Uma li­ção na ONU

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL RUI

A se­ma­na que pas­sou, a opi­nião pú­bli­ca mun­di­al foi do­mi­na­da pe­la as­sem­bleia ge­ral das Na­ções Uni­das – ONU, o fó­rum mais im­por­tan­te do mun­do por­que tem re­pre­sen­tan­tes de to­dos os paí­ses por ela re­co­nhe­ci­dos, en­quan­to que por cá, se re­pe­tiu a re­pe­ti­ção de trans­la­dar go­ver­na­do­res ou mem­bros do go­ver­no pa­ra ou­tro lu­gar, de tal for­ma que um vol­tou pa­ra um lu­gar on­de já es­ti­ve­ra faz dé­ca­das. Os meus con­ter­râ­ne­os do Hu­am­bo con­tam-me que o po­vo ti­nha me­do do go­ver­na­dor e es­te ti­nha me­do no po­vo. Is­to de­ve ser tu­do bo­a­ta­ria mas que o Hu­am­bo se afun­dou é uma ver­da­de. Me­di­tan­do. Se um qua­dro an­da de um la­do pa­ra ou­tro co­mo se não fos­se uma ca­la­mi­da­de mas um be­ne­fí­cio do céu, por mor do seu sa­ber e re­sul­ta­dos pa­ra o po­vo, te­mos que con­vir que é mi­li­tân­cia de can­sa­ço e, fa­ce a tal mé­ri­to, bom se­ria ir pa­ra a uni­ver­si­da­de trans­mi­tir co­nhe­ci­men­tos so­bre ad­mi­nis­tra­ção, ges­tão, etc., sal­vo aque­les que ob­vi­a­men­te não de­vem ser en­si­na­dos.

Na ONU com­pa­re­ce­ram, pra­ti­ca­men­te, to­dos os pre­si­den­tes dos paí­ses mem­bros. Sal­vo An­go­la que en­vi­ou o vi­ce-pre­si­den­te que abor­dou uma ques­tão de so­me­nos im­por­tân­cia re­la­ti­va ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, o au­men­to do nú­me­ro de mem­bros não per­ma­nen­tes de que An­go­la faz par­te.

A ONU sur­giu no fim da 2ª gu­er­ra mun­di­al e a car­ta é con­sa­gra­da em 25 de Ou­tu­bro de 1945. Tem, atu­al­men­te, 193 mem­bros e in­ten­ta pro­mo­ver a paz e se­gu­ran­ça mun­di­al, pro­mo­ver os di­rei­tos hu­ma­nos, au­xi­li­ar o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e pro­gres­so so­ci­al, pro­te­ger o meio am­bi­en­te, aju­da hu­ma­ni­tá­ria, aju­da con­tra a fo­me, au­xí­lio fa­ce aos de­sas­tres na­tu­rais e con­fli­tos ar­ma­dos. Es­ta or­ga­ni­za­ção foi cri­a­da em no­me da de­mo­cra­cia oci­den­tal e, nos pe­que­nos paí­ses on­de os di­rei­tos hu­ma­nos são vi­o­la­dos, ser­ve, pe­lo me­nos de ins­pi­ra­ção à so­ci­e­da­de ci­vil e or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais pa­ra se opo­rem das mais va­ri­a­das for­mas.

