­plas na­ci­o­nais, com a in­síg­nia do con­ti­nen­te. A me­ta é ter­mi­nar o man­da­to que en­cer­ra em Fe­ve­rei­ro, com três du­plas a ní­vel do con­ti­nen­te e ten­tar no pró­xi­mo ano que as mes­mas as­cen­dam à ca­te­go­ria da IHF. To­más Chi­tan­gue/Es­cu­ri­nho An­tó­nio par­ti­ci­pam pe­la se­gun­da vez, após fa­lha­rem as­cen­são de ca­te­go­ria no cur­so do To­go. Vla­di­mir Tchi­e­ma, Al­dair Lu­tu­cu­ta e To­más Chi­tan­gue são juí­zes de Ben­gue­la.

Lewis Ha­mil­ton es­tá de re­gres­so a uma po­si­ção que tra­ba­lhou mui­to pa­ra in­ver­ter. O pi­lo­to in­glês che­gou a es­tar 43 pon­tos atrás de Ni­co Ros­berg, mas com o avan­çar da épo­ca re­cu­pe­rou e che­gou à pa­ra­gem de ve­rão no­va­men­te na fren­te. Só que daí pa­ra cá, Ni­co Ros­berg tem ga­nho um as­cen­den­te in­crí­vel e is­so lhe per­mi­tiu pas­sar no­va­men­te pa­ra a fren­te do cam­pe­o­na­to.

Co­mo is­to su­ce­deu? Há mui­to se sa­be que Ha­mil­ton, se con­se­gue uma boa afi­na­ção no seu car­ro bem ce­do, nor­mal­men­te, não tem ad­ver­sá­ri­os ao lon­go do fim-de-se­ma­na. Mas o con­trá­rio tam­bém é ver­da­de, e quan­do as coi­sas não lhe cor­rem bem, sem ter o me­lhor acer­to e sem ter con­fi­an­ça no car­ro is­so de­ter­mi­na sem­pre mui­to do que acon­te­ce a se­guir, e nes­se as­pec­to, Ros­berg tem es­ta­do bem me­lhor. Ago­ra que as coi­sas es­tão bem mais equi­li­bra­das, qual­quer de­ta­lhe po­de fa­zer a di­fe­ren­ça en­tre am­bos e não há na­da nes­te mo­men­to que se pos­sa des­cu­rar na lu­ta en­tre am­bos.

Cer­to é que Ha­mil­ton pre­ci­sa ra­pi­da­men­te de uma boa cor­ri­da que lhe de­vol­va a con­fi­an­ça en­tre­tan­to per­di­da, pois se per­mi­te que Ros­berg se des­ta­que ain­da mais a pres­são se acu­mu­la: “Es­pe­ro o me­lhor. Singapura foi di­fí­cil pa­ra mim”, co­me­çou Ha­mil­ton por di­zer. E por­que foi di­fí­cil. Por­que ao con­trá­rio do que Paddy Lowe dis­se, Ha­mil­ton te­ve mes­mo pro­ble­mas com os tra­vões por­que a en­tra­da do “sa­fety car” em Singapura le­vou a que os tra­vões dos mo­no­lu­ga­res aque­ces­sem mui­to. A Mer­ce­des sem­pre te­ve fra­que­zas a es­te ní­vel e Ros­berg te­ve a sorte de não ter nin­guém à sua fren­te que lhe “man­das­se” ar quen­te pa­ra o seu car­ro. Re­sul­ta­do, Ros­berg fi­cou “fres­co” e Ha­mil­ton em “bra­sa”. E is­so se re­flec­tiu no res­to da cor­ri­da: “Ter­mi­nar no pó­dio foi um bom con­tro­lo de da­nos”, dis­se no fi­nal.

Ago­ra, não há mui­to por on­de es­co­lher: “O Ni­co tem es­ta­do a fa­zer um gran­de tra­ba­lho, e eu não te­nho ti­do os meus me­lho­res fins de se­ma­na. As coi­sas es­tão as­sim. Por ve­zes ele es­tá me­lhor, nou­tras eu, tu­do is­to é uma com­bi­na­ção de coi­sas que to­das jun­tas fa­zem di­fe­ren­ça. Ago­ra, não te­nho ideia co­mo se­rá, te­mos seis cor­ri­das pe­la fren­te.”

NU­NO FLASH

Juí­zes an­go­la­nos mos­tram de­di­ca­ção

REU­TERS

Pi­lo­to britânico acre­di­ta na re­cu­pe­ra­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.