Mor­reu on­tem Shi­mon Pe­res

Fun­da­dor do Es­ta­do is­ra­e­li­ta mor­reu no hos­pi­tal Shi­va per­to da ca­pi­tal Te­la­vi­ve

Jornal de Angola - - PARTADA -

Mor­reu on­tem, aos 93 anos, por vol­ta das 3h00 lo­cais (1h00 em An­go­la), Shi­mon Pe­res, an­ti­go Pre­si­den­te de Israel. O es­ta­dis­ta, que so­freu um Aci­den­te Vas­cu­lar Ce­re­bral (AVC) a 13 de Se­tem­bro, vai a se­pul­tar ama­nhã na ci­da­de de Je­ru­sa­lém.

O Go­ver­no de Israel des­cre­ve o ex-Pre­si­den­te do país, Shi­mon Pe­res, que mor­reu on­tem aos 93 anos, co­mo um ho­mem que nun­ca dei­xou de acre­di­tar na paz e que es­te­ve sem­pre na li­nha da fren­te do es­for­ço de­sen­vol­vi­do, pa­ra pa­ci­fi­car a re­gião e al­can­çar a paz com a Pa­les­ti­na.

Shi­mon Pe­res es­te­ve in­ter­na­do du­ran­te du­as se­ma­nas no Hos­pi­tal Shi­va, da ci­da­de de Tel Hasho­mer, de­pois de so­frer um aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral, e nas úl­ti­mas ho­ras a sua si­tu­a­ção pi­o­rou con­si­de­ra­vel­men­te.

De­pois de uma pri­mei­ra re­caí­da na tar­de de ter­ça-fei­ra, du­ran­te a ma­dru­ga­da, os si­nais vi­tais fa­lha­ram, após se ter des­li­ga­do de to­da a as­sis­tên­cia, pa­ra não pro­lon­gar a sua vi­da com aju­da ar­ti­fi­ci­al.

Pe­res foi um lí­der de in­ten­sa ac­ti­vi­da­de po­lí­ti­ca e mar­cou uma épo­ca com a sua par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va na fun­da­ção do Es­ta­do de Israel, em 1948. “O po­vo de Israel e diás­po­ra se despedem com dor e amor de um lí­der”, afir­mou o che­fe do Par­ti­do Tra­ba­lhis­ta, Isa­ac Her­zog, na pri­mei­ra re­ac­ção à mor­te de Pe­res.

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, o di­rei­tis­ta Naf­ta­li Ben­nett, dis­se que Pe­res “es­cre­veu a his­tó­ria com as su­as pró­pri­as mãos.” Con­si­de­ra­do um dos prin­ci­pais po­lí­ti­cos is­ra­e­li­tas da his­tó­ria por im­pul­si­o­nar o pro­ces­so de paz de Os­lo, que lhe va­leu o No­bel da Paz ao la­do dos lí­de­res pa­les­ti­no, Yas­ser Ara­fat, e is­ra­e­li­ta, Yitzhak Ra­bin, ter­mi­nou a sua carreira po­lí­ti­ca de 70 anos em Israel à fren­te da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, que dei­xou em 2014. A sua con­tri­bui­ção mais re­co­nhe­ci­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te foi co­mo ar­tí­fi­ce, ao la­do do ac­tu­al Pre­si­den­te pa­les­ti­no, Mah­moud Ab­bas, da apro­xi­ma­ção en­tre pa­les­ti­nos e is­ra­e­li­tas, que cul­mi­nou em 1993, com o re­co­nhe­ci­men­to de Israel da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Li­ber­ta­ção da Pa­les­ti­na (OLP) e vi­ce-ver­sa. Ana­lis­tas lo­cais afir­mam que, com a sua mor­te, che­ga ao fim a ge­ra­ção dos ar­qui­tec­tos po­lí­ti­cos do Es­ta­do de Israel, fun­da­do em 1948.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro de Israel, Ben­ja­min Ne­tanyahu, afir­mou, on­tem, que o ex-Pre­si­den­te is­ra­e­li­ta, Shi­mon Pe­res, foi um dos gran­des lí­de­res do po­vo que in­flu­en­ci­ou uma ge­rão de po­lí­ti­cos e di­plo­ma­tas.