Cu­ri­o­so é que, os Es­ta­dos Uni­dos e a Rús­sia, saí­ram da gu­er­ra fria pa­ra uma mul­ti­pli­ci­da­de de guer­ras quen­tes, qua­se des­truin­do o mun­do ára­be com a “pri­ma­ve­ra” ára­be e, o que vai fi­car na his­tó­ria da de­su­ma­ni­da­de foi a he­ca­tom­be da in­va­são ame­ri­ca­na ao Ira­que con­tra e sem au­to­ri­za­ção da ONU, em des­res­pei­to à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. E na­da lhe acon­te­ceu. Aliás a Co­reia do Nor­te, em de­so­be­di­ên­cia cons­tan­te, foi ba­ter o pé en­quan­to os fo­gue­tões não fo­rem con­si­de­ra­dos mo­da­li­da­de olím­pi­ca. Por­que a ONU só é de­mo­cra­cia pa­ra fo­ra e não pa­ra den­tro pois, os mem­bros per­ma­nen­tes, Es­ta­dos Uni­dos, Fran­ça, Rei­no Uni­do, Rús­sia (su­ces­so­ra da União So­vié­ti­ca) e Re­pú­bli­ca Po­pu­lar da Chi­na, têm di­rei­to de ve­to. Quer di­zer que qual­quer re­so­lu­ção da As­sem­bleia po­de ser chum­ba­da por um ve­to. Não sei se o vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la, mem­bro não per­ma­nen­te, abor­dou a ini­qui­da­de do di­rei­to de ve­to dos mem­bros per­ma­nen­tes, pois po­de au­men­tar até um mi­lhão de não per­ma­nen­tes que po­de­rão ba­ter sem­pre na pa­re­de do ve­to de um ou mais per­ma­nen­tes. Se­ja co­mo for, o lu­gar de Se­cre­tá­rio Ge­ral é de­ve­ras im­por­tan­te e o “Par­la­men­to” da CPLP apoia Gu­ter­res, um po­lí­ti­co por­tu­guês, ao que pa­re­ce, com um man­da­to im­po­lu­to e mi­li­tan­te en­quan­to foi Co­mis­sá­rio pa­ra os re­fu­gi­a­dos. Ain­da a CPLP de­fen­deu Ti­mor na ques­tão das su­as águas ter­ri­to­ri­ais e abor­dou o de­sa­cor­do por­tu­grá­fi­co. Nos con­tex­tos dos paí­ses mem­bros do­en­tes, foi uma reu­nião sau­dá­vel. Na­da mais se po­de­ria es­pe­rar de uma or­ga­ni­za­ção de paí­ses pro­ble­má­ti­cos co­mo o Bra­sil, cu­ja te­le­vi­são, de­pois da de­nún­cia da la­dro­ei­ra de di­rei­ta e a res­pos­ta da des­ti­tui­ção de Dil­ma, jun­ta a te­le­no­ve­la da la­dro­ei­ra da es­quer­da com Lu­la à ca­be­ça, nu­ma de­ca­dên­cia de au­to­es­ti­ma de­se­nhan­do que a di­rei­ta le­van­ta o bra­ço di­rei­to pa­ra rou­bar com a mão es­quer­da; e a es­quer­da le­van­ta o bra­ço es­quer­do pa­ra rou­bar com a mão di­rei­ta… o que não cor­res­pon­de aos va­lo­res do po­vo bra­si­lei­ro.

Fe­liz­men­te, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa, o pre­si­den­te por­tu­guês, hon­rou o seu país e a CPLP com pa­la­vras de an­to­lo­gia a que não gos­ta­ria de cha­mar dis­cur­so pa­ra não as ba­na­li­zar com dis­cur­sos de fi­si­o­te­ra­pia do so­no com di­rei­to a ron­car tão fre­quen­tes. Usan­do pa­la­vras sim­ples tra­tou a eu­ro­pa com pin­ças sub­tis so­bre a ci­rur­gia plás­ti­ca. Fa­lou na di­fe­ren­ça en­tre he­mis­fé­ri­os. “Nun­ca es­que­cen­do que o que nos une é mui­to mais im­por­tan­te do que aqui­lo que nos di­vi­de.”Mais: “Vo­ca­ção uni­ver­sal, no abra­ço que nos li­ga aos po­vos ir­mãos, que par­ti­lham a nos­sa lín­gua, nu­ma co­mu­ni­da­de aber­ta.” Mar­ce­lo é, ide­o­lo­gi­ca­men­te, um ho­mem de di­rei­ta que con­vi­ve com um go­ver­no tri­fá­si­co com qua­dro so­ci­a­lis­ta. Mas é um ho­mem às “di­rei­tas.”

Re­fe­riu-se a Gandhi e Man­de­la co­mo exem­plos; que Por­tu­gal ti­nha re­ce­bi­do o do­bro da quo­ta de re­fu­gi­a­dos e ele, en­quan­to pro­fes­sor de di­rei­to, ha­via da­do au­las a um jo­vem re­fu­gi­a­do sí­rio. E ci­tou o es­cri­tor por­tu­guês Vir­gí­lio Fer­rei­ra na fra­se que é um po­e­ma uni­ver­sal: “DA MI­NHA LÍNGUAVÊ-SE O MAR.”

Mar­ce­lo Re­be­lo de Sousa dis­se co­mo de­ve­ria ser a eu­ro­pa, a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, em su­ma, o pre­si­den­te por­tu­guês foi a No­va Ior­que dar uma au­la. Uma li­ção na ONU.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.