Joi­ce Es­te­ves mos­tra ta­len­to

Jornal de Angola - - PARTADA -

Joi­ce Es­te­ves é um dos mais no­vos ta­len­tos que têm vin­do a des­pon­tar no do­mí­nio das ar­tes plás­ti­cas, em An­go­la. Ape­sar da ida­de, as obras de Joi­ce Es­te­ves têm es­ta­do a con­quis­tar a sim­pa­tia e o elo­gio da crí­ti­ca em ter­mos de ar­tes plás­ti­cas. Es­tu­dan­te de Ci­ên­ci­as Eco­nó­mi­cas e Ju­rí­di­cas, a jo­vem des­ven­dou al­guns dos me­an­dros que nor­tei­am a sua car­rei­ra e os seus pró­xi­mos de­sa­fi­os. Eis aqui al­guns por­me­no­res da vi­da da mais no­va ar­tis­ta plás­ti­ca, Joi­ce Es­te­ves.

No­me: Joi­ce Nei­de de Sousa Cu­nha Es­te­ves. Ida­de: 19 anos. Da­ta de nas­ci­men­to: 28 de Abril de 1997. Cal­ça­do: 38. For­ma­ção: Es­tu­dan­te de Ci­ên­ci­as Eco­nó­mi­cas e Ju­rí­di­cas. Ocu­pa­ção: Ar­tis­ta Plás­ti­ca. Na­tu­ra­li­da­de: Lu­an­da. Fi­lhos: Ain­da não te­nho. So­nhos: Ter uma ga­le­ria de ar­tes. Sen­te-se re­a­li­za­da: Não. Tem car­ro pró­prio: Não. E ca­sa: Não. Que im­por­tân­cia têm as mu­lhe­res pa­ra si: As mu­lhe­res ocu­pam um pa­pel mui­to im­por­tan­te no mun­do. São as prin­ci­pais ge­ra­do­ras de vi­das, amam in­con­di­ci­o­nal­men­te a sua fa­mí­lia, as­sim co­mo edu­cam e pre­pa­ram pa­ra a vi­da fu­tu­ra.

Per­fu­me: Miss Di­or, Amor Amor, J’Ado­re e Chan­nel. Usa rou­pa de mar­ca: Sim. Co­mo se ves­te de se­gun­da a sex­ta-fei­ra: Uso cal­ças je­ans, ca­mi­sa ou blu­sa.

Aos fins-de-se­ma­na: De­pen­de, se for pa­ra sair uso ves­ti­do, ou al­go con­for­tá­vel co­mo cal­ções, mas se for pa­ra fi­car em ca­sa uso, nor­mal­men­te, al­go sim­ples e con­for­tá­vel. Cor pre­fe­ri­da: Rosa. Acre­di­ta em for­ças ocul­tas: Não. Acre­di­to em Deus e na fé. Co­mo re­a­ge: Não pen­so nis­so, por­que sem­pre ti­ve fé e oro sem­pre, acre­di­tan­do no amor de Deus que pa­ra mim é tu­do. On­de pas­sa as fé­ri­as: Em ca­sa ou vi­a­gens de Ve­rão. Ci­da­de pre­fe­ri­da: No­va Ior­que. Vir­tu­des: Ser de­ter­mi­nan­te nos meus ob­jec­ti­vos e ser uma pes­soa sin­ce­ra com os ou­tros. De­fei­tos: Tei­mo­sa, ra­bu­gen­ta, cho­ro­na e me ape­go fá­cil às pes­so­as. Ví­cio: Ge­la­dos. Ído­lo: Pau­lo Jazz, meu pai. Li­vros: “Bí­blia Sa­gra­da”, “Jo­vens ar­tis­tas”, “A lei da atrac­ção” e “Do ou­tro la­do do es­pe­lho”. Be­bi­da: Água e su­mo na­tu­ral de ma­ra­cu­já. Uma boa com­pa­nhia: Ami­gos. Mú­si­cos: Mi­cha­el Jack­son, Beyon­cé, Nic­ki Mi­naj, Ch­ris Brown, Ch­ris­ti­na Agui­le­ra, Ti­na Tur­ner, Phill Col­lins, Jus­tin Bi­e­ber e Bru­na Kar­la. Co­mi­da: Um bom gre­lha­do. Sa­be co­zi­nhar: Sei e mui­to bem. O quê, por exem­plo: Cal­dei­ra­da, mu­fe­te, so­pa e bo­los! Tu­do que eu ti­ver von­ta­de na ho­ra, eu fa­ço. É ciu­men­ta: Bas­tan­te. Mas con­si­go me con­tro­lar, por­que é na­tu­ral ter ciú­mes, um si­nal de que te­nho sen­ti­men­tos por al­guém. Qual é a sua opi­nião so­bres os ho­mens que ba­tem as mu­lhe­res: Pen­so que é co­var­dia, por­que es­te com­por­ta­men­to traz gra­ves con­sequên­ci­as. Ape­sar de, no prin­cí­pio, não vir­mos es­sa na­tu­re­za, pen­so as­sim e par­to pa­ra ou­tra, pa­ra vi­ver a re­a­li­da­de que de­se­jo. É cos­tu­me ba­ter nos ho­mens: Nun­ca! Sou con­tra vi­o­lên­cia, se­ja ela qual for. Des­por­to: Vo­lei­bol. Clu­be: Spor­ting de Por­tu­gal, Bar­ce­lo­na Fu­te­bol Clu­be e 1° d’Agos­to. Já foi en­ga­na­da: Já, de vá­ri­as ma­nei­ras, e por di­ver­sas pes­so­as às quais de­po­si­tei to­tal con­fi­an­ça e res­pei­to. Ano que mais a mar­cou: 2006. Porquê: Foi o ano em que per­di a mi­nha mãe. Al­gu­ma vez men­tiu: Sim. O que acha da cor­rup­ção: A fal­ta de im­pu­ni­da­de fa­vo­re­ce a cor­rup­ção. Quan­do for mais rí­gi­da, cer­ta­men­te ha­ve­rá mu­dan­ça. Ho­mos­se­xu­a­li­da­de: É um pe­ca­do. O Ho­mem foi fei­to pa­ra uma só mu­lher e as­sim po­der nos mul­ti­pli­car. Po­li­ga­mia: Sem sen­ti­do, só te­mos um amor na vi­da. A po­li­ga­mia não foi ins­ti­tuí­da por Deus.

MÁ­RIO COHEN

Tra­ba­lho da ar­tis­ta tem fu­tu­ro pro­mis­sor

MÁ­RIO COHEN

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.