Bor­ni­to de Sousa res­pon­de à opo­si­ção

Mi­nis­tro reu­niu com mem­bros do Con­se­lho de Aus­cul­ta­ção So­ci­al da pro­vín­cia de Ca­bin­da

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­A­QUIM SUAMI | Ca­bin­da VE­NÂN­CIO VIC­TOR E ADRIANO SAPALO* | Ma­lan­je

O mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio re­a­fir­mou on­tem, em Ca­bin­da, que o re­gis­to elei­to­ral ofi­ci­o­so é da res­pon­sa­bi­li­da­de da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca e não da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE), co­mo al­guns che­fes dos par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção fa­zem crer aos seus mi­li­tan­tes. Bor­ni­to de Sousa re­fe­riu que a Cons­ti­tui­ção es­ta­be­le­ce que o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, que se fa­zia de for­ma pre­sen­ci­al, ago­ra é fei­to ofi­ci­o­sa­men­te pe­los ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca.

O mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio re­a­fir­mou on­tem, em Ca­bin­da, que o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral ofi­ci­o­so é da res­pon­sa­bi­li­da­de da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca e não da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE), co­mo al­guns che­fes dos par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção fa­zem crer aos seus mi­li­tan­tes.

Bor­ni­to de Sousa, du­ran­te uma reu­nião do Con­se­lho Pro­vin­ci­al de Aus­cul­ta­ção e Con­cer­ta­ção So­ci­al, na vi­si­ta que efec­tu­ou a Ca­bin­da, re­fe­riu que a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca es­ta­be­le­ce que o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, que se fa­zia de for­ma pre­sen­ci­al, ago­ra é fei­to ofi­ci­o­sa­men­te pe­los ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca.

“An­te­ri­or­men­te, os ci­da­dãos iam à Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca pa­ra fa­ze­rem o seu re­gis­to elei­to­ral. Ago­ra, o ci­da­dão é cha­ma­do pa­ra se re­gis­tar. Aliás, o ci­da­dão, quan­do atin­ge 18 anos de ida­de e com ba­se nas lis­tas do re­gis­to ci­vil, os Mi­nis­té­ri­os da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e da Jus­ti­ça, em No­vem­bro de ca­da ano, en­tre­gam à CNE a lis­ta das pes­so­as que com­ple­tam 18 anos na­que­le ano”, es­cla­re­ceu.

O mi­nis­tro re­al­çou que, da mes­ma for­ma que quan­do uma cri­an­ça nas­ce é a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca que atri­bui a cé­du­la pes­so­al, tam­bém é a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca que con­duz o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral. Vá­ri­os paí­ses es­tão já a evo­luir pa­ra um car­tão úni­co, on­de cons­tam to­dos os da­dos do ci­da­dão, co­mo o gru­po san­guí­neo, a re­si­dên­cia, nú­me­ro de iden­ti­fi­ca­ção fis­cal e da­dos de ser­vi­ço mi­li­tar, com o ob­jec­ti­vo de fa­ci­li­tar a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca a fa­zer o seu pro­ces­so pre­pa­ra­tó­rio elei­to­ral.

A CNE, es­cla­re­ceu, tem ape­nas a mis­são de le­var os bo­le­tins de vo­to e con­tro­lar to­do o pro­ces­so elei­to­ral. “Nas elei­ções de 2008, hou­ve 12 por cen­to de abs­ten­ção, em 2012 es­te nú­me­ro su­biu pa­ra 37 por cen­to e se não fi­zés­se­mos a pro­va de vi­da pa­ra as elei­ções de 2017, a abs­ten­ção iria su­bir pa­ra 40 por cen­to”, dis­se Bor­ni­to de Sousa, re­fe­rin­do que es­ta si­tu­a­ção acon­te­ceu em Mo­çam­bi­que e em Por­tu­gal, por­que des­de 2006 que não se faz a des­car­ga dos fa­le­ci­dos que con­ti­nu­am na ba­se de da­dos dos ci­da­dãos elei­to­res. Com a pro­va de vi­da, su­bli­nhou, es­tá-se a cer­ti­fi­car se a pes­soa que se re­gis­tou ain­da es­tá vi­va.

