“Nós nun­ca dei­xa­mos o ci­da­dão de­sam­pa­ra­do”

Pau­lo Tjipilica ma­ni­fes­ta de­se­jo de ver a ins­ti­tui­ção im­plan­ta­da em to­das as pro­vín­ci­as do país

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS | JOÃO GO­MES

O país con­ta, des­de 2005, com a Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça, uma en­ti­da­de pú­bli­ca e in­de­pen­den­te, cu­jo ob­jec­ti­vo pri­mor­di­al é a de­fe­sa dos di­rei­tos e ga­ran­ti­as do ci­da­dão. O aten­di­men­to às re­cla­ma­ções é fei­to de se­gun­da a sex­ta-fei­ra. À en­tra­da das ins­ta­la­ções da ins­ti­tui­ção uma ins­cri­ção diz: “O ci­da­dão é a nos­sa pre­o­cu­pa­ção. Mais cidadania, mais di­rei­to e mais di­rei­to, mais cidadania”, o que su­ge­re a vo­ca­ção da ins­ti­tui­ção, cu­jo fo­co é nun­ca dei­xar o ci­da­dão de­sam­pa­ra­do, ga­ran­te Pau­lo Tjipilica. Em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, o provedor de Jus­ti­ça fa­la do fun­ci­o­na­men­to do ser­vi­ço, da ne­ces­si­da­de de ex­pan­são em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, das par­ce­ri­as com o ex­te­ri­or, do es­trei­ta­men­to das re­la­ções com as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, do es­ta­do da Jus­ti­ça, da pri­são pre­ven­ti­va e da si­tu­a­ção das ca­dei­as.

Jor­nal de An­go­la - Qu­ais fo­ram as prin­ci­pais con­quis­tas da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça no país, des­de a sua cri­a­ção em Abril de 2005? Pau­lo Tjipilica

- O que pre­ten­de­mos é ir ao en­con­tro do ci­da­dão e não o con­trá­rio. O que pos­so di­zer­lhe é que, no quo­ti­di­a­no, além das re­cla­ma­ções por es­cri­to, te­mos as pre­sen­ci­ais. Re­ce­bo o ci­da­dão de se­gun­da a quar­ta-fei­ra e a pro­ve­do­ra ad­jun­ta à quin­ta e sex­ta-fei­ra. Re­ce­be­mos par­ti­ci­pa­ções por es­cri­to, por e-mail e ou­tras por via te­le­fó­ni­ca. A mai­or con­quis­ta que o ci­da­dão te­ve re­si­de no fac­to de po­der ace­der ao ser­vi­ço da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça. E pa­ra tal não é pre­ci­so cons­ti­tuir ad­vo­ga­do. Aqui, o ci­da­dão tem o aces­so di­rec­to e pro­cu­ra­mos tra­tar as ques­tões com bas­tan­te ce­le­ri­da­de, gra­tui­ti­da­de e na ba­se do si­gi­lo, além da in­for­ma­li­da­de, em­bo­ra, den­tro do nos­so fi­gu­ri­no, não te­nha­mos po­der de­ci­só­rio. Ain­da as­sim, a for­ça do provedor de Jus­ti­ça re­si­de nas re­co­men­da­ções di­ri­gi­das às en­ti­da­des vi­sa­das.

Jor­nal de An­go­la - Que fun­ções exer­ce a Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça, en­quan­to al­ta ma­gis­tra­tu­ra da cidadania, co­mo o se­nhor mes­mo con­si­de­ra? Pau­lo Tjipilica

- O provedor de Jus­ti­ça é uma en­ti­da­de pú­bli­ca e in­de­pen­den­te, elei­ta pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal por de­li­be­ra­ção ab­so­lu­ta dos de­pu­ta­dos em efec­ti­vi­da­de de fun­ções. O ob­jec­to do provedor de Jus­ti­ça é a de­fe­sa dos di­rei­tos e ga­ran­ti­as do ci­da­dão. Os ór­gãos e agen­tes da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, os ci­da­dãos e de­mais pes­so­as co­lec­ti­vas pú­bli­cas têm o de­ver de co­o­pe­rar com o provedor de Jus­ti­ça na pros­se­cu­ção dos seus fins. O es­ta­tu­to do provedor de Jus­ti­ça, que cons­ta da Lei, im­põe qua­se uma in­jun­ção quan­to ao de­ver de co­la­bo­ra­ção de ou­tros ór­gãos (en­ti­da­des pú­bli­cas ci­vis e mi­li­ta­res). Exis­te uma obri­ga­ção de co­la­bo­rar com o ser­vi­ço do provedor de Jus­ti­ça, por uma ra­zão mui­to sim­ples: o ser­vi­ço de Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça é a al­ta ma­gis­tra­tu­ra da cidadania. O le­gis­la­dor dá um va­lor sé­rio e en­fá­ti­co à de­fe­sa dos di­rei­tos, li­ber­da­des e ga­ran­tia dos ci­da­dãos.

