Ga­ran­ti­do o be­tão pa­ra obras

AN­GO­LA A CRES­CER Pó­lo in­dus­tri­al de cons­tru­ção e ce­râ­mi­ca em Ca­cu­a­co apon­ta pa­ra a eco­no­mia de cus­tos nas gran­des obras de cons­tru­ção ci­vil

Jornal de Angola - - PARTADA -

Com o fim da gu­er­ra em Abril de 2002 a re­cu­pe­ra­ção de in­fra-es­tru­tu­ras­pa­ra o re­lan­ça­men­to da eco­no­mia era uma ne­ces­si­da­de in­con­tor­ná­vel. O acor­do de fi­nan­ci­a­men­to com a Chi­na per­mi­tiu re­cons­truir gran­de par­te dos edi­fí­ci­os, es­co­las e hos­pi­tais, es­tra­das e pon­tes. A re­de fer­ro­viá­ria foi re­cu­pe­ra­da, por­tos e ae­ro­por­tos re­cons­truí­dos ou cons­truí­dos de raiz, en­fim., o país vol­tou a con­tar com mui­to mais do que as in­fra-es­tru­tu­ras que não ha­vi­am es­ca­pa­do ao man­to des­trui­dor da gu­er­ra.

Pra­ti­ca­men­te sem in­dús­tria e com uma eco­no­mia es­tag­na­da, a re­cons­tru­ção en­vol­veu não só a im­por­ta­ção de mão de obra, mas tam­bém de ma­te­ri­ais cons­tru­ção. Em pra­ti­ca­men­te to­da a ex­ten­são do ter­ri­tó­rio ha­via obras de cons­tru­ção ci­vil. Os re­gis­tos do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Car­re­ga­do­res con­fir­mam que du­ran­te lon­go pe­río­do che­gou-se a im­por­tar tan­to de alimentos e de me­di­ca­men­tos, co­mo de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção.

Pa­ra su­por­tar a di­nâ­mi­ca do can­tei­ro de obras em que o país se trans­for­mou após a gu­er­ra, hou­ve ne­ces­si­da­de de se im­por­tar pra­ti­ca­men­te tu­do. Des­de o pa­ra­fu­so ao sa­co de ci­men­to. Boa par­te das obras que te­mos ho­je, fru­to das cir­cuns­tân­ci­as, tem um ele­va­do per­cen­tu­al es­tran­gei­ro. Nal­guns ca­sos a par­ti­ci­pa­ção na­ci­o­nal che­gou a re­su­mir-se à mão de obra.

Mas ho­je o qua­dro é bem di­fe­ren­te. Mui­tos dos in­ves­ti­men­tos fei­tos nes­sa al­tu­ra co­me­ça­ram a dar re­sul­ta­dos e ho­je al­gum ma­te­ri­al usa­do na cons­tru­ção ci­vil foi ris­ca­do da lis­ta de ne­ces­si­da­des de im­por­ta­ção. O ci­men­to é um exem­plo. A in­dús­tria ci­men­tei­ra fun­ci­o­na e há pro­du­ção su­fi­ci­en­te. Só em ca­sos mui­to li­mi­ta­dos é que se ad­mi­te a im­por­ta­ção des­se pro­du­to.

Mas as ne­ces­si­da­des do cons­tru­ção ci­vil não se re­su­mem ao ci­men­to. A nos­sa re­por­ta­gem cons­ta­tou is­so mes­mo na zo­na da Ca­op Ve­lha, mu­ni­cí­pio de Ca­cu­a­co, nu­ma zo­na afas­ta­da on­de emer­ge um gi­gan­tes­co com­ple­xo in­dus­tri­al, que se lan­ça no de­sa­fio de eco­no­mi­zar tem­po e re­du­zir cus­tos nas gran­des obras pú­bli­cas, mas tam­bém em pro­jec­tos pri­va­dos de me­nor di­men­são.

O pó­lo in­dus­tri­al de cons­tru­ção e ce­râ­mi­ca, que ocu­pa uma área de cer­ca de 200 mil me­tros qua­dra­dos, re­ce­beu o no­me de Con­ce­ra. O pro­jec­to co­me­çou em 2007, mas le­vou anos até dar o ar da sua gra­ça ao pro­du­zir blo­cos de be­tão e ou­tros ma­te­ri­ais com as ca­rac­te­rís­ti­cas exi­gi­das pa­ra a cons­tru­ção de edi­fí­ci­os pú­bli­cos e gran­des obras de en­ge­nha­ria, co­mo pon­tes, lan­cis e es­tra­das.