“Jun­to a to­da sua ac­ti­vi­da­de pe­la se­gu­ran­ça de Israel, Pe­res nun­ca dei­xou de re­mar em di­rec­ção à paz e de crer na paz”, afir­mou Ne­tanyahu, nu­ma ses­são de lu­to, na posse do Con­se­lho de Mi­nis­tros, ho­ras de­pois da mor­te do ex-man­da­tá­rio is­ra­e­li­ta e No­bel da Paz num hos­pi­tal per­to da ci­da­de de Te­la­vi­ve.

Ne­tanyahu, um dos prin­ci­pais ri­vais po­lí­ti­cos de Pe­res, re­co­nhe­ceu o “fei­to úni­co do ex-Pre­si­den­te e sua con­tri­bui­ção, pa­ra a con­so­li­da­ção do Es­ta­do ju­deu ao lon­go de se­te dé­ca­das, as­sim co­mo sua vo­ca­ção pe­la paz.” “A sua mão sem­pre es­ta­va es­ten­di­da pa­ra uma re­con­ci­li­a­ção his­tó­ri­ca com nos­sos vi­zi­nhos e em­bo­ra es­ta re­con­ci­li­a­ção te­nha si­do des­fei­ta, nun­ca dei­xou de nos en­si­nar que não se de­ve ce­der ao de­ses­pe­ro, mas se ape­gar à es­pe­ran­ça”, dis­se Ne­tanyahu.

O Go­ver­no is­ra­e­li­ta anun­ci­ou que Shi­mon Pe­res vai ser en­ter­ra­do com hon­ras de Es­ta­do, ape­sar de ele não exer­cer ne­nhum car­go ofi­ci­al des­de 2014, al­tu­ra em que dei­xou a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Shi­mon Pe­res foi pri­mei­ro-mi­nis­tro en­tre 1984 e 1986, e 199596; Pre­si­den­te de 2007 a 2014, mi­nis­tro da De­fe­sa, das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e das Fi­nan­ças, com­pa­nhei­ro de vi­a­gem de Da­vid Ben Gu­ri­on, Ra­bin e de Ari­el Sha­ron, ten­do-se con­so­li­da­do co­mo au­to­ri­da­de res­pei­ta­da, ape­sar das crí­ti­cas pe­los seus in­con­tá­veis car­gos, tan­to no Go­ver­no co­mo na opo­si­ção.

Em Israel, a po­pu­la­ção es­tá a pres­tar ho­men­gam a um dos seus lí­de­res mais ca­ris­má­ti­cos e en­co­ra­ja­dor de que é pos­sí­vel en­ca­mi­nhar o de­síg­ne­os do país pa­ra uma si­tu­a­ção de equ­lí­brio en­tre as as­pi­ra­ções dos pa­les­ti­nos e is­ra­e­li­tas, sem os con­fron­tos pro­ta­go­ni­za­dos por ex­tre­mis­tas e ini­mi­gos da paz.

Shi­mon Pe­res, se­gun­do a im­pren­sa, “fi­ca pa­ra his­tó­ria de Israel não ape­nas co­mo o seu fun­da­dor, mas tam­bém co­mo um po­lí­ti­cos de grande vi­são e amor a pá­tria, que sou­be hon­rar os fi­lhos e con­so­li­dar a so­be­ra­nia de to­dos os is­ra­e­li­tas”.

REU­TERS

Es­ta­dis­ta e No­bel da Paz Shi­mon Pe­res

AFP

Shi­mon Pe­res é des­cri­to pe­los is­ra­e­li­tas co­mo um po­lí­ti­co de grande vi­são e amor à pá­tria que sou­be hon­rar e con­so­li­dar a so­be­ra­nia do país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.