Di­plo­ma­ta chi­nês elo­gia me­di­das pa­ra saí­da da cri­se

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

O em­bai­xa­dor da Chi­na elo­gi­ou on­tem a for­ma ac­ti­va co­mo An­go­la re­a­giu ao im­pac­to ad­ver­so cau­sa­do pe­la qu­e­da dos pre­ços das ma­té­ri­as-pri­mas, prin­ci­pal­men­te o pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal e ga­ran­tiu o apoio do seu país pa­ra ul­tra­pas­sar as di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas e pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do.

Em de­cla­ra­ções na ce­ri­mó­nia comemorativa dos 67 anos da pro­cla­ma­ção da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar da Chi­na, que se as­si­na­la a 1 de Ou­tu­bro, Cui Aimin lem­brou que no mun­do es­tão a acon­te­cer trans­for­ma­ções e re­for­mas pro­fun­das e sem pre­ce­den­tes, co­lo­can­do to­dos os paí­ses à pro­va re­al de co­mo se adap­tar à evo­lu­ção da si­tu­a­ção e al­can­çar um me­lhor de­sen­vol­vi­men­to.

O di­plo­ma­ta afir­mou que, sob a for­te li­de­ran­ça do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o Go­ver­no an­go­la­no to­mou me­di­das de vá­ri­os as­pec­tos pa­ra es­ta­bi­li­zar a si­tu­a­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca, ace­le­rar com ím­pe­to o pro­ces­so da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, sal­va­guar­dar com de­ter­mi­na­ção a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e so­ci­al, ar­ran­car com su­ces­so o pro­ces­so das elei­ções ge­rais de 2017, além de pra­ti­car ac­ti­vi­da­des di­plo­má­ti­cas mul­ti­fa­ce­ta­das.

“Elo­gi­a­mos os es­for­ços fei­tos por An­go­la pa­ra sal­va­guar­dar a paz, es­ta­bi­li­da­de e o seu de­sen­vol­vi­men­to e da re­gião”, dis­se, ma­ni­fes­tan­do a con­fi­an­ça de que o Go­ver­no e o po­vo an­go­la­no vão man­ter-se uni­dos pa­ra ven­cer os de­sa­fi­os e di­fi­cul­da­des e re­to­mar o ca­mi­nho da re­cu­pe­ra­ção e de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co. Cui Aimin afir­mou que os dois paí­ses es­tão a im­ple­men­tar os con­sen­sos es­ta­be­le­ci­dos pe­los Pre­si­den­tes Xi Jin­ping e Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ex­plo­ran­do com ro­bus­tez as co­o­pe­ra­ções de vá­ri­os sec­to­res.

O di­plo­ma­ta ga­ran­tiu que o no­vo cír­cu­lo da co­o­pe­ra­ção de fi­nan­ci­a­men­to em gran­de es­ca­la en­tre os dois paí­ses já ar­ran­cou e que vá­ri­as de­ze­nas de pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ra e de sub­sis­tên­cia já co­me­ça­ram a ser im­ple­men­ta­dos, o que fa­vo­re­ce­rá po­si­ti­va­men­te o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co de An­go­la e a me­lho­ria do bem-es­tar da po­pu­la­ção. Co­mo exem­plo das bo­as re­la­ções en­tre os dois paí­ses, o di­plo­ma­ta des­ta­cou a inau­gu­ra­ção há du­as se­ma­nas do pri­mei­ro Ins­ti­tu­to Con­fú­cio em An­go­la, que tem co­mo ob­jec­ti­vo lec­ci­o­nar a lín­gua chi­ne­sa e co­nhe­ci­men­tos so­bre a cul­tu­ra da Chi­na.

A es­tru­tu­ra con­ta com sa­las de con­fe­rên­ci­as e even­tos, sa­las de au­la, la­bo­ra­tó­ri­os de lín­guas na­ci­o­nais de An­go­la, bi­bli­o­te­ca e an­fi­te­a­tro, for­ne­cen­do uma pla­ta­for­ma am­pla de apren­di­za­gem da lín­gua chi­ne­sa, de tro­cas cul­tu­rais en­tre os dois paí­ses e en­tre do­cen­tes e es­tu­dan­tes da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to.