Na Con­ce­ra são pro­du­zi­dos mais de 13.000 blo­cos por dia com di­men­sões de 12x20 cen­tí­me­tros, re­co­men­dá­veis pa­ra a cons­tru­ção de re­si­dên­ci­as e be­tão des­ti­na­do à se­pa­ra­ção de di­fe­ren­tes su­per­fí­ci­es ou exe­cu­ção de pa­re­des sim­ples e du­plas, ex­te­ri­o­res ou in­te­ri­o­res, de edi­fí­ci­os in­dus­tri­ais, zo­nas co­mer­ci­ais, naves, ca­ves, ar­ma­zéns e mu­ros. A cons­tru­ção de pon­tes e vi­a­du­tos com ta­bu­lei­ros de pré-mol­da­das e la­jes con­cre­tas no lo­cal com­ple­tam a ofer­ta.

Fru­to de gran­des in­ves­ti­men­tos em tec­no­lo­gia e in­fra-es­tru­tu­ra, a Con­ce­ra tor­nou-se fon­te de re­fe­rên­cia das gran­des obras e pro­jec­tos de cons­tru­ção ci­vil. Da­qui par­te, em ca­miões, be­tão pron­to pa­ra qual­quer zo­na da pro­vín­cia de Lu­an­da, Ben­go e ar­re­do­res.

O ad­mi­nis­tra­dor da Con­ce­ra, Pér­cio dos Reis, diz que o pro­jec­to es­tá ain­da em ex­pan­são. Em ri­gor, afir­ma, é um con­glo­me­ra­do de em­pre­sas pri­va­das, si­tu­a­das num úni­co es­pa­ço in­dus­tri­al, o que é ab­so­lu­ta­men­te ino­va­dor.

Pa­ra a cons­tru­ção do pó­lo in­dus­tri­al, aqui­si­ção e mon­ta­gem dos equi­pa­men­tos fo­ram in­ves­ti­dos até ago­ra cer­ca de 25 mi­lhões de dó­la­res. Os ges­to­res do pro­jec­to es­me­ram-se pa­ra que o va­lor do in­ves­ti­men­to se re­flic­ta no ri­gor do ser­vi­ço pres­ta­do e na qua­li­da­de do ma­te­ri­al pro­du­zi­do.

Pér­cio dos Reis ga­ran­te “dis­po­ni­bi­li­da­de to­tal” pa­ra aten­der a de­man­da em Lu­an­da, Ben­go e ou­tras pro­vín­ci­as pe­ri­fé­ri­cas, num país em que o vo­lu­me de obras não pá­ra de cres­cer, a des­pei­to dos cons­tran­gi­men­tos fi­nan­cei­ros.

Quan­do to­mou a sua for­ma em­pre­sa­ri­al, a Con­ce­ra, S.A. con­ta­va com 24 tra­ba­lha­do­res, um nú­me­ro que pas­sou pa­ra 268, co­mo re­sul­ta­do da sua pro­gres­são e for­te ex­pan­são no mer­ca­do an­go­la­no. A mai­or par­te dos tra­ba­lho­res são oriun­dos da área da Ca­op Ve­lha, a con­fir­mar, cla­ra­men­te, a in­te­gra­ção ple­na da em­pre­sa com a co­mu­ni­da­de on­de es­tá im­plan­ta­da.

Di­ver­si­da­de

É di­fí­cil fi­car in­di­fe­ren­te, a quem vai pe­la pri­mei­ra vez a es­sa uni­da­de, mui­to por cau­sa da di­ver­si­da­de de ma­te­ri­ais dis­po­ní­veis, a co­me­çar pe­las clas­ses de be­tão cor­ren­tes e es­pe­cí­fi­ca­das e es­tru­tu­ral, que é apli­ca­do em edi­fí­ci­os, pon­tes e via-

du­tos. Um téc­ni­co da em­pre­sa ex­pli­ca que a cons­tru­ção de ar­ma­zéns, fun­da­men­tal­men­te, par­ques de es­ta­ci­o­na­men­to e ou­tras in­fra­es­tru­tu­ras en­con­tram na Con­ce­ra be­tão es­pe­cí­fi­co pa­ra aca­ba­men­tos com ta­lo­cha me­câ­ni­ca.

