CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ANABELA CA­E­TA­NO | AL­FRE­DO DA CON­CEI­ÇÃO | MI­GUEL PE­DRO| AMÉLIA LU­CAS

Bai­xa mais lim­pa

Te­nho cons­ta­ta­do que a Bai­xa de Lu­an­da es­tá a fi­car ca­da vez mais lim­pa. Há áre­as da Bai­xa de Lu­an­da, on­de es­tão ins­ta­la­dos vá­ri­os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais e ou­tras ins­ti­tui­ções, co­mo ban­cos, que se es­tão a li­ber­tar fi­nal­men­te do li­xo. De­vo elo­gi­ar o fac­to de se es­tar a re­a­li­zar com mai­or re­gu­la­ri­da­de ope­ra­ções de lim­pe­za na Bai­xa de Lu­an­da, que es­ta­va mui­to suja. Mas pen­so que se po­de fa­zer mais, em ter­mos de lim­pe­za e de eli­mi­na­ção de águas pu­tre­fac­tas. Pen­so tam­bém que se de­vem fa­zer tra­ba­lhos nos jar­dins que exis­tem na Bai­xa de Lu­an­da, em par­ti­cu­lar o que se en­con­tra no Lar­go do Atlé­ti­co. É en­tre­tan­to ne­ces­sá­rio que os ci­da­dãos que mo­ram ou tra­ba­lham na Bai­xa de Lu­an­da co­lo­quem o li­xo em lo­cais apro­pri­a­dos. Os ci­da­dãos de­vem tam­bém aju­dar as au­to­ri­da­des a re­sol­ver os pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com a re­co­lha de re­sí­du­os só­li­dos. De­vo apro­vei­tar ain­da es­te es­pa­ço pa­ra in­cen­ti­var as au­to­ri­da­des a pros­se­guir o seu bom tra­ba­lho de re­co­lha cé­le­re do li­xo em Lu­an­da, pa­ra bem de to­dos os que ne­la vi­vem. ne­ces­sá­ria pa­ra se de­di­ca­rem ex­clu­si­va­men­te às ta­re­fas ge­ra­do­ras de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de­sen­vol­vi­men­to pa­ra os seus po­vos. Vi­vo num país que pa­de­ceu uma lon­ga gu­er­ra. Nós, an­go­la­nos, sa­be­mos das con­sequên­ci­as ne­fas­tas da gu­er­ra e não que­re­mos que ou­tros po­vos ir­mãos vi­vam per­ma­nen­te­men­te em am­bi­en­te de ins­ta­bi­li­da­de. A gu­er­ra só pro­vo­ca tra­gé­di­as.

Só atra­sa a vi­da dos nos­sos po­vos. Nós, an­go­la­nos, não que­re­mos mais que ha­ja tra­gé­di­as em Áfri­ca. Apoio os es­for­ços que o nos­so go­ver­no tem em­pre­en­di­do ao ní­vel do con­ti­nen­te pa­ra a re­so­lu­ção de con­fli­tos ar­ma­dos em Áfri­ca. De­se­jo que os seus es­for­ços pro­du­zam bons re­sul­ta­dos, no in­te­res­se de to­do o nos­so con­ti­nen­te, on­de os afri­ca­nos têm tu­do pa­ra cons­truir so­ci­e­da­des prós­pe­ras.

Cer­ti­fi­ca­dos fal­sos

Há no­tí­ci­as de que mui­tos “es­tu­dan­tes” che­gam ao ensino mé­dio e su­pe­ri­or com cer­ti­fi­ca­dos fal­sos. Era bom que se fi­zes­se um exaus­ti­vo tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção pa­ra se de­tec­ta­rem os es­tu­dan­tes que es­tão no ensino mé­dio e su­pe­ri­or com cer­ti­fi­ca­dos que ad­qui­ri­ram frau­du­len­ta­men­te.

Es­tu­dei nu­ma fa­cul­da­de de uma uni­ver­si­da­de pú­bli­ca que ti­nha o cui­da­do de ve­ri­fi­car se ha­via es­tu­dan­tes com cer­ti­fi­ca­dos fal­sos. Hou­ve ca­sos de es­tu­dan­tes, já no se­gun­do ou ter­cei­ro anos, que vi­ram as su­as ins­cri­ções anu­la­das por frau­de. Pen­so que as se­cre­ta­ri­as das es­co­las mé­di­as e das uni­ver­si­da­des de­vem es­tar aten­tas a es­ta si­tu­a­ção de cer­ti­fi­ca­dos e di­plo­mas fal­sos. Te­nho co­nhe­ci­men­to do ca­so de um pro­fes­sor do ensino mé­dio que se aper­ce­beu de que um seu alu­no não sa­bia ler nem es­cre­ver.

Sou da opi­nião de que as di­rec­ções das es­co­las mé­di­as e su­pe­ri­o­res, pú­bli­cas e pri­va­das, de­vem tra­ba­lhar com mai­or ri­gor pa­ra afas­tar to­dos os que não têm re­al­men­te as ha­bi­li­ta­ções re­que­ri­das pa­ra es­tu­da­rem nes­sas ins­ti­tui­ções. Com o ensino não se brin­ca.

Ope­ra­ções de ter­ra­ple­na­gem

Não per­ce­bo por que ra­zão não se con­se­guem re­a­li­zar tra­ba­lhos de ter­ra­ple­na­gem em pe­que­nos tro­ços, co­mo são os ca­sos dos que exis­tem no meu bair­ro, o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, no Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga. Se­rá que é tão ca­ro as­sim alu­gar um trac­tor pa­ra tor­nar umas pou­cas vi­as tran­si­tá­veis?

Es­pe­ro que es­ta pre­o­cu­pa­ção, que já foi ma­ni­fes­ta­da nes­te es­pa­ço do lei­tor por ou­tros mo­ra­do­res do meu bair­ro, se­ja ana­li­sa­da pe­las au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes do nos­so Dis­tri­to.

Pen­so que se de­via pri­o­ri­zar, por exem­plo, se vi­er a ser to­ma­da uma de­ci­são, a ter­ra­ple­na­gem do tro­ço que li­ga a es­tra­da Sa­gra­da Es­pe­ran­ça à Ave­ni­da 21 de Ja­nei­ro, tam­bém co­nhe­ci­da por Ave­ni­da da FAPA. En­quan­to não se fi­ze­rem obras de as­fal­ta­gem, de­ve-se, em mi­nha opi­nião, fa­zer ope­ra­ções de ter­ra­ple­na­gem.

AR­MAN­DO PU­LU­LO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.