Os de­ri­va­dos do pe­tró­leo

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A qua­li­da­de dos de­ri­va­dos de pe­tró­leo usa­dos no país de­ve ter pa­drões de qua­li­da­de uni­ver­sal­men­te acei­tes pa­ra que a saú­de hu­ma­na, o tem­po de vi­da nor­mal dos mo­to­res, a sus­ten­ta­bi­li­da­de am­bi­en­tal, en­tre ou­tros fac­to­res, di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te li­ga­dos ao uso, se­jam pre­ser­va­dos. Es­sas e ou­tras pre­o­cu­pa­ções, re­la­ci­o­na­das com o uso dos com­bus­tí­veis fós­seis, es­tão na agen­da per­ma­nen­te das au­to­ri­da­des an­go­la­nas cu­jas me­tas pa­ra do­tar o país de fer­ra­men­tas pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel não mu­da­ram. As res­pon­sa­bi­li­da­des acen­tu­am-se na me­di­da em que o país con­ti­nua a im­por­tar gran­de par­te dos bens de con­su­mo em ge­ral e mui­to em par­ti­cu­lar a mai­o­ria dos com­bus­tí­veis pa­ra mo­to­res.

An­go­la é sig­na­tá­ria de Tra­ta­dos e Con­ven­ções que, ao la­do da for­mu­la­ção de um qua­dro ju­rí­di­co que de­fi­na res­pon­sa­bi­li­da­des di­an­te das com­ple­xas ques­tões am­bi­en­tais e eco­ló­gi­cas, vi­a­bi­li­za­ram a im­ple­men­ta­ção de leis e re­gras bem cla­ras. A Lei de Ba­ses do Am­bi­en­te cons­ti­tui ho­je um ins­tru­men­to im­por­tan­te na re­gu­la­ção de to­das as ac­ções hu­ma­nas com im­pac­to, di­rec­to ou in­di­rec­to, so­bre o meio.

Em mui­tos as­pec­tos, te­mos si­do ca­pa­zes de acom­pa­nhar to­da a evo­lu­ção dos pro­ces­sos que, por ac­ção hu­ma­na, pre­ju­di­cam a saú­de e o am­bi­en­te, mas pre­ci­sa­mos de ir um pou­co além na men­su­ra­ção da qua­li­da­de do ar, na re­ver­são dos efei­tos da po­lui­ção e con­ten­ção de ou­tros ma­les.

Nu­ma al­tu­ra em que cres­ce a in­ci­dên­cia de do­en­ças can­ce­rí­ge­nas, é pre­o­cu­pan­te to­mar co­nhe­ci­men­to so­bre o com­bus­tí­vel automóvel co­mer­ci­a­li­za­do em Áfri­ca, ale­ga­da­men­te, com ní­veis de en­xo­fre cen­te­nas de ve­zes su­pe­ri­o­res aos li­mi­tes im­pos­tos nou­tras re­giões do mun­do.

O cha­ma­do “di­e­sel su­jo”, que foi mo­ti­vo da in­ves­ti­ga­ção du­ran­te três anos por par­te da ONG suí­ça Pu­blic Eye, de­ve ser­vir co­mo um si­nal de aler­ta pa­ra pos­te­ri­or ava­li­a­ção das su­as con­sequên­ci­as e pon­de­rar-se a even­tu­al ces­sa­ção da sua im­por­ta­ção. Tra­ta-se de um re­la­tó­rio da ci­ta­da or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal, em que fo­ram vi­sa­dos oi­to paí­ses da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, cu­jos re­sul­ta­dos in­di­cam que com­pa­nhi­as for­ne­ce­do­ras de pro­du­tos de­ri­va­dos de pe­tró­leo ex­por­tam pa­ra o con­ti­nen­te com­bus­tí­vel al­ta­men­te po­luí­do. Tal com­bus­tí­vel de­no­mi­na­do de “qua­li­da­de afri­ca­na”, uma es­pé­cie de bi­to­la que ale­ga­da­men­te me­de o pro­du­to co­mo sen­do ape­nas co­mer­ci­a­li­zá­vel no con­ti­nen­te, é al­ta­men­te pre­ju­di­ci­al e cons­ti­tui um pro­ble­ma que não de­ve ser mi­ni­mi­za­do.

Sem alar­mis­mo e par­tin­do do prin­cí­pio de que o me­lhor pas­sa por reu­nir da­dos con­sis­ten­tes que ates­tem a ve­ra­ci­da­de das in­ves­ti­ga­ções fei­tas pe­la ins­ti­tui­ção, pre­ci­sa­mos de pres­tar aten­ção ao pro­ble­ma.

