Es­tó­ri­as de on­tem e ho­je

Jornal de Angola - - PARTADA - LUCIANO RO­CHA |

As no­vas tec­no­lo­gi­as de co­mu­ni­ca­ção, em cons­tan­te de­sen­vol­vi­men­to, cri­a­das pa­ra fa­ci­li­ta­rem a vi­da a to­dos nós, in­de­pen­den­te­men­te de on­de es­te­ja­mos, é mais uma mo­e­da com fa­ces an­ta­gó­ni­cas usa­das, ou não, con­so­an­te quem se ser­ve de­la.

Es­ta no­va for­ma de co­mu­ni­car per­mi­te-nos sa­ber, por exem­plo, ao ins­tan­te, as co­ta­ções das bol­sas de to­do o Mun­do, com van­ta­gens evi­den­tes pa­ra in­ves­ti­do­res, fe­chos de ne­gó­ci­os, anún­ci­os de des­co­ber­tas de me­di­ca­men­tos ou de re­cur­sos es­sen­ci­ais pa­ra a vi­da hu­ma­na, fins de guer­ra, lo­ca­li­za­ção de cri­mi­no­sos e sal­va­men­to de ví­ti­mas de to­da a es­pé­cie.

As no­vas tec­no­lo­gi­as en­cur­ta­ram dis­tân­ci­as, es­ba­te­ram bar­rei­ras, apro­xi­ma­ram-nos mais uns dos ou­tros, fa­ci­li­ta­ram a in­ves­ti­ga­ção em to­dos os cam­pos, fa­lar­mos e ver­mos, com fa­mi­li­a­res e ami­gos do “ou­tro la­do do Mun­do”.

As no­vas tec­no­lo­gi­as trou­xe­ram-nos es­tas van­ta­gens e mui­tas mais. Mas is­to, in­fe­liz­men­te, é ape­nas a fa­ce de uma mo­e­da com va­lo­res ad­ver­sos. A ou­tra é uti­li­za­da por gen­te sem es­crú­pu­los, que sa­bo­ta ser­vi­ços de in­te­res­se pú­bli­co, sur­ri­pia di­nhei­ro de con­tas ban­cá­ri­as, ca­lu­nia. Co­mo tal, ra­ra­men­te dá a ca­ra, es­con­de-se por trás de fal­sas iden­ti­da­des. Os mo­ti­vos são vá­ri­os que a le­vam a ter es­tes com­por­ta­men­tos, mas não erro se re­fe­rir que avul­tam in­ve­jas de na­tu­re­za vá­ria, des­pei­tos, qua­se sem­pre por in­com­pe­tên­cia. Tam­bém há os que ac­tu­am por con­ta de ou­tros, pe­los que lhes pa­gam. São os “pro­fis­si­o­nais do cri­me”, cu­jos man­dan­tes são tão co­bar­des e de­lin­quen­tes co­mo eles.

O pe­ri­go des­ta fa­ce da mo­e­da não se cin­ge aos ba­to­tei­ros que se ser­vem de­la in­de­vi­da­men­te. Es­ten­de-se a quem a com­pra co­mo ver­da­dei­ra, na es­ma­ga­do­ra mai­o­ria por ig­no­rân­cia, aju­da-a a cir­cu­lar e a cres­cer o nú­me­ro de ne­go­ci­an­tes do mal­di­zer, que faz das au­tên­ti­cas quin­gui­las “me­ni­nas de co­ro” com véu e tudo.

Na mes­ma fa­ce da mo­e­da po­dem ser in­cluí­dos os es­tú­pi­dos al­guns com es­tu­dos aca­dé­mi­cos su­fi­ci­en­tes pa­ra te­rem obri­ga­ção de não da­rem co­mo ver­da­de ad­qui­ri­da tudo o que lhes im­pin­gem - in­ca­pa­zes de re­flec­ti­rem so­bre qual­quer as­sun­to, por mais ele­men­tar que se­ja, co­mo o que se­pa­ra a re­a­li­da­de da men­ti­ra, e des­trin­ça­rem a di­fe­ren­ça en­tre a ver­da­de e o lo­gro. Tal­vez, com re­ceio de a me­di­ta­ção lhes cau­sar al­gu­ma con­ges­tão ce­re­bral. Sa­be-se lá, de um im­be­cil es­pe­ra-se tudo!

A ar­ro­gân­cia, ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca co­mum aos me­dío­cres, tam­bém faz par­te da fa­ce ab­jec­ta da mo­e­da “No­vas Tec­no­lo­gi­as da Co­mu­ni­ca­ção”. Os que usam a so­bran­ce­ria sen­tem ne­ces­si­da­de de dar nas vis­tas. As­si­nam os tex­tos - al­guns, che­gam a ilus­trá-los com fo­to­gra­fia - de ma­le­di­cên­cia, de ver­da­des dis­tor­ci­das, de juí­zos de va­lo­res in­fun­da­dos. Co­mo to­dos os ou­tros des­co­nhe­cem, ou fa­zem por des­co­nhe­cer, o que é a li­ber­da­de de ex­pres­são, que tem re­gras, a prin­ci­pal das qu­ais é o bom sen­so.

Em su­ma, as No­vas Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção ain­da têm um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer até atin­gi­rem o re­quin­te de­se­já­vel, se é que al­gu­ma vez o con­se­guem. Ape­sar da re­gu­la­men­ta­ção do seu uso aju­dar a dis­ci­pli­ná-lo não con­se­gue, por si só, re­sol­ver os pro­ble­mas de que ain­da en­fer­ma. Do mes­mo mo­do que não foi con­se­gui­da até ho­je fór­mu­la de evi­tar a prá­ti­ca de ou­tros cri­mes, ape­sar de exis­ti­rem leis nes­se sen­ti­do. Um di­ta­do po­pu­lar por­tu­guês diz que “não há be­la sem se­não”. Ape­sar de tudo, te­nho es­pe­ran­ça que nes­te ca­so o pro­vér­bio ve­nha um dia a ser con­tra­ri­a­do.

Às ve­zes, sem sau­da­des, lem­bro-me quan­do co­me­cei a tra­ba­lhar nos jor­nais. Nes­sa al­tu­ra, já ha­via te­le­fo­nes e apa­re­lhos de te­lex pa­ra co­mu­ni­car. O mor­se, ain­da exis­tia, mas já não “mo­ra­va”, que sai­ba, nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. O si­lên­cio das Re­dac­ções era que­bra­do pe­lo rit­mo das má­qui­nas de es­cre­ver, em­bo­ra o nú­me­ro fos­se re­du­zi­do, o que obri­ga­va mui­tos de nós a es­cre­ver à mão em fo­lhas de for­ma­to A4­de pa­pel de jor­nal. Mas, nes­se tem­po, os ca­lu­ni­a­do­res en­co­ber­tos por fal­sas iden­ti­da­des eram em mui­to me­nor nú­me­ro. Qua­se sem­pre li­mi­ta­vam-se às cartas anó­ni­mas. Que bem que eles se da­vam ago­ra com as no­vas tec­no­lo­gi­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.