Ou­tro as­pec­to a ter em con­ta no pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral ofi­ci­o­so é os ci­da­dãos ac­tu­a­li­za­rem os seus lo­cais de re­si­dên­cia, pe­lo fac­to de ter exis­ti­do mui­to flu­xo nas mu­dan­ças de re­si­dên­cia den­tro das pro­vín­ci­as, mu­ni­cí­pi­os, bair­ros e nas zo­nas ur­ba­nas.

Em Ca­bin­da, o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio vi­si­tou os pos­tos fi­xos e mó­veis de actualização do re­gis­to elei­to­ral do mu­ni­cí­pio se­de, de Zon­go­lo e de Ca­con­go, on­de se es­pe­ra se­rem re­gis­ta­dos mais de 219 mil elei­to­res.

Se­cre­tá­rio na­ci­o­nal da JMPLA

O pri­mei­ro se­cre­tá­rio na­ci­o­nal da JMPLA, Sér­gio Luther Res­co­va, efec­tu­ou, se­gun­da-fei­ra, uma vi­si­ta à pro­vín­cia de Ma­lan­je, on­de ava­li­ou o es­ta­do das es­tru­tu­ras in­ter­mé­di­as, da mo­bi­li­za­ção da ju­ven­tu­de pa­ra o in­gres­so nas fi­lei­ras da or­ga­ni­za­ção e cons­ta­tou o fun­ci­o­na­men­to das bri­ga­das ju­ve­nis de tra­ba­lho vo­lun­tá­rio so­bre o re­gis­to elei­to­ral.

Luther Res­co­va efec­tu­ou vi­si­tas às bri­ga­das de re­gis­to elei­to­ral no cen­tro da ci­da­de de Ma­lan­je e in­tei­rou-se dos pro­gra­mas es­tru­tu­ran­tes da JMPLA. “A men­sa­gem prin­ci­pal que gos­ta­ria de trans­mi­tir-vos tem a ver com a ne­ces­si­da­de de to­dos os mi­li­tan­tes da JMPLA e da ju­ven­tu­de de Ma­lan­je ade­ri­rem ao pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, prin­ci­pal­men­te nes­ta fa­se de actualização de da­dos e pro­va de vi­da”, dis­se.

O lí­der ju­ve­nil re­al­çou a im­por­tân­cia da se­gun­da fa­se do re­gis­to, que vai per­mi­tir a emis­são de no­vos car­tões pa­ra aque­les que os ex­tra­vi­a­ram, bem co­mo o re­gis­to dos ci­da­dãos que até à da­ta das pró­xi­mas elei­ções com­ple­tam 18 anos. “Te­mos que nos or­ga­ni­zar, pa­ra ser­mos os pri­mei­ros e mo­ti­var os ou­tros jo­vens pa­ra es­ta­rem tam­bém pre­sen­tes e não es­pe­ra­rem pe­lo úl­ti­mo mo­men­to”, exor­tou.

Em Ma­lan­je, o pro­ces­so de actualização do re­gis­to elei­to­ral re­gis­ta uma for­te ade­são dos ci­da­dãos nos mu­ni­cí­pi­os de Ca­cu­la­ma, Qu­e­la, Kun­da-dya-Ba­se, Ma­rim­ba e Cahom­bo, afir­mou, se­gun­da-fei­ra, a se­cre­tá­ria pro­vin­ci­al da OMA, Ana de Sousa, no fi­nal de vi­si­tas efec­tu­a­das a al­guns pos­tos mon­ta­dos na­que­les lo­cais. Ana de Sousa dis­se que as mi­li­tan­tes têm ade­ri­do em mas­sa ao pro­ces­so de actualização do re­gis­to elei­to­ral e dis­se se­rem pou­cas as mu­lhe­res que per­de­ram os seus car­tões e que vão aguar­dar pe­la se­gun­da fa­se, que ar­ran­ca em Ou­tu­bro. Des­ta­cou ain­da o em­pe­nho das mu­lhe­res ru­rais fi­li­a­das na OMA nas ta­re­fas de al­fa­be­ti­za­ção nos mu­ni­cí­pi­os.