Jor­nal de An­go­la - Qual é o per­fil do ci­da­dão que acor­re aos ser­vi­ços da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça? Pau­lo Tjipilica

- Nes­tas ques­tões, as ex­pec­ta­ti­vas do ci­da­dão nun­ca são exau­ri­das. Mas dei­xe­me di­zer-lhe que a Pro­ve­do­ria es­tá pa­ra o ci­da­dão de to­dos os ex­trac­tos so­ci­ais, des­de o por­ta­dor de de­fi­ci­ên­cia ao em­pre­sá­rio, do es­tran­gei­ro ao fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, prin­ci­pal­men­te nas ques­tões de des­pe­di­men­to sem jus­ta cau­sa ou quais­quer si­tu­a­ções em que os seus di­rei­tos se­jam de al­gum mo­do le­sa­dos. É evi­den­te que exis­tem ques­tões que não são da per­ti­nên­cia e, so­bre­tu­do, da com­pe­tên­cia do provedor de Jus­ti­ça, que são, em mui­tos ca­sos, ques­tões de di­rei­to cí­vel ou de di­rei­to cri­mi­nal. Mas a Pro­ve­do­ria não dei­xa o ci­da­dão de­sam­pa­ra­do. Quan­do o provedor re­co­nhe­ce que o ci­da­dão tem ou­tros mei­os gra­ci­o­sos ou con­ten­ci­o­sos pa­ra po­der fa­zer va­ler os seus di­rei­tos, pro­ce­de ao en­ca­mi­nha­men­to da ques­tão à en­ti­da­de vi­sa­da. Quan­do a ques­tão for de fac­tu­a­li­da­de cri­mi­nal, re­me­te­mos ao Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da Re­pú­bli­ca e ao ve­ne­ran­do Juiz do Tri­bu­nal Su­pre­mo, em de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções. Não dei­xa­mos o ci­da­dão de­sam­pa­ra­do. Nor­mal­men­te, es­ta­mos sem­pre a fa­zer a co­bran­ça do fac­to ou re­cla­ma­ção à en­ti­da­de vi­sa­da. Que­re­mos sem­pre sa­ber qual foi o des­fe­cho e se hou­ve ou não jul­ga­men­to.

Jor­nal de An­go­la - Vol­vi­dos qua­se 11 anos, sen­te que, de fac­to, os ser­vi­ços da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça têm es­ta­do ao ní­vel das ex­pec­ta­ti­vas do ci­da­dão em ter­mos de con­fi­an­ça, cre­di­bi­li­da­de e efi­cá­cia? Pau­lo Tjipilica

- As ex­pec­ta­ti­vas do ci­da­dão nun­ca es­tão to­tal­men­te exau­ri­das, co­mo te­rei di­to. Se o ci­da­dão se sen­tis­se com­ple­ta­men­te sa­tis­fei­to, não abra­ça­ria o pro­gres­so e a re­cla­ma­ção dos seus di­rei­tos. Na me­di­da do pos­sí­vel e den­tro das nos­sas li­mi­ta­ções, no con­tex­to do or­de­na­men­to ju­rí­di­co e até po­lí­ti­co do nos­so país, te­mos pro­cu­ra­do, pri­mor­di­al­men­te, dar a co­nhe­cer o ser­vi­ço da Pro­ve­do­ria a to­dos os ci­da­dãos em ses­sões de es­cla­re­ci­men­to e vi­si­tas às pro­vín­ci­as e ser­vi­ços pri­si­o­nais, on­de o provedor de Jus­ti­ça se in­tei­ra das con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de dos es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais. Nos ca­sos em que se cons­ta­te al­gum as­pec­to de­fi­ci­tá­rio, o provedor pro­duz uma re­co­men­da­ção pa­ra as en­ti­da­des vi­sa­das e com­pe­ten­tes nes­te ou na­que­le ser­vi­ço.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo de­cor­re o pro­ces­so de im­plan­ta­ção dos ser­vi­ços de Pro­ve­do­ria no país? Pau­lo Tjipilica