Mas é na área de pré-fa­bri­ca­dos de be­tão on­de o mer­ca­do de cons­tru­ção es­tá me­lhor ser­vi­do. Aqui, co­mo pô­de apu­rar o Jor­nal de An­go­la, es­tá dis­po­ní­vel uma li­nha de pro­du­ção de ele­va­da ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca, tor­nan­do os blo­cos mais re­sis­ten­tes quer à com­pres­são, ao fo­go e bai­xo po­der de ab­sor­ção. E is­so faz to­da a di­fe­ren­ça em re­la­ção ao blo­co ce­râ­mi­co. Des­de um sim­ples mu­ro de ve­da­ção, pas­san­do por edi­fí­ci­os, até obras de en­ge­nha­ria ci­vil de di­fe­ren­tes ti­po­lo­gi­as, a pre­sen­ça do blo­co de be­tão fei­to na Ca­op Ve­lha é in­con­tor­ná­vel, co­mo se po­de ver em di­fe­ren­tes obras de cons­tru­ção es­pa­lha­das um pou­co pe­la ci­da­de de Lu­an­da e ar­re­do­res.

Num cla­ro de­sa­fio aos em­prei­tei­ros, in­di­ca a van­ta­gem do lan­cil de be­tão, mui­to vi­sí­vel aos olhos dos tran­seun­tes, na uti­li­za­ção em ar­ran­jos ex­te­ri­o­res, zo­nas de tran­si­ção en­tre di­ver­sos ti­pos de pa­vi­men­tos, ou de­li­mi­ta­ção de es­pa­ço, ar­ru­a­men­tos ou pas­sei­os.

O ges­to­res da Con­ce­ra, S.A. des­ta­cam a ra­pi­dez e efi­cá­cia na apli­ca­ção do lan­cil de be­tão, ali­a­das à qua­li­da­de no aca­ba­men­to das su­per­fí­ci­es à vis­ta.

Be­tão pa­ra con­du­tas

Nu­ma ci­da­de on­de as pre­o­cu­pa­ções com o trans­por­te de águas re­si­du­ais, plu­vi­ais e su­per­fi­ci­ais es­tão mui­to pre­sen­tes, a Con­ce­ra não po­dia avan­çar com me­lhor so­lu­ção: ma­ni­lhas e tu­bos, que são ele­men­tos de be­tão sim­ples ou ar­ma­do, de sec­ção cir­cu­lar, que pos­su­em nas su­as ex­tre­mi­da­des en­cai­xes abo­car­da­dos, per­mi­tin­do o en­cai­xe dos vá­ri­os ele­men­tos.

As ma­ni­lhas e tu­bos de be­tão ar­ma­do têm in­cor­po­ra­do uma ar­ma­du­ra cir­cu­lar em aço, sol­da­da por equi­pa­men­to au­to­ma­ti­za­do e com uma pro­du­ção ri­go­ro­sa­men­te con­tro­la­da, o que re­al­ça a apos­ta da em­pre­sa em tec­no­lo­gia de pon­ta, co­mo se diz nou­tro es­pa­ço des­ta pe­ça.

Mui­to li­ga­dos às águas plu­vi­ais, co­lec­to­res de esgoto ou ou­tras re­des, ge­ral­men­te ins­ta­la­dos em zo­nas de trá­fe­go de veí­cu­los pe­sa­dos es­tão os co­nes, uli­ti­za­dos na exe­cu­ção da co­ber­tu­ra das cha­ma­das “cai­xas de vi­si­ta” a es­tas in­fra-es­tru­tu­ras. Aqui, en­tra o be­tão sim­ples com es­pes­su­ra de pa­re­de uni­for­me.

Um es­pe­ci­a­lis­ta ex­pli­ca que as “cai­xas de vi­si­ta” fa­ci­li­tam a ins­pec­ção, pas­sa­gem e vi­si­ta às in­fra-es­tru­tu­ras en­ter­ra­das e per­mi­tem re­a­li­zar tu­ba­gens com “ine­gá­veis van­ta­gens” e, em si­tu­a­ções de es­ca­va­ção, subs­ti­tuin­do o tra­di­ci­o­nal pro­ces­so de be­to­na­gem no lo­cal de to­da a es­tru­tu­ra. “Es­te ti­po de cai­xas pré-fa­bri­ca­das é tam­bém uti­li­za­da em in­fra-es­tru­tu­ras eléc­tri­cas e de te­le­co­mu­ni­ca­ções, sen­do de des­ta­car a mai­or ra­pi­dez na exe­cu­ção da obra”, acres­cen­ta.

