Lu­ta pe­la eman­ci­pa­ção da mu­lher

Jornal de Angola - - OPINIÃO - IAN GEOFFREY TIMBERLAKE |

Mi­lha­res de sau­di­tas as­si­na­ram uma pe­ti­ção que so­li­ci­ta o fim do sis­te­ma que obri­ga as mu­lhe­res a con­tar com a au­to­ri­za­ção de um tu­tor pa­ra tra­ba­lhar, es­tu­dar ou até mes­mo vi­a­jar no rei­no ul­tra­con­ser­va­dor. A pe­ti­ção, que já tem 14.700 as­si­na­tu­ras, so­li­ci­ta ao rei Sal­man da Arábia Saudita, que es­tá no po­der há 20 me­ses, a proi­bi­ção do sis­te­ma de tu­te­la dos ho­mens so­bre as mu­lhe­res no país.

Os or­ga­ni­za­do­res da ini­ci­a­ti­va pe­dem que os 10 mi­lhões de mu­lhe­res do rei­no se­jam tra­ta­das co­mo “ci­da­dãs de ple­no di­rei­to” e que se­ja fi­xa­da “uma ida­de pa­ra a mai­o­ria das mu­lhe­res a par­tir da qual se­rão adul­tas e res­pon­sá­veis por seus pró­pri­os ac­tos”, dis­se Azi­za al-Yu­sef, uma co­nhe­ci­da ac­ti­vis­ta lo­cal. A tam­bém pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria apo­sen­ta­da afir­mou que ten­tou, em vão, en­tre­gar na se­gun­da-fei­ra ao ga­bi­ne­te re­al a pe­ti­ção, que se­gun­do ela se­rá trans­mi­ti­da por e-mail.

Na Arábia Saudita, que apli­ca de mo­do ri­go­ro­so a lei is­lâ­mi­ca, as mu­lhe­res pre­ci­sam de au­to­ri­za­ção de um tu­tor pa­ra “tra­ba­lhar, vi­a­jar, con­sul­tar o mé­di­co, ob­ter um do­cu­men­to de iden­ti­da­de ou pas­sa­por­te” e, in­clu­si­ve, pa­ra ca­sar, re­cor­dam os sig­na­tá­ri­os. O rei­no tam­bém é o úni­co país do mun­do no qual as mu­lhe­res não têm o di­rei­to de con­du­zir.

O tu­tor é, a prin­cí­pio, o pai ou o ma­ri­do, mas tam­bém po­de ser um ir­mão, um fi­lho ou um so­bri­nho. Os ac­ti­vis­tas des­ta­cam que até uma ex­pre­si­diá­ria pre­ci­sa de um tu­tor quan­do é li­ber­ta­da, o que sig­ni­fi­ca que ela po­de per­ma­ne­cer na pri­são ca­so o pro­tec­tor se re­cu­se a re­ce­bê-la.

“So­fre­mos com es­te sis­te­ma de tu­te­la”, de­cla­rou Na­si­ma al-Sa­dah, uma ac­ti­vis­ta da pro­vín­cia Ori­en­tal. A ac­ti­vis­ta Azi­za al-Yu­sef ex­pli­cou que a cam­pa­nha ga­nhou for­ça após a pu­bli­ca­ção de um re­la­tó­rio da or­ga­ni­za­ção Hu­man Rights Wat­ch (HRW).

“O sis­te­ma de tu­te­la mas­cu­li­na na Arábia Saudita é o prin­ci­pal obs­tá­cu­lo aos di­rei­tos das mu­lhe­res nes­te país, ape­sar das re­for­mas li­mi­ta­das da úl­ti­ma dé­ca­da”, ad­ver­tiu a or­ga­ni­za­ção de de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos.

“Bas­ta de hu­mi­lha­ção, que­ro a mi­nha li­ber­da­de”, es­cre­veu uma in­ter­nau­ta nu­ma re­de so­ci­al.

As mi­li­tan­tes afir­mam que ob­ter a au­to­ri­za­ção de um tu­tor aber­to não re­pre­sen­ta pro­ble­mas, mas a di­fi­cul­da­de é que de­ve dar a sua apro­va­ção por es­cri­to. “É uma nor­ma do go­ver­no, em vi­gor há 30 anos”, la­men­ta Sa­dah.

Ta­xa de de­sem­pre­go

Pa­ra as ac­ti­vis­tas, aca­bar com o sis­te­ma de tu­te­la aju­da­ria as sau­di­tas a tra­ba­lhar, no mo­men­to em que o rei­no ten­ta re­for­çar a pre­sen­ça das mu­lhe­res no mer­ca­do de tra­ba­lho.

“Is­to não po­de acon­te­cer com me­ta­de da po­pu­la­ção pa­ra­li­sa­da”, afir­ma Yu­sef.

Em Abril, o vi­ce-prín­ci­pe her­dei­ro saudita, Moha­med Ben Sal­man, anun­ci­ou um pla­no am­bi­ci­o­so com o tí­tu­lo “Vi­são 2030” pa­ra di­ver­si­fi­car a eco­no­mia e re­du­zir a de­pen­dên­cia do pe­tró­leo.

Com o Pro­gra­ma de Trans­for­ma­ção Na­ci­o­nal que fi­xa ob­jec­ti­vos pa­ra a ins­tau­ra­ção do “Vi­são 2030”, a par­ti­ci­pa­ção das mu­lhe­res no mer­ca­do de tra­ba­lho de­ve pas­sar de 23 por cen­to pa­ra 28 por cen­to até 2020.

A ta­xa de de­sem­pre­go en­tre as mu­lhe­res sau­di­tas su­biu no ano pas­sa­do pa­ra 33,8 por cen­to, de acor­do com a em­pre­sa de con­sul­to­ria Jadwa In­vest­ment. Em Mar­ço de 2014, um gru­po de mi­li­tan­tes sau­di­tas lan­çou uma ini­ci­a­ti­va si­mi­lar. As ac­ti­vis­tas so­li­ci­ta­ram nu­ma pe­ti­ção ao Makh­lis al-Shu­ra, o con­se­lho con­sul­ti­vo, a pro­mul­ga­ção de um código de es­ta­tu­to pes­so­al e ac­ções con­tra o ca­sa­men­to de me­no­res de ida­de, o re­pú­dio e o as­sé­dio se­xu­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.