- Se­ria sa­tis­fa­tó­rio se con­se­guís­se­mos im­plan­tar o ser­vi­ço em to­das as pro­vín­ci­as. Mas, tudo is­so pre­ci­sa de mei­os, co­mo re­cur­sos hu­ma­nos e de ou­tra ín­do­le. Nes­te mo­men­to, te­mos re­pre­sen­ta­ções no Cu­ne­ne, Ben­go, Ca­bin­da, Sumbe e Hu­am­bo. Com o an­dar do tem­po, va­mos pro­cu­rar es­tar em to­das as pro­vín­ci­as, pois im­põe-se. O nos­so ob­jec­ti­vo é ir ao en­con­tro do ci­da­dão e não co­lo­car o ci­da­dão a pro­cu­rar os ser­vi­ços do provedor. Des­lo­ca­mo-nos bas­tan­te, jus­ta­men­te pa­ra acu­dir às re­cla­ma­ções dos ci­da­dãos, que mui­tas ve­zes fi­cam de­sam­pa­ra­dos com os seus dra­mas, so­bre­tu­do, quan­do exis­tem ques­tões de de­sa­pos­sa­men­to de ter­re­nos e ha­bi­ta­ções, em que mu­lhe­res, ve­lhos e cri­an­ças fi­cam ao re­len­to. É sem­pre dra­má­ti­co!

Jor­nal de An­go­la - Co­mo é li­dar psi­co­lo­gi­ca­men­te com si­tu­a­ções dra­má­ti­cas to­dos os di­as? Pau­lo Tjipilica

- Há um prin­cí­pio que apren­di, en­quan­to ad­vo­ga­do e que ain­da uso ho­je. Nes­ta pro­fis­são, re­ce­be­mos vá­ri­as si­tu­a­ções dos nos­sos cons­ti­tuin­tes, mui­tas das qu­ais de mor­tes, as­sas­si­na­tos e si­tu­a­ções de vá­ria or­dem. Fa­ço re­cur­so a es­te prin­cí­pio, que é o de “aco­lher es­tas cau­sas co­mo nos­sas, mas sen­ti-las co­mo alhei­as” e as­sim ter­mos se­re­ni­da­de e lu­ci­dez pa­ra ajui­zar­mos de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções com a en­ti­da­de vi­sa­da. Não po­de­mos abor­dá-las com hi­la­ri­da­de, pois, des­te mo­do, não con­se­gui­ría­mos re­sol­ver os pro­ble­mas do ci­da­dão e nem te­ría­mos eco po­si­ti­vo da en­ti­da­de a abor­dar.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo a Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça vê a ques­tão da pri­são pre­ven­ti­va no país, já que pre­va­le­ce o ex­ces­so, o que põe em cau­sa di­rei­tos e li­ber­da­des? Pau­lo Tjipilica

- Nós te­mos o de­ver de vi­si­tar os es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais pa­ra nos acer­car­mos das con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de. Sem­pre que cons­ta­ta­mos con­di­ções de­su­ma­nas, ape­la­mos ao ór­gão vi­sa­do pa­ra a su­pres­são ime­di­a­ta das re­fe­ri­das con­di­ções e in­for­ma­mos o ór­gão su­pe­ri­or de tu­te­la. O nos­so ob­jec­ti­vo, nes­sas vi­si­tas, é o de ave­ri­guar, so­bre­tu­do, as con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de e sa­lu­bri­da­de. Os nos­sos com­pa­tri­o­tas em con­fli­to com a Lei es­tão nos es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais pa­ra se­rem re­cu­pe­ra­dos pa­ra a so­ci­e­da­de e não pa­ra, de al­gum mo­do, fi­ca­rem des­per­so­na­li­za­dos ou co­mo que nu­ma uni­ver­si­da­de de cri­mi­no­lo­gia. As ques­tões de pri­são pre­ven­ti­va ou pri­va­ção da li­ber­da­de en­tram no âm­bi­to dos di­rei­tos, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as do ci­da­dão e o provedor po­de fa­zer va­ler ao ci­da­dão, se hou­ver ex­ces­so e es­te­ja na fa­se pro­ces­su­al, os seus di­rei­tos. Mas o provedor não tem de se imis­cuir nas ques­tões do âma­go da ac­ção, quer do ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pu­bli­co, quer na ac­ção do ma­gis­tra­do ju­di­ci­al ou na ac­ção da ju­di­ca­tu­ra.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo a Pro­ve­do­ria pro­ce­de em si­tu­a­ções des­sa na­tu­re­za? Pau­lo Tjipilica