Ban­co da Chi­na em Lu­an­da

As au­to­ri­da­des chi­ne­sas pre­pa­ram, pa­ra bre­ve, a aber­tu­ra em Lu­an­da da su­cur­sal do Ban­co da Chi­na, pa­ra apoi­ar o co­mér­cio en­tre os dois paí­ses. Ape­sar de não avan­çar a da­ta, o em­bai­xa­dor anun­ci­ou, igual­men­te, a re­a­li­za­ção em Lu­an­da do Fó­rum de In­ves­ti­men­to Chi­na-An­go­la e que já fo­ram ins­cri­tas vá­ri­as de­ze­nas de em­pre­sas chi­ne­sas pa­ra a par­ti­ci­pa­ção.

“O bom de­sen­vol­vi­men­to da co­o­pe­ra­ção si­no-an­go­la­na é in­se­pa­rá­vel da par­ti­ci­pa­ção e apoio das em­pre­sas dos dois paí­ses”, dis­se o di­plo­ma­ta, sa­tis­fei­to pe­las “po­lí­ti­cas aber­tas e in­clu­si­vas adop­ta­das pe­lo Go­ver­no an­go­la­no, no âm­bi­to da co­o­pe­ra­ção ex­ter­na, e pe­los seus es­for­ços de cri­ar um am­bi­en­te e con­di­ções fa­vo­rá­veis pa­ra os in­ves­ti­do­res chi­ne­ses e de to­dos os paí­ses po­de­rem in­ves­tir e ope­rar em An­go­la”. O di­plo­ma­ta afir­mou que o Go­ver­no chi­nês vai con­ti­nu­ar a apoi­ar e in­cen­ti­var as em­pre­sas chi­ne­sas a es­for­ça­rem-se pa­ra ul­tra­pas­sar as di­fi­cul­da­des e re­sol­ver os pro­ble­mas sur­gi­dos no ca­mi­nho do avan­ço, com vi­são de de­sen­vol­vi­men­to e me­di­das de ino­va­ção.

“As em­pre­sas chi­ne­sas em An­go­la vão con­ti­nu­ar a con­so­li­dar a con­fi­an­ça e adap­tar-se à trans­for­ma­ção e re­for­ma da eco­no­mia an­go­la­na, além de par­ti­ci­pa­rem ac­ti­va­men­te no pro­ces­so da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na e as­se­gu­rar a lo­ca­li­za­ção e in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção de ne­gó­ci­os”, dis­se, sem es­que­cer o cum­pri­men­to, com se­ri­e­da­de, das res­pon­sa­bi­li­da­des so­ci­ais.

Co­o­pe­ra­ção po­si­ti­va

Pre­sen­te na ce­ri­mó­nia, a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Co­o­pe­ra­ção, Ân­ge­la Bra­gan­ça, de­cla­rou que as re­la­ções com a Chi­na são bas­tan­te po­si­ti­vas e vão con­tri­buir pa­ra a cri­a­ção de ba­ses pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do elo­gi­ou o fac­to de exis­tir uma co­o­pe­ra­ção de­fi­ni­da ao mais al­to ní­vel co­mo es­tra­té­gi­ca e que é, so­bre­tu­do, su­per­vi­si­o­na­da pe­los Pre­si­den­tes dos dois paí­ses. Ân­ge­la Bra­gan­ça su­bli­nhou que a co­o­pe­ra­ção é for­te no do­mí­nio das in­fra-es­tru­tu­ras, ener­gia, edu­ca­ção e saú­de, bem co­mo na for­ma­ção de qua­dros, que “po­de ser quan­ti­fi­ca­da por­que os re­sul­ta­dos são vi­sí­veis”.

PAU­LO MU­LA­ZA

Cui Aimin fa­lou das re­la­ções bi­la­te­rais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.