Su­per­vi­são em Ben­gue­la

O por­ta-voz da Co­mis­são Pro­vin­ci­al Elei­to­ral em Ben­gue­la, João Evan­ge­lis­ta Ba­sí­lio, ga­ran­tiu, se­gun­da-fei­ra, que a su­per­vi­são do re­gis­to elei­to­ral por par­te das co­mis­sões elei­to­rais pro­vin­ci­al e mu­ni­ci­pais es­tá per­fei­ta­men­te or­ga­ni­za­da e de­cor­re sem cons­tran­gi­men­tos. João Evan­ge­lis­ta Ba­sí­lio, que fa­la­va à im­pren­sa de­pois do ac­to de actualização de da­dos dos co­mis­sá­ri­os elei­to­rais de Ben­gue­la, afir­mou que to­das as con­di­ções es­tão criadas pa­ra que o pro­ces­so de­cor­ra sem so­bres­sal­tos e ape­lou a to­do o ci­da­dão com ida­de de vo­tar pa­ra se re­gis­tar pa­ra que pos­sa, nas pró­xi­mas elei­ções, efec­ti­var o seu di­rei­to de vo­to.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, o país pre­ci­sa de cres­cer e de­sen­vol­ver e só se vai de­sen­vol­ver con­so­li­dan­do a de­mo­cra­cia. “As elei­ções são es­te ins­tru­men­to fun­da­men­tal pa­ra que es­te de­se­jo se­ja al­can­ça­do”, con­si­de­rou. João Evan­ge­lis­ta Ba­sí­lio mos­trou-se sa­tis­fei­to por ter ac­tu­a­li­za­do os seus da­dos elei­to­rais. De­pois de­le, os mem­bros das co­mis­sões pro­vin­ci­al e mu­ni­ci­pais e os seus res­pec­ti­vos pre­si­den­tes tam­bém fi­ze­ram o mes­mo.

Mais bri­ga­dis­tas no An­du­lo

Mais 16 no­vos bri­ga­dis­tas de­ram iní­cio, on­tem, às su­as ac­ti­vi­da­des no mu­ni­cí­pio do An­du­lo, a 130 qui­ló­me­tros a Nor­te da ci­da­de do Cui­to, pro­vín­cia do Bié, pa­ra re­for­çar o pro­ces­so de actualização do re­gis­to elei­to­ral. A in­for­ma­ção foi avan­ça­da on­tem, à An­gop, pe­lo res­pon­sá­vel da di­rec­ção mu­ni­ci­pal dos Re­gis­tos no An­du­lo, Ge­ró­ni­mo Chi­va­la, ao as­se­gu­rar que a mu­ni­ci­pa­li­da­de tem criadas to­das as con­di­ções pa­ra que os bri­ga­dis­tas co­me­cem já a fun­ci­o­nar a ní­vel das co­mu­nas. Su­bli­nhou que, com a che­ga­da dos no­vos bri­ga­dis­tas, o mu­ni­cí­pio tem ago­ra 34, o que per­mi­te que du­as bri­ga­das fun­ci­o­nem na co­mu­na se­de, en­quan­to as res­tan­tes te­rão ca­da uma.

Por sua vez, o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do An­du­lo, Moi­sés Amé­ri­co Ca­pa­pe­lo Ca­chi­pa­co, en­co­ra­jou os bri­ga­dis­tas a de­sem­pe­nha­rem o seu tra­ba­lho com ze­lo.

RA­FA­EL TATI | CA­BIN­DA

Mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio es­tá em Ca­bin­da a su­per­vi­si­o­nar o pro­ces­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.