Aber­to cen­tro de aco­lhi­men­to pa­ra re­cu­pe­ra­ção de al­coó­la­tras

REIN­TE­GRA­ÇÃO SO­CI­AL NO CU­AN­DO CU­BAN­GO Ini­ci­a­ti­va é de uma as­so­ci­a­ção fi­lan­tró­pi­ca cons­ti­tuí­da por vá­ri­as igre­jas

Jornal de Angola - - PARTADA - WEZA PASCOAL | Menongue

Um cen­tro de aco­lhi­men­to e re­a­bi­li­ta­ção pa­ra do­en­tes al­coó­li­cos, com ca­pa­ci­da­de pa­ra al­ber­gar 30 pes­so­as, nu­ma ini­ci­a­ti­va da Cruz Azul de An­go­la (CAA), foi inau­gu­ra­do na se­ma­na fin­da, na ci­da­de de Menongue.

O cen­tro, or­ça­do em cer­ca de cin­co mi­lhões de kwan­zas, con­ta com qu­a­tro dor­mi­tó­ri­os, dois pa­ra mu­lhe­res e igual nú­me­ro pa­ra ho­mens, co­zi­nha, sa­la pa­ra au­las cris­tãs, um es­cri­tó­rio, en­tre ou­tros com­par­ti­men­tos. O go­ver­na­dor do Cu­an­do Cu­ban­go, Pe­dro Mu­tin­di, que pre­sen­ci­ou o ac­to inau­gu­ral, agra­de­ceu a ini­ci­a­ti­va da Cruz Azul de An­go­la pe­la cons­tru­ção do cen­tro, sen­do o úni­co exis­ten­te na pro­vín­cia e que é fun­da­men­tal pa­ra a sen­si­bi­li­za­ção, re­cu­pe­ra­ção e rein­ser­ção dos ci­da­dãos na so­ci­e­da­de.

O Go­ver­no da pro­vín­cia tem acom­pa­nha­do com aten­ção o tra­ba­lho que a as­so­ci­a­ção cris­tã Cruz Azul de An­go­la tem re­a­li­za­do no país, no âm­bi­to da pre­ven­ção e lu­ta con­tra o al­co­o­lis­mo e a to­xi­co­de­pen­dên­cia, sen­do a ju­ven­tu­de a ca­ma­da mais afec­ta­da.

O Cu­an­do Cu­ban­go ga­nha es­te cen­tro que, cer­ta­men­te, vai fa­zer di­fe­ren­ça na vi­da de mui­tas fa­mí­li­as afec­ta­das pe­lo al­co­o­lis­mo e a to­xi­co­de­pen­dên­cia, dis­se Pe­dro Mu­tin­di, pa­ra quem es­te pro­jec­to vai ser­vir pa­ra a re­cu­pe­ra­ção de mui­tos ci­da­dãos que ne­ces­si­tam de apoio, tra­zen­do-lhes a es­pe­ran­ça de uma vi­da no­va. O al­co­o­lis­mo e o con­su­mo de dro­gas têm al­can­ça­do ní­veis alar­man­tes na so­ci­e­da­de an­go­la­na, um mal que tem cau­sa­do a de­ses­tru­tu­ra­ção de mui­tas fa­mí­li­as.

O di­rec­tor do cen­tro, Ai­res Ma­ti­as Ma­nu­el, afir­mou que a ins­ti­tui­ção que vai di­ri­gir, ape­sar de ser ain­da em ins­ta­la­ções pro­vi­só­ri­as, vai mi­ni­mi­zar as si­tu­a­ções ne­fas­tas que es­tão a des­truir la­res, di­zi­mar vi­das, es­tra­gar o fu­tu­ro de mui­tos jo­vens, sen­do o ál­co­ol apon­ta­do co­mo a prin­ci­pal cau­sa da de­linquên­cia, vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e da si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria. A Cruz Azul de An­go­la pug­na por um bem-es­tar dos do­en­tes al­coó­li­cos pa­ra a sua par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va no de­sen­vol­vi­men­to e cres­ci­men­to eco­nó­mi­co do país, ten­do em con­ta que a so­ci­e­da­de ne­ces­si­ta de jo­vens sau­dá­veis pa­ra a sua re­cons­tru­ção.

A Cruz Azul, fun­da­da no dia 21 de Se­tem­bro de 1877, na Suí­ça, es­tá re­pre­sen­ta­da em mais de 51 paí­ses do mun­do e em An­go­la es­tá nas pro­vín­ci­as do Cu­an­do Cu­ban­go, Lu­an­da, Bié, Ben­gue­la e Na­mi­be.

“A Cruz Azul de An­go­la é a união das igre­jas IECA, ICA, IERA, União e IE­SA, que tra­ba­lham pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção fí­si­ca e es­pi­ri­tu­al das pes­so­as de­pen­den­tes de be­bi­das al­coó­li­cas, atra­vés do po­der do san­gue de Je­sus Cris­to, e re­tor­ná-las à so­ci­e­da­de e ao con­ví­vio fa­mi­li­ar.”

A Cruz Azul de An­go­la é uma ins­ti­tui­ção não-go­ver­na­men­tal, apar­ti­dá­ria e fi­lan­tró­pi­ca de so­li­da­ri­e­da­de so­ci­al, li­ga­da à Cruz Azul In­ter­na­ci­o­nal. Pa­ra a pros­se­cu­ção dos seus fins pro­põe cri­ar, man­ter e de­sen­vol­ver cen­tros de aco­lhi­men­to de do­en­tes al­coó­li­cos, cen­tros de tra­ba­lho e de ani­ma­ção.

WEZA PASCOAL|MENONGUE

As obras do cen­tro de aco­lhi­men­to e re­a­bi­li­ta­ção de do­en­tes al­coó­li­cos do Cu­an­do Cu­ban­go fi­ca­ram or­ça­das em mi­lhões de kwan­zas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.