- Nas ques­tões pro­ces­su­ais, e por­que são ad­mi­nis­tra­ti­vas e em fa­ce do atra­so dos pro­ces­sos nas cir­cuns­tân­ci­as em que ou o de­ti­do já cum­priu a pe­na ou es­tá re­le­ga­do pa­ra o es­que­ci­men­to du­ran­te me­ses, o que con­ten­de tam­bém com os di­rei­tos fun­da­men­tais do ci­da­dão, dis­po­mos de con­di­ções pa­ra que o re­clu­so re­cor­ra ao provedor de Jus­ti­ça. Nor­mal­men­te, re­ce­be­mos te­le­fo­ne­mas de de­ti­dos e há uma obri­ga­to­ri­e­da­de de os res­pon­sá­veis e di­rec­to­res dos es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais não co­lo­ca­rem quais­quer obs­tá­cu­los.

Ve­mos mui­ta ju­ven­tu­de a con­cor­rer pa­ra a ma­gis­tra­tu­ra, o que é bas­tan­te po­si­ti­vo, na me­di­da em que tudo po­de fal­tar, mas não re­cur­sos hu­ma­nos

Jor­nal de An­go­la - Na prá­ti­ca, es­te mé­to­do tem fun­ci­o­na­do e cor­res­pon­di­do ao que a Pro­ve­do­ria pre­ten­de? Pau­lo Tjipilica

- Tem fun­ci­o­na­do e pos­so di­zer-lhe que re­ce­be­mos no mês pas­sa­do par­ti­ci­pa­ções de ci­da­dãos de di­ver­sas pro­vín­ci­as, mas o des­ta­que re­cai pa­ra as ci­da­des de Ben­gue­la, Cu­ne­ne, Uí­ge e Lu­an­da. É já um re­cur­so fre­quen­te, mas de­vo di­zer que os re­clu­sos li­gam mais após vi­si­tas às ca­dei­as.

Jor­nal de An­go­la - En­quan­to ju­ris­ta, com que im­pres­são fi­cou das con­di­ções das ca­dei­as do país de­pois das vi­si­tas que fez? Pau­lo Tjipilica

- Es­tou à von­ta­de pa­ra res­pon­der a es­ta per­gun­ta. Co­mo é do seu co­nhe­ci­men­to, no pe­río­do mais di­fí­cil ti­tu­lá­mos al­gu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de co­mo mem­bro do Go­ver­no, en­quan­to mi­nis­tro da Jus­ti­ça, e re­pa­rá­mos que os es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais so­fre­ram bas­tan­te des­trui­ção no pe­río­do da guer­ra. A si­tu­a­ção é ho­je di­fe­ren­te. Em Ca­bin­da, te­mos um es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal mo­de­lar, em Ben­gue­la es­tá um es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal com con­di­ções hu­ma­nas pos­sí­veis, no Cu­ne­ne o es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal es­ta­va mui­to de­gra­da­do, mas o Exe­cu­ti­vo tem es­ta­do a fa­zer um es­for­ço pa­ra a sua re­cu­pe­ra­ção e as­sim dar dig­ni­da­de aos re­clu­sos. No Cu­an­za Nor­te, há um es­ta­be­le­ci­men­to mo­de­lar. Ago­ra, é pre­ci­so en­ten­der que es­ses es­ta­be­le­ci­men­tos não são ho­téis e que, de qual­quer for­ma, os nos­sos com­pa­tri­o­tas têm as con­di­ções mí­ni­mas de sa­lu­bri­da­de e ha­bi­ta­bi­li­da­de.

Jor­nal de An­go­la - Con­ti­nua ain­da as­sim a vin­gar a ne­ces­si­da­de de se hu­ma­ni­za­rem as ca­dei­as no país? Pau­lo Tjipilica

- Há es­for­ços nes­se sen­ti­do, mas há de ha­ver sem­pre um fac­tor de­fi­ci­tá­rio. É uma ma­té­ria sen­sí­vel pa­ra a qual não se de­ve tran­si­gir. A pre­ser­va­ção e sal­va­guar­da da vi­da hu­ma­na, mes­mo da­que­les que es­tão em con­fli­to com a Lei, é fun­da­men­tal.