Apos­ta na qua­li­da­de

A Con­ce­ra foi cri­a­da a pen­sar na me­lho­ria da qua­li­da­de dos pro­du­tos pa­ra o mer­ca­do an­go­la­no e sa­tis­fa­zer o gran­de vo­lu­me de obras em vá­ri­as pro­vín­ci­as do país, re­fe­re o ad­mi­nis­tra­dor Pér­cio Reis.

O res­pon­sá­vel su­bli­nha que a in­ten­ção foi cri­ar for­mas de cons­tru­ção com a mai­or qua­li­da­de pos­sí­vel, pois ha­via um gran­de dé­fi­ce nes­te do­mí­nio. É já sig­ni­fi­ca­ti­vo o nú­me­ro de obras em cur­so e cu­jo an­da­men­to atin­ge um cer­to grau de es­ta­bi­li­da­de de­vi­do à ga­ran­tia de re­gu­la­ri­da­de no for­ne­ci­men­to dos ma­te­ri­ais de cons­tru­ção a par­tir da Con­ce­ra. Pér­cio Reis ci­tou o ca­so da fá­bri­ca de em­ba­la­gem de car­tão da Pack­gem, no Qui­ku­xi, e as obras que es­tão a ser exe­cu­ta­das por em­pre­sas co­mo a MCA, Ca­sais, Oma­ta­pa­lo, So­co­li­ro, Ma­tra e ou­tras de gran­de di­men­são em Lu­an­da.

Ma­té­ria-pri­ma

Pa­ra ga­ran­tir que na­da fal­te à ope­ra­ci­o­na­li­da­de da em­pre­sa, foi cri­a­da uma uni­da­de pa­ra aten­der es­pe­ci­fi­ca­men­te às ne­ces­si­da­des da pro­du- ção de ma­dei­ra e de iner­tes: a CAMEX, SA. Com 56 tra­ba­lha­do­res, a CAMEX es­tá si­tu­a­da na lo­ca­li­da­de do Pi­ri, pro­vín­cia do Ben­go. Foi ali mon­ta­da uma ser­ra­ção de ma­dei­ra que é ex­traí­da nu­ma con­ces­são com mais de 10 mil me­tros qua­dra­dos. E é des­sa ser­ra­ção que, de­pen­den­do da va­ri­e­da­de e qua­li­da­de da ma­dei­ra, sa­em di­a­ri­a­men­te per­to de 20 a 30 me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra pa­ra a pro­du­ção de pa­le­tes.

A ex­plo­ra­ção da ma­dei­ra é acom­pa­nha­da de uma ri­go­ro­sa ob­ser­vân­cia das nor­mas de pro­tec­ção am­bi­en­tal e de uma po­lí­ti­ca de re­po­vo­a­men­to flo­res­tal. Pér­sio dos Reis adi­an­ta que na área da po­lí­ti­ca am­bi­en­tal há sem­pre o cui­da­do de não cor­tar as ár­vo­res na to­ta­li­da­de, dei­xan­do sem­pre gran­des dis­tân­ci­as en­tre elas e fa­zer um des­bas­te que não pre­ju­di­ca as flo­res, em pa­ra­le­lo com a re­flo­res­ta­ção on­de for nces­sá­rio.

Tam­bém na pro­vín­cia do Ben­go, con­cre­ta­men­te em Ca­xi­to, foi mon­ta­da uma pe­drei­ra que, en­tre di­fe­ren­tes pro­du­ções na ver­ten­te do cal­cá­rio e gra­ni­to atin­ge a ci­fra de mil to­ne­la­das por dia, o que ga­ran­te o fun­ci­o­na­men­to sem sig­ni­fi­ca­ti­vos so­bres­sal­tos.

SAN­TOS PE­DRO

As­se­gu­ra­do o for­ne­ci­men­to re­gu­lar de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção de qua­li­da­de às gran­des obras de en­ge­nha­ria ci­vil

NU­NO FLASH

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.