COR­RI­DA AO CAR­GO DE SE­CRE­TÁ­RIO-GE­RAL DA ONU An­tó­nio Gu­ter­res ven­ce a quin­ta vo­ta­ção

Jornal de Angola - - DESPORTO -

O can­di­da­to a Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das An­tó­nio Gu­ter­res fi­cou à fren­te na quin­ta vo­ta­ção se­cre­ta, de on­tem, en­tre os mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, dis­se­ram fon­tes di­plo­má­ti­cas.

Gu­ter­res te­ve 12 vo­tos “en­co­ra­ja”, dois “de­sen­co­ra­ja” e dois “sem opi­nião”, pre­ci­sa­men­te o mes­mo re­sul­ta­do da úl­ti­ma vo­ta­ção. Du­ran­te o vo­to, ca­da um dos 15 mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU in­di­cou se “en­co­ra­ja”, “de­sen­co­ra­ja” ou “não tem opi­nião” so­bre os 11 can­di­da­tos.

A pró­xi­ma vo­ta­ção, agen­da­da pa­ra a pri­mei­ra se­ma­na de Ou­tu­bro, vai des­ta­car pe­la pri­mei­ra vez os vo­tos dos mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, que têm po­der de ve­to so­bre os can­di­da­tos.

An­tó­nio Gu­ter­res ven­ceu as qu­a­tro pri­mei­ras vo­ta­ções pa­ra o car­go, que acon­te­ce­ram a 21 de Ju­lho, a 5 e 29 de Agos­to e a 9 de Se­tem­bro.

As­sim que um can­di­da­to reu­nir no­ve vo­tos en­tre os 15 paí­ses mem­bros e apro­va­ção de to­dos os mem­bros per­ma­nen­tes - Chi­na, Fran­ça, Rei­no Uni­do, Rús­sia e Es­ta­dos Uni­dos - o Con­se­lho re­co­men­da o seu no­me pa­ra apro­va­ção pe­la As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, que reú­ne re­pre­sen­tan­tes de 193 paí­ses.

A or­ga­ni­za­ção es­pe­ra ter en­con­tra­do o su­ces­sor de Ban Ki-mo­on, que ter­mi­na o seu se­gun­do man­da­to no fi­nal do ano, du­ran­te o Ou­to­no.An­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro, al­to-co­mis­sá­rio da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos du­ran­te dez anos e ac­tu­al can­di­da­to a Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, An­tó­nio Gu­ter­res per­cor­reu os prin­ci­pais pal­cos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, na po­lí­ti­ca e na so­li­da­ri­e­da­de.

Em se­gun­do lu­gar, fi­cou o sér­vio Vuk Je­re­mic, com ape­nas oi­to vo­tos de en­co­ra­ja­men­to, seis “de­sen­co­ra­ja” e um “sem opi­nião”.

O es­lo­va­co Mi­ros­lav Laj­cak, que fi­ca­ra em se­gun­do lu­gar da úl­ti­ma vez, des­ceu pa­ra o ter­cei­ro e pi­o­rou os seus re­sul­ta­dos: oi­to “en­co­ra­ja”, se­te “de­sen­co­ra­ja” e ne­nhum “sem opi­nião”. Susana Mal­cor­ra, ac­tu­al mi­nis­tra dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da Ar­gen­ti­na, fi­cou em quar­to lu­gar, com se­te “de­sen­co­ra­ja” e o mes­mo nú­me­ro de “en­co­ra­ja”, al­can­çan­do o seu me­lhor re­sul­ta­do.

Da­ni­lo Turk, da Es­lo­vé­nia, em­pa­ta no quar­to lu­gar com os mes­mos vo­tos. Iri­na Bo­ko­va, que li­de­ra a UNESCO e foi du­ran­te mui­to tem­po con­si­de­ra­da a fa­vo­ri­ta na cor­ri­da, tem ago­ra mais vo­tos “de­sen­co­ra­ja” (se­te), do que “en­co­ra­ja” (seis).