Jor­nal de An­go­la - O se­nhor provedor tem ma­ni­fes­ta­do in­te­res­se em tra­ba­lhar com as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais. Nes­te sen­ti­do, sen­te que tem ha­vi­do avan­ços subs­tan­ci­ais? Pau­lo Tjipilica

- Tem ha­vi­do bas­tan­te co­o­pe­ra­ção e é fun­da­men­tal per­ce­ber que a pri­mei­ra trin­chei­ra da men­sa­gem jun­to dos nos­sos com­pa­tri­o­tas e ci­da­dãos é a au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal. Mes­mo na­que­la al­tu­ra já se da­va im­por­tân­cia à au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal. Sem­pre que vou a uma pro­vín­cia, a pri­mei­ra coi­sa que fa­ço é en­con­trar-me com as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais pa­ra lhes dar a co­nhe­cer da uti­li­da­de da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça e as­sim trans­mi­ti­rem ao ci­da­dão e ter­mos o efei­to mul­ti­pli­ca­dor da nos­sa men­sa­gem. Te­mos de ter em con­ta que, mes­mo no di­rei­to con­su­e­tu­di­ná­rio, exis­tia o me­di­a­dor. An­tes das ques­tões se­rem le­va­das ao rei ou so­ba, pas­sa­vam pe­lo me­di­a­dor. É den­tro desse con­tex­to que as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais são mui­to im­por­tan­tes, quer pa­ra os go­ver­na­do­res, quer pa­ra o ser­vi­ço da de­fe­sa dos di­rei­tos e ga­ran­ti­as do ci­da­dão e até mes­mo pa­ra pre­ser­var­mos o seu cu­nho de au­to­ri­da­de jun­to das po­pu­la­ções.

Jor­nal de An­go­la - A Lei de Am­nis­tia re­cen­te­men­te apro­va­da ge­rou al­gu­ma po­lé­mi­ca, ten­do si­do até ape­li­da­da de elei­to­ra­lis­ta e le­van­ta­do grande pre­o­cu­pa­ção dos ci­da­dãos em re­la­ção ao grau de pe­ri­go­si­da­de que al­guns am­nis­ti­a­dos re­pre­sen­tam. Que co­men­tá­rio faz a res­pei­to? Pau­lo Tjipilica

- Exis­te um prin­cí­pio, uma re­gra de ou­ro e de di­rei­to, que diz que mais va­le um cri­mi­no­so na rua do que um ino­cen­te na ca­deia. Den­tro des­te con­tex­to, uma Lei da Am­nis­tia tem sem­pre a sua “oca­sio le­gis”, ou se­ja, um en­qua­dra­men­to sis­te­má­ti­co no tem­po. É uma opor­tu­ni­da­de que se dá ao ci­da­dão pa­ra re­pa­rar os er­ros e se rein­te­grar na so­ci­e­da­de. Mui­tos dos jo­vens pre­sos cons­ti­tu­em a for­ça vi­va da na­ção que es­ta­mos a per­der, pois, es­ses in­di­ví­du­os são cé­re­bros e in­te­li­gen­tes, que ape­nas usa­ram es­sa in­te­li­gên­cia a “con­tra­rio sen­so”. Es­pe­ro que o tem­po que es­ti­ve­ram na re­clu­são os le­ve a ar­re­pen­de­rem-se da fac­tu­a­li­da­de que os le­vou a se­rem con­de­na­dos por pe­nas, mui­tas de­las bas­tan­te pe­sa­das. So­bre o que o ci­da­dão opi­na, pa­re­ce-me nor­mal que o fa­ça so­bre de­ter­mi­na­das me­di­das. Mas, es­ta vem no âm­bi­to da sal­va­guar­da dos di­rei­tos do ci­da­dão e, fun­da­men­tal­men­te, a re­cu­pe­ra­ção des­ses cé­re­bros.

