Se­gun­do man­da­to dá pres­tí­gio ao país

Jornal de Angola - - PARTADA -

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ge­or­ges Chi­ko­ti, dis­se que An­go­la au­men­tou o seu pres­tí­gio e ex­pe­ri­ên­cia ao par­ti­ci­par, pe­la se­gun­da vez, co­mo mem­bro não-per­ma­nen­te no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU. Em en­tre­vis­ta à Rá­dio ONU, Chi­ko­ti ava­li­ou os dois anos de An­go­la no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, a três me­ses do fim do man­da­to, e pe­diu mai­or aten­ção às jo­vens de­mo­cra­ci­as.

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ge­or­ges Chi­ko­ti, dis­se que An­go­la sou­be po­si­ci­o­nar-se mui­to cla­ra­men­te e que o país au­men­tou a sua ba­ga­gem ao par­ti­ci­par co­mo mem­bro não-per­ma­nen­te no Con­se­lho des­de 1 de Ja­nei­ro de 2015.

Em en­tre­vis­ta à Rá­dio ONU, Ge­o­ges Chi­ko­ti ava­li­ou os dois anos de An­go­la no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, a três me­ses do fim do man­da­to, e pe­diu mai­or aten­ção às jo­vens de­mo­cra­ci­as e ao diá­lo­go na pe­nín­su­la co­re­a­na.

An­go­la ocu­pou pe­la pri­mei­ra vez o as­sen­to em 2002 e 2003. “Foi uma ex­pe­ri­ên­cia mui­to in­te­res­san­te. An­go­la apa­re­ceu des­ta vez com um pou­co mais de ex­pe­ri­ên­cia re­la­ti­va­men­te à par­ti­ci­pa­ção an­te­ri­or e te­mos a cer­te­za de que, ao sair­mos do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, tam­bém te­re­mos ga­nho um pou­co mais pa­ra nós mes­mos”, dis­se o che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na.

No seu dis­cur­so na 71ª ses­são da reu­nião mag­na da mai­or or­ga­ni­za­ção mun­di­al, em re­pre­sen­ta­ção do Che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, de­cla­rou que An­go­la é a fa­vor do alar­ga­men­to do nú­me­ro dos mem­bros per­ma­nen­tes e não per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, pa­ra tor­nar es­te ór­gão mais re­pre­sen­ta­ti­vo e me­lhor ape­tre­cha­do na sua ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta na so­lu­ção dos con­fli­tos.

Ma­nu­el Vi­cen­te afir­mou na As­sem­bleia-Ge­ral das Nações Unidas que a re­for­ma do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça é “um im­pe­ra­ti­vo que se não for re­a­li­za­do po­de le­var à in­ca­pa­ci­da­de de ac­tu­a­ção da or­ga­ni­za­ção mun­di­al e ao con­tí­nuo es­bo­ro­ar da sua le­gi­ti­mi­da­de e cre­di­bi­li­da­de”. Por es­sa ra­zão, dis­se, An­go­la rei­te­ra o di­rei­to do con­ti­nen­te afri­ca­no de es­tar re­pre­sen­ta­do en­tre os mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, con­for­me o Con­sen­so de Ezulwi­ni.

O Vi­ce-Pre­si­den­te afir­mou que a ONU de­ve ser ca­paz de pro­mo­ver a paz e se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nal, de agir com ce­le­ri­da­de e efi­cá­cia em si­tu­a­ções de con­fli­to e de dar res­pos­ta aos mais pre­men­tes de­sa­fi­os da ac­tu­a­li­da­de, co­mo o ter­ro­ris­mo in­ter­na­ci­o­nal sem pre­ce­den­tes e as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas inau­di­tas.

No ac­tu­al man­da­to, Ge­or­ges Chi­ko­ti dis­se que o seu país sou­be “po­si­ci­o­nar-se mui­to cla­ra­men­te” no ór­gão. As mar­cas dos po­si­ci­o­na­men­tos ti­ve­ram em con­ta as jo­vens de­mo­cra­ci­as, daí a cau­te­la ao li­dar com go­ver­nos em cri­se quan­do não hou­ves­se um es­tu­do mais pro­fun­do.