A an­ti­ga pri­mei­ra-mi­nis­tra da No­va Ze­lân­dia He­len Clark tem no­ve “de­sen­co­ra­ja” e ape­nas seis “en­co­ra­ja”. Srg­jan Ke­rim, da Ma­ce­dó­nia, e Na­ta­lia Gher­man, da Mol­dá­via, ocu­pam os dois úl­ti­mos lu­ga­res.

O fac­to de nes­ta úl­ti­ma vo­ta­ção in­for­mal ne­nhum ou­tro can­di­da­to ter ob­ti­do no­ve vo­tos a fa­vor é, em prin­cí­pio, um bom si­nal pa­ra Gu­ter­res. O ar­ti­go 97 da car­ta das Na­ções Uni­das es­ti­pu­la que “o Se­cre­tá­rio-Ge­ral se­rá no­me­a­do pe­la As­sem­bleia-Ge­ral, sob re­co­men­da­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça”. A his­tó­ria mos­tra que o Con­se­lho in­di­cou sem­pre um no­me úni­co, que a As­sem­bleia cor­ro­bo­rou. Mas es­sa in­di­gi­ta­ção re­quer um nú­me­ro mí­ni­mo de no­ve vo­tos a fa­vor.

A co­mu­ni­ca­ção so­ci­al tem re­fe­ri­do a hi­pó­te­se de o Go­ver­no búl­ga­ro tro­car a sua ac­tu­al can­di­da­ta Iri­na Bo­ko­va pe­la co­mis­sá­ria eu­ro­peia Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va. Os va­lo­res ob­ti­dos on­tem por Bo­ko­va não en­co­ra­jam a sua can­di­da­tu­ra. O pri­mei­ro-mi­nis­tro Boi­ko Bo­ris­sov in­di­ca­ra, após a an­te­ri­or vo­ta­ção, que um mau re­sul­ta­do nes­ta quin­ta vo­ta­ção le­va­ria a Bul­gá­ria a re­pen­sar a can­di­da­tu­ra.

Ge­or­gi­e­va é vis­ta co­mo uma ad­ver­sá­ria mais te­mí­vel pa­ra Gu­ter­res, mas a Rús­sia in­di­cou re­cen­te­men­te que não ve­ria com bons olhos uma mu­dan­ça de can­di­da­tos a meio do jo­go.

O co­or­de­na­dor téc­ni­co do Cen­so Ge­ral da Po­pu­la­ção e Ha­bi­ta­ção, Pau­lo Fon­se­ca, anun­ci­ou pa­ra o pró­xi­mo ano a re­a­li­za­ção em to­do o país do Cen­so Agro-pe­cuá­rio, que vai for­ne­cer in­di­ca­do­res so­bre a re­al si­tu­a­ção da pes­ca, agri­cul­tu­ra e pe­cuá­ria. De­pois da apre­sen­ta­ção dos re­sul­ta­dos de­fi­ni­ti­vos do cen­so po­pu­la­ci­o­nal, a ní­vel das pro­vín­ci­as, no qua­dro do cro­no­gra­ma do Cen­so Ge­ral, a pró­xi­ma em­prei­ta­da é a apre­sen­ta­ção de re­la­tó­ri­os te­má­ti­cos, os quais vão for­ne­cer da­dos viá­veis so­bre o es­ta­do da saú­de, edu­ca­ção, nu­tri­ção e mi­gra­ção.

O vo­to de qua­se um mi­lhão de americanos que vi­vem no Mé­xi­co po­de ser de­ter­mi­nan­te pa­ra im­pe­dir que o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, Do­nald Trump, che­gue à Ca­sa Bran­ca, con­si­de­ra a or­ga­ni­za­ção ci­vil in­ter­na­ci­o­nal Ava­az, que lan­çou, domingo, uma cam­pa­nha glo­bal com es­te fim. “Va­mos mo­bi­li­zar os oi­to mi­lhões de americanos que vi­vem no es­tran­gei­ro, dos quais qua­se um mi­lhão no Mé­xi­co, e que­re­mos que eles vo­tem pa­ra de­ter Trump”, dis­se Jos­peh Huff-Han­non, da Ava­az.

REU­TERS

Can­di­da­to de Por­tu­gal ven­ceu as cin­co vo­ta­ções do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.