Jor­nal de An­go­la - Fa­le-nos dos con­tac­tos man­ti­dos com a SADC, PALOP, CPLP e tam­bém das re­la­ções bi­la­te­rais. Pau­lo Tjipilica

- An­go­la re­a­li­zou em 2010 a ter­cei­ra As­sem­bleia-Ge­ral de to­dos os pro­ve­do­res de Áfri­ca e ti­tu­lou a res­pon­sa­bi­li­da­de da pre­si­dên­cia. Per­cor­re­mos, ao lon­go do nos­so man­da­to, os paí­ses de Áfri­ca, co­lhen­do al­gum co­nhe­ci­men­to e dan­do tam­bém re­co­men­da­ções de co­mo de­vem ser tra­ta­dos al­guns as­sun­tos jun­to das ins­tân­ci­as com­pe­ten­tes de ca­da país. Sen­si­bi­li­zá­mos os ou­tros paí­ses fa­lan­tes de por­tu­guês a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­rem es­ta fi­gu­ra do provedor. Ti­ve­mos pos­si­bi­li­da­de de sen­si­bi­li­zar Mo­çam­bi­que, que ho­je já tem um provedor e Ca­bo Ver­de tam­bém. Ain­da não ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de sen­si­bi­li­zar a Gui­né-Bis­sau, São To­mé e Prín­ci­pe e Ti­mor Les­te.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo ava­lia o es­ta­do da Jus­ti­ça no país? Pau­lo Tjipilica

- Não qu­e­ro pôr foi­ce em se­a­ra alheia, mas, co­mo ci­da­dão e provedor de Jus­ti­ça, pos­so di­zer-lhe que tem ha­vi­do pro­gres­sos bas­tan­te vi­sí­veis a to­dos os tí­tu­los, quer na pre­ser­va­ção das in­fra-es­tru­tu­ras, quer, so­bre­tu­do, em re­cur­sos hu­ma­nos, ge­ral­men­te for­ma­dos nas fa­cul­da­des de Di­rei­to e no Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos Ju­di­ciá­ri­os. E ve­mos mui­ta ju­ven­tu­de a con­cor­rer pa­ra a ma­gis­tra­tu­ra, o que é bas­tan­te po­si­ti­vo, na me­di­da em que tudo po­de fal­tar, mas não re­cur­sos hu­ma­nos. Te­mos, por exem­plo, o Pa­lá­cio da Jus­ti­ça, um “gi­gan­te”, que os­ten­ta to­da uma dig­ni­da­de, pois al­ber­ga o Tri­bu­nal Su­pre­mo, Cons­ti­tu­ci­o­nal e o de Con­tas, bem co­mo a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca. Além dis­so, te­mos tri­bu­nais pro­vin­ci­ais nas ca­pi­tais pro­vin­ci­ais. Is­so dig­ni­fi­ca o país. Mas, a Jus­ti­ça é a última coi­sa que te­rá de ser fei­ta ao ho­mem. Nun­ca po­de­mos di­zer que a Jus­ti­ça foi exau­ri­da ou te­mos o óp­ti­mo, quer no ser­vi­ço da Pro­ve­do­ria, quer no ser­vi­ço dos tri­bu­nais. De­ve­mos sem­pre pro­cu­rar e per­cor­rer o óp­ti­mo pa­ra, pe­lo me­nos, fi­car­mos no bom.

Jor­nal de An­go­la - A ques­tão do seu man­da­to co­mo provedor de Jus­ti­ça foi um “pon­to quen­te” nu­ma en­tre­vis­ta re­cen­te na Te­le­vi­são Pú­bli­ca de An­go­la. Em que pon­to es­tá a si­tu­a­ção do seu man­da­to? Pau­lo Tjipilica

- Vou lhe dar a mes­ma res­pos­ta que dei aos seus co­le­gas. Na His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de, só co­nhe­ço os exem­plos - de­ve ha­ver ou­tros - em que o Rei Henrique VIII se co­ro­ou a si pró­prio e Luís XIV se au­to-ti­tu­lou Rei Sol. Quan­to à ques­tão do meu man­da­to, não é da per­ti­nên­cia e com­pe­tên­cia do provedor de Jus­ti­ça. Obri­ga­do pe­la opor­tu­ni­da­de que o Jor­nal de An­go­la nos deu pa­ra es­ta en­tre­vis­ta.

A pre­ser­va­ção e sal­va­guar­da da vi­da hu­ma­na, mes­mo da­que­les que es­tão em con­fli­to com a Lei, é fun­da­men­tal

SAN­TOS PE­DRO

Pau­lo Tjipilica as­se­gu­ra que os ser­vi­ços da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça es­tão aber­tos pa­ra de­fen­der os di­rei­tos do ci­da­dão

JOÃO GO­MES

Dr. Pau­lo Tjipilica afir­mou que a Lei da Am­nis­tia per­mi­te ao pre­va­ri­ca­dor um en­qua­dra­men­to sis­te­má­ti­co no tem­po e uma opor­tu­ni­da­de pa­ra re­pa­rar os er­ros e fa­zer par­te da so­ci­e­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.