“Não te­mos uma his­tó­ria de de­mo­cra­ci­as em Áfri­ca que pos­sa per­mi­tir, por exem­plo, que se ava­lie um Su­dão ou Bu­run­di co­mo se es­ti­vés­se­mos a ava­li­ar a Fran­ça. Al­gu­mas te­ses ou gru­pos que são apoi­a­dos mui­tas ve­zes não re­pre­sen­tam ne­ces­sa­ri­a­men­te a von­ta­de do po­vo lo­cal. Ti­ve­mos, mui­tas ve­zes, que nos opor ou ter po­si­ções con­trá­ri­as em al­guns te­mas es­pe­cí­fi­cos. Pen­so que is­so con­tri­bui. Tam­bém par­ti­ci­pá­mos ac­ti­va­men­te em ter­mos ge­rais nos gran­des te­mas que afec­tam o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça”, dis­se.

Nos es­for­ços pa­ra bus­car so­lu­ções glo­bais, An­go­la pe­diu a pro­mo­ção do diá­lo­go que en­vol­va as du­as Co­rei­as sem uma so­lu­ção que su­fo­que a Co­reia do Nor­te. “Se é ver­da­de que é ne­ces­sá­rio que a Co­reia do Nor­te pos­sa con­for­mar-se à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e não evo­luir pa­ra uma po­lí­ti­ca nu­cle­ar é tam­bém im­por­tan­te que se co­me­ce a olhar pa­ra a ne­ces­si­da­de de de­sa­nu­vi­a­men­to na pe­nín­su­la co­re­a­na.”

Du­ran­te o seu dis­cur­so na As­sem­bleia-Ge­ral, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, de­fen­deu que Áfri­ca me­re­ce ter um país en­tre os mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça.

Com­ba­te à fo­me

Ge­or­ges Chi­ko­ti fa­lou tam­bém do com­ba­te à fo­me e à po­bre­za e afir­mou que, ape­sar dos avan­ços, os de­sa­fi­os ain­da são mui­to gran­des pa­ra al­can­çar os ob­jec­ti­vos da Agen­da 2030 pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e ci­tou pro­ble­mas co­mo a se­ca e inun­da­ções no país.

O mi­nis­tro afir­mou que o país “fez um pro­gres­so re­la­ti­va­men­te grande” pa­ra aca­bar com a po­bre­za e eli­mi­nar a fo­me. “Se olhar­mos pa­ra os úl­ti­mos 15 anos em que An­go­la não só aca­bou com o con­fli­to mi­li­tar co­mo fez um pro­gra­ma grande de in­te­gra­ção e de rein­ser­ção da po­pu­la­ção que es­ta­va fo­ra do qua­dro de acom­pa­nha­men­to, ho­je po­de­mos di­zer que con­se­gui­mos, de fac­to, fa­zer pro­gres­sos”, dis­se o mi­nis­tro, re­cor­dan­do que há re­giões afec­ta­das pe­la se­ca e ou­tras por inun­da­ções e que são al­guns dos as­pec­tos que “nun­ca po­dem ser ne­ces­sa­ri­a­men­te bem pre­vis­tos num pro­gra­ma de Go­ver­no”.

O che­fe da di­plo­ma­cia de­cla­rou que “An­go­la pre­ten­de ago­ra cri­ar es­tru­tu­ras go­ver­na­men­tais que pos­sam acom­pa­nhar emer­gên­ci­as, co­mo pro­ble­mas de inun­da­ção e se­cas”. Quan­to à ques­tão da re­du­ção da po­bre­za, Ge­or­ges Chi­ko­ti afir­mou que o Go­ver­no já tem pro­gra­mas, ao ní­vel da mu­lher, da ju­ven­tu­de e ao ní­vel ge­ral, po­lí­ti­cas que in­te­gram vá­ri­as ca­te­go­ri­as so­ci­o­pro­fis­si­o­nais. “Tam­bém já te­mos ca­da vez mais fa­ci­li­ta­do o aces­so ao mi­cro-cré­di­to de al­gu­mas co­mu­ni­da­des e o im­por­tan­te, a meu ver, é tam­bém fa­zer com que a pro­du­ção agrí­co­la do cam­po­nês pos­sa ser su­fi­ci­en­te pa­ra seu pró­prio con­su­mo”, dis­se.

O mi­nis­tro re­fe­riu que “An­go­la tem uma sé­rie de po­lí­ti­cas pa­ra fa­ci­li­tar o aces­so ao fer­ti­li­zan­te, ao adu­bo, pa­ra per­mi­tir ao cam­po­nês au­men­tar sua pro­du­ção”.

Ge­or­ges Chi­ko­ti acom­pa­nhou o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, du­ran­te a par­ti­ci­pa­ção nos de­ba­tes de lí­de­res in­ter­na­ci­o­nais na As­sem­bleia-Ge­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.