A ex­po­si­ção às par­tí­cu­las fi­nas de tal subs­tân­cia, além de ou­tras re­sul­tan­tes da com­po­si­ção que dá ori­gem ao cha­ma­do “di­e­sel su­jo”, co­mo é de­sig­na­do o pro­du­to ex­por­ta­do, ten­de a pro­vo­car nu­me­ro­sas do­en­ças. As in­for­ma­ções re­la­ti­vas ao com­bus­tí­vel em con­di­ções ina­pro­pri­a­das são de­ma­si­a­do sé­ri­as e pas­sí­veis de apro­fun­da­da in­ves­ti­ga­ção por par­te de en­ti­da­des afri­ca­nas, sob pe­na das con­di­ções so­ci­ais já de si pre­cá­ri­as em mui­tas re­giões afri­ca­nas agu­di­za­rem-se ain­da mais.

Sem alar­mis­mo, é re­co­men­dá­vel que as en­ti­da­des afri­ca­nas, par­ti­cu­lar­men­te as As­so­ci­a­ções das Re­fi­na­ri­as Afri­ca­nas in­ten­si­fi­quem os me­ca­nis­mos de con­tro­lo e pa­dro­ni­za­ção do ti­po de de­ri­va­dos de pe­tró­leo usa­dos em Áfri­ca. O con­ti­nen­te não po­de per­ma­nen­te­men­te cons­ti­tuir-se co­mo uma es­pé­cie de de­pó­si­to de re­sí­du­os, ou des­ti­no de pro­du­tos que, im­por­ta­dos apa­ren­te­men­te pa­ra fins con­si­de­ra­dos be­né­fi­cos, aca­bam por ter um cus­to ele­va­do pa­ra a saú­de e am­bi­en­te. Es­ta­mos to­dos lem­bra­dos do epi­só­dio do li­xo ra­di­o­ac­ti­vo de­po­si­ta­do em al­guns paí­ses afri­ca­nos cu­jos efei­tos no­ci­vos fi­ca­ram por de­mais pro­va­dos e con­ti­nu­am até aos di­as de ho­je.

Ur­ge in­ves­ti­gar, cri­ar me­ca­nis­mos de ava­li­a­ção e mo­ni­to­ri­za­ção da qua­li­da­de dos de­ri­va­dos do pe­tró­leo ex­por­ta­dos pa­ra o nos­so país, nu­ma al­tu­ra em que os ní­veis de de­gra­da­ção am­bi­en­tal con­ti­nu­am pre­o­cu­pan­tes.

Em­bo­ra as com­pa­nhi­as men­ci­o­na­das nos re­la­tó­ri­os se de­fen­dam com ale­ga­ções se­gun­do as quais res­pei­tam os pa­drões es­ta­be­le­ci­dos pe­las As­so­ci­a­ções de Re­fi­na­ri­as Afri­ca­nas, não há dú­vi­das de que em no­me da saú­de das pes­so­as e por for­ça das leis am­bi­en­tais mais va­le re­do­brar a vi­gi­lân­cia.

É ver­da­de que a mai­o­ria das com­pa­nhi­as, li­ga­das à dis­tri­bui­ção dos de­ri­va­dos de pe­tró­leo, não con­tro­la to­da a ca­deia em que in­ter­vêm a di­fe­ren­tes ní­veis nu­me­ro­sos ac­to­res até o pro­du­to che­gar aos con­su­mi­do­res.

Mas em to­do o ca­so, os im­por­ta­do­res dos pro­du­tos de­ri­va­dos de pe­tró­leo, pa­ra sal­va­guar­dar a saú­de e am­bi­en­te pa­ra as ge­ra­ções pre­sen­tes e fu­tu­ras, não po­dem olhar a mei­os na efec­ti­va­ção des­te im­por­tan­te de­si­de­ra­to.

Es­pe­ra­mos que os ní­veis de con­tro­lo da qua­li­da­de dos com­bus­tí­veis que en­tram pa­ra o país im­pe­çam a en­tra­da e cir­cu­la­ção em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal de ma­te­ri­al tó­xi­co e al­ta­men­te le­si­vo pa­ra a saú­de das pes­so­as.

Do aler­ta re­sul­tan­te da pre­sen­te in­ves­ti­ga­ção re­la­ci­o­na­da com a ale­ga­da ven­da do cha­ma­do “di­e­sel su­jo” em Áfri­ca e em An­go­la em par­ti­cu­lar, va­le a pe­na in­sis­tir na ne­ces­si­da­de de mai­or con­tro­lo e vi­gi­lân­cia, sob pe­na dos efei­tos dos de­ri­va­dos do pe­tró­leo res­va­la­rem pa­ra pro­ble­mas de saú­de pú­bli­ca.

Es­ta­bi­li­da­de em Áfri­ca

Gos­ta­va que to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no a que per­ten­ce o meu país, An­go­la,vi­ves­se to­do ele em paz. Fi­co mui­to tris­te quan­do oi­ço no­tí­ci­as de con­fli­tos ar­ma­dos em paí­ses afri­ca­nos, que, de­pois de mais de cin­quen­ta anos de in­de­pen­dên­cia ain­da não con­se­guem ter a es­ta­bi­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.