Hai­ti­a­nos ten­tam en­trar nos EUA

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ISABEL REVIEJO |

Um “fu­nil”. As­sim po­de ser clas­si­fi­ca­da nes­tes di­as a ci­da­de de Ti­ju­a­na, no Mé­xi­co, on­de es­tão cen­te­nas de imi­gran­tes hai­ti­a­nos que pre­ten­dem atra­ves­sar a fron­tei­ra com os Es­ta­dos Uni­dos le­gal­men­te pa­ra bus­car uma no­va vi­da, após ve­rem en­cer­ra­do o cha­ma­do “so­nho bra­si­lei­ro”.

De­pois do ter­ra­mo­to que as­so­lou o Hai­ti, em 2010, mi­lha­res de ci­da­dãos do país ca­ri­be­nho en­con­tra­ram no Bra­sil um re­fú­gio, quan­do o go­ver­no ofe­re­ceu vis­tos por ra­zões hu­ma­ni­tá­ri­as.

A Ta­ça do Mun­do de 2014 e os Jo­gos Olím­pi­cos de 2016 de­ram opor­tu­ni­da­des pa­ra que mui­tos de­les pu­des­sem tra­ba­lhar na cons­tru­ção ci­vil. Ou­tros, com um do­mí­nio bá­si­co do por­tu­guês, tra­ba­lha­ram em res­tau­ran­tes ou em lim­pe­za.

Al­guns ti­ve­ram fi­lhos du­ran­te a sua es­ta­dia no Bra­sil. Mas quan­do os me­ga even­tos des­por­ti­vos ter­mi­na­ram e o país pas­sou a so­frer com a cri­se eco­nó­mi­ca, os hai­ti­a­nos vol­ta­ram a de­pa­rar-se com o de­sem­pre­go e a fo­me. O fo­co de­les, en­tão, vol­tou-se pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, e ago­ra, a pou­cos qui­ló­me­tros do seu no­vo so­nho, a vi­a­gem de mui­tos fi­cou es­tag­na­da em Ti­ju­a­na, no Es­ta­do da Ba­ja Ca­li­for­nia.

Jo­seph fi­cou três anos no Bra­sil e, após uma vi­a­gem pe­la Amé­ri­ca La­ti­na com ami­gos, che­gou ao Mé­xi­co, on­de es­tá há um mês. Ele ago­ra es­pe­ra an­si­o­sa­men­te pe­lo pró­xi­mo dia 30, quan­do, se tu­do cor­rer con­for­me o es­pe­ra­do, po­de­rá atra­ves­sar a fron­tei­ra le­gal­men­te.

“Vim bus­car a vi­da, pa­ra ver se vou po­der aju­dar o meu pai, a mi­nha mãe”, dis­se ele à Agên­cia Efe. O re­gis­to no al­ber­gue on­de es­tá hos­pe­da­do diz que Jo­seph é na­tu­ral do Con­go, em­bo­ra is­so se­ja fal­so.

Afir­mar que nas­ceu no país afri­ca­no é uma es­tra­té­gia usa­da por uma gran­de per­cen­ta­gem dos hai­ti­a­nos no Mé­xi­co, por­que pen­sam que as­sim te­rão me­nos di­fi­cul­da­des com as au­to­ri­da­des mi­gra­tó­ri­as. Es­te gran­de mo­vi­men­to mi­gra­tó­rio no Mé­xi­co co­me­çou a ser per­ce­bi­do em Maio, dis­se à Efe a ir­mã Sa­lo­mé Li­ma, do cen­tro de am­pa­ro a imi­gran­tes Ma­dre As­sun­ta.

A si­tu­a­ção tor­nou-se com­pli­ca­da em par­te pe­los trâ­mi­tes com os EUA, já que an­tes 100 imi­gran­tes en­tra­vam no país por Ti­ju­a­na di­a­ri­a­men­te, e ago­ra as au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas só per­mi­tem a pas­sa­gem de 50 e de ou­tros 40 por Me­xi­ca­li, ca­pi­tal de Ba­ja Ca­li­for­nia e on­de não há tan­to acú­mu­lo de so­li­ci­tan­tes de asi­lo, afir­mou a re­li­gi­o­sa.

