Cré­di­to agrí­co­la es­te ano

Jornal de Angola - - PARTADA - YA­RA SI­MÃO |

O se­gu­ro agrí­co­la co­me­ça a fun­ci­o­nar ain­da es­te ano co­mo uma fer­ra­men­ta pa­ra a pro­tec­ção dos agri­cul­to­res, anun­ci­ou on­tem o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Agên­cia An­go­la­na de Re­gu­la­ção e Su­per­vi­são de Se­gu­ros (ARSEG). Agui­nal­do Jaime ex­pli­cou que pa­ra mi­ti­gar os ris­cos no se­gu­ro agrí­co­la é ne­ces­sá­rio re­gis­tar um con­jun­to de in­for­ma­ções.

O se­gu­ro agrí­co­la co­me­ça a fun­ci­o­nar ain­da es­te ano co­mo uma fer­ra­men­ta pa­ra a pro­tec­ção dos agri­cul­to­res, anun­ci­ou on­tem o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Agên­cia An­go­la­na de Re­gu­la­ção e Su­per­vi­são de Se­gu­ros (ARSEG).

Agui­nal­do Jaime, que fa­la­va à im­pren­sa no se­mi­ná­rio so­bre “A im­por­tân­cia dos se­gu­ros e de fun­dos de pen­sões”, em alu­são ao ter­cei­ro ani­ver­sá­rio da ins­ti­tui­ção que tu­te­la, ex­pli­cou que exis­tem vá­ri­os ris­cos no se­gu­ro agrí­co­la, sen­do por is­so ne­ces­sá­rio re­gis­tar um con­jun­to de in­for­ma­ções. Pa­ra o ar­ran­que do se­gu­ro, al­gu­mas fa­zen­das fo­ram já se­lec­ci­o­na­das em di­fe­ren­tes par­tes do país.

O se­gu­ro agrí­co­la, con­ti­nu­ou, não dis­pen­sa a par­ti­ci­pa­ção do Es­ta­do, por­que os ris­cos que os agri­cul­to­res en­fren­tam co­mo se­ca, de­ser­ti­fi­ca­ção, que­das de água, alui­men­to de ter­ras e as pra­gas são gran­des, o que tor­na as des­pe­sas exor­bi­tan­tes pa­ra as em­pre­sas se­gu­ra­do­ras. Por is­so, es­tá em cur­so um tra­ba­lho en­tre a ARSEG, os Mi­nis­té­ri­os da Agri­cul­tu­ra e Eco­no­mia, e os res­se­gu­ra­do­res. “É ne­ces­sá­rio ha­ver uma di­vi­são de tra­ba­lho en­tre o Es­ta­do e as em­pre­sas agrí­co­las pa­ra as se­gu­ra­do­ras não su­por­ta­rem es­ses ris­cos so­zi­nhas, por­que, se as­sim for, elas fa­rão re­per­cu­tir es­se ris­co so­bre o pre­ço e o se­gu­ro fi­ca in­viá­vel. E es­te não é o ca­mi­nho. Daí que o Es­ta­do tem de par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te nes­te pro­ces­so”, de­fen­de Agui­nal­do Jaime. A tí­tu­lo de exem­plo, Agui­nal­do Jaime ci­tou al­guns paí­ses que cri­a­ram fun­do de ca­la­mi­da­de pa­ra em si­tu­a­ções de ris­co aju­da­rem as se­gu­ra­do­ras e os agri­cul­to­res.

Agui­nal­do Jaime apon­tou ain­da o se­gu­ro de im­por­ta­ção co­mo uma pre­o­cu­pa­ção que de­ve ser so­lu­ci­o­na­da. Pa­ra is­so, pre­ten­de-se cri­ar a res­se­gu­ra­do­ra na­ci­o­nal e um con­jun­to de ini­ci­a­ti­vas in­ter­li­ga­das en­tre si, que vão tor­nar pos­sí­vel a sua en­tra­da em vi­gor no fi­nal do ano.

O ges­tor con­si­de­ra a ta­xa de pe­ne­tra­ção do se­gu­ro em An­go­la mui­to abai­xo da mé­dia do con­ti­nen­te afri­ca­no, uma si­tu­a­ção que, pa­ra Agui­nal­do Jaime, po­de ser re­ver­ti­da nos pró­xi­mos anos, com as me­di­das que es­tão a ser im­ple­men­ta­das no sec­tor.

Ac­ções co­mo se­mi­ná­ri­os e sen­si­bi­li­za­ção das fa­mí­li­as so­bre a im­por­tân­cia e o pa­pel que o se­gu­ro de­sem­pe­nha no de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co es­tão em cur­so. Nes­te mo­men­to, de­cor­rem con­ver­sa­ções com o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção pa­ra que o Se­gu­ro pas­se a in­te­grar as te­má­ti­cas do sis­te­ma de ensino a par­tir da 5.ª e 6.ª clas­ses, atra­vés das ma­té­ri­as li­ga­das à li­te­ra­cia fi­nan­cei­ra.

“Te­mos cons­ci­ên­cia da de­pre­ci­a­ção dos ac­ti­vos das em­pre­sas ope­ra­do­ras e que es­tão ao cor­ren­te das di­fi­cul­da­des que as se­gu­ra­do­ras têm ti­do pa­ra hon­rar an­te­ci­pa­da­men­te os com­pro­mis­sos do mer­ca­do de se­gu­ros. Por is­so, no qua­dro da cri­se cam­bi­al em que se vi­ve, va­mos jun­to do go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la pro­cu­rar dar so­lu­ção a es­te pro­ble­ma”, es­cla­re­ceu.

KIN­DA­LA MA­NU­EL

Pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Agên­cia de Re­gu­la­ção de Se­gu­ros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.