Em Agos­to, as au­to­ri­da­des mi­gra­tó­ri­as me­xi­ca­nas reu­ni­ram os hai­ti­a­nos que es­tão em Ti­ju­a­na e, na per­mis­são que lhes con­ce­de­ram pre­vi­a­men­te pa­ra a sua en­tra­da, agen­da­ram a da­ta na qual vão apre­sen­tar-se no pos­to al­fan­de­gá­rio pa­ra en­trar nos EUA.

Al­guns ti­ve­ram que es­pe­rar du­ran­te se­ma­nas e as au­to­ri­da­des não es­tão a agen­dar en­tra­das a par­tir des­sa reu­nião de Agos­to. “Por is­so to­dos es­tão a acu­mu­lar-se e não se vê o flu­xo a avan­çar”, con­tou a frei­ra.

Se­gun­do o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Mi­gra­ção (INM), em Ba­ja Ca­li­for­nia, há ho­je 1.230 es­tran­gei­ros que so­li­ci­ta­ram re­fú­gio e asi­lo aos EUA nos pos­tos de fron­tei­ra. De Ja­nei­ro até 21 de Se­tem­bro, o INM re­gis­tou a en­tra­da ir­re­gu­lar de 7.800 hai­ti­a­nos, 3.753 asiá­ti­cos e 1.701 afri­ca­nos. A mai­o­ria che­gou por ter­ra a Ti­ju­a­na, atra­ves­san­do o Pe­ru, Equa­dor, Colôm­bia, Amé­ri­ca Cen­tral e to­do o Mé­xi­co.

O ca­mi­nho é tão lon­go quan­to ca­ro: os imi­gran­tes gas­tam de 3 a 7 mil dó­la­res. “Há quem con­te que te­ve uma tra­jec­tó­ria di­fí­cil, dei­xa­ram a es­po­sa no ca­mi­nho, há quem di­ga que dei­xou o ir­mão, tra­gé­di­as hor­rí­veis”, dis­se Mar­ga­ri­ta An­do­na­e­gui, co-fun­da­do­ra do De­sayu­na­dor Pa­dre Cha­va.

Co­mo os de­mais cen­tros de am­pa­ro, es­ta ONG viu-se lo­ta­da pe­la che­ga­da de hai­ti­a­nos, mas man­tém-se com a so­li­da­ri­e­da­de dos ci­da­dãos de Ti­ju­a­na, que do­am co­mi­da, rou­pas, re­mé­di­os e pro­du­tos de lim­pe­za.

Ac­tu­al­men­te, no Pa­dre Cha­va con­vi­vem 226 imi­gran­tes, a gran­de mai­o­ria hai­ti­a­na, mas as ins­ta­la­ções têm ca­pa­ci­da­de pa­ra 88 pes­so­as. Elas con­tam com sa­cos de dor­mir e col­cho­ne­tes, por­que as ca­mas são in­su­fi­ci­en­tes, e há imi­gran­tes que têm que dor­mir no chão.

As mu­lhe­res “es­tão em dois trai­lers com as cri­an­ças e es­tão no chão, e o re­fei­tó­rio trans­for­mou-se em dor­mi­tó­rio”, dis­se An­do­na­e­gui. “To­dos os al­ber­gues es­tão sa­tu­ra­dos”, afir­mou, por sua vez, a ir­mã Sa­lo­mé Li­ma, cu­jo cen­tro tem ca­pa­ci­da­de pa­ra 44 pes­so­as, mas che­gou a hos­pe­dar cer­ca de 100.

Nes­te ano, o go­ver­no ame­ri­ca­no per­mi­tiu a pas­sa­gem de cin­co mil hai­ti­a­nos, se­gun­do o De­par­ta­men­to de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal. No en­tan­to, o au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de imi­gran­tes nos úl­ti­mos me­ses fez com que as au­to­ri­da­des dos EUA anun­ci­as­sem, na quin­ta-fei­ra pas­sa­da, que re­to­ma­rão as de­por­ta­ções de hai­ti­a­nos imi­gran­tes ile­gais, por­que con­si­de­ram que “a si­tu­a­ção no Hai­ti me­lho­rou de for­ma su­fi­ci­en­te”.

Is­to põe fim à in­ter­rup­ção das de­por­ta­ções que os Es­ta­dos Uni­dos de­cre­ta­ram de­pois do ter­ra­mo­to de 2010 e se­me­ou in­cer­te­za nos cen­tros de am­pa­ro em Ti­ju­a­na, que se pre­o­cu­pam com os efei­tos que a de­ci­são po­de pro­vo­car.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.