Falta de con­di­ções de tra­ba­lho na ori­gem da fu­ga dos qua­dros

En­con­tro com ad­mi­nis­tra­do­res e so­bas vi­sa bus­car for­mas pa­ra in­ver­ter o qua­dro

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO SAL­VO |

A falta de con­di­ções pa­ra tra­ba­lhar nas co­mu­ni­da­des ru­rais da Lunda Sul, com des­ta­que pa­ra a au­sên­cia de ca­sas e mei­os de trans­por­te, é a prin­ci­pal cau­sa que le­va os qua­dros a aban­do­na­rem as re­fe­ri­das lo­ca­li­da­des, con­cluí­ram ter­ça-fei­ra, em Sau­ri­mo, as au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais, ad­mi­nis­tra­ti­vas e tra­di­ci­o­nais.

No en­con­tro, pre­si­di­do pe­la go­ver­na­do­ra pro­vin­ci­al da Lunda Sul, Cân­di­da Nar­ci­so, fi­cou cla­ro que os pro­fes­so­res, téc­ni­cos de saú­de e ou­tros fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do, que vi­vem fo­ra das co­mu­ni­da­des, têm en­fren­ta­do vá­ri­as di­fi­cul­da­des, sen­do que mui­tas são ori­gi­na­das pe­la dis­tân­cia que se­pa­ra os lo­cais de re­si­dên­cia e os seus pos­tos de tra­ba­lho.

No que to­ca à fu­ga dos qua­dros lo­cais, os par­ti­ci­pan­tes ao en­con­tro che­ga­ram a con­clu­são que a si­tu­a­ção tem a ver com a falta de ou­tros in­cen­ti­vos, co­mo a pro­mo­ção de ca­te­go­ri­as e a me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho.

Em fun­ção da pro­ble­má­ti­ca, a go­ver­na­do­ra Cân­di­da Nar­ci­so con­si­de­rou a fu­ga de qua­dros re­gis­ta­da nas co­mu­ni­da­des ru­rais co­mo um dos gran­des pro­ble­mas que as au­to­ri­da­des de­vem re­sol­ver, nos úl­ti­mos.

No en­con­tro com os ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais e au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, Cân­di­da Nar­ci­so ex­pli­cou que o go­ver­no vai con­ti­nu­ar a en­vi­dar es­for­ços pa­ra en­con­trar os me­lho­res me­ca­nis­mos que vi­sam com­ba­ter a fu­ga de qua­dros das zo­nas ru­rais. A go­ver­na­do­ra pro­vin­ci­al dis­se que en­con­tros do gé­ne­ro vão ser cons­tan­tes, uma vez que "há a ne­ces­si­da­de de in­te­rac­ção en­tre o Go­ver­no e as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais", por se­rem es­tes úl­ti­mos os que li­dam di­rec­ta­men­te com a po­pu­la­ção.

“Va­mos pros­se­guir com os en­con­tros com os so­bas e re­ge­do­res em ou­tras oca­siões, pois, é sem­pre uma opor­tu­ni­da­de pa­ra, em con­jun­to, ana­li­sar­mos os pro­ble­mas da nos­sa po­pu­la­ção”, dis­se a go­ver­na­do­ra pro­vin­ci­al. Cân­di­da Nar­ci­so avan­çou igual­men­te que a re­a­li­za­ção do re­fe­ri­do en­con­tro re­sul­ta de um re­co­nhe­ci­men­to do Es­ta­do an­go­la­no, es­ta­be­le­ci­do na Cons­ti­tui­ção, no seu ar­ti­go 223.º so­bre o po­der atri­buí­do às au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais.

Em fun­ção da lei, a go­ver­na­do­ra pro­vin­ci­al ape­lou os so­bas e re­ge­do­res pa­ra exer­ce­rem o seu ver­da­dei­ro pa­pel de re­pre­sen­tan­tes do po­vo jun­to do go­ver­no, pro­mo­ven­do uma con­vi­vên­cia pa­cí­fi­ca no seio das co­mu­ni­da­des.

Cân­di­da Nar­ci­so apro­vei­tou a oca­sião pa­ra re­pro­var a ati­tu­de de al­guns so­bas que es­cor­ra­çam ou­tros ci­da­dãos das cir­cuns­cri­ções em sua tu­te­la, por cau­sa das ter­ras. “A ter­ra é um bem de to­dos os ci­da­dãos na­ci­o­nais e de­ve­mos es­tar uni­dos pa­ra con­tri­buir­mos no de­sen­vol­vi­men­to das co­mu­ni­da­des e da pro­vín­cia.”

Os so­bas e re­ge­do­res enal­te­ce­ram a re­a­li­za­ção des­te en­con­tro e de­fen­dem a sua con­ti­nui­da­de pe­rió­di­ca e tro­ca de ex­pe­ri­en­ci­as en­tre as co­mu­ni­da­des, vi­san­do o seu con­tri­bu­to na or­ga­ni­za­ção da ac­ções que con­cor­rem pa­ra o seu pro­gres­so.

As au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais de­fen­de­ram a ne­ces­si­da­de de o Go­ver­no con­ti­nu­ar a apro­xi­mar os ser­vi­ços so­ci­ais bá­si­cos jun­to da po­pu­la­ção e da im­ple­men­ta­ção dos ser­vi­ços de re­gis­to ci­vil nas co­mu­ni­da­des.

JOÃO SAL­VO

Go­ver­na­do­ra man­te­ve en­con­tro com res­pon­sá­veis ad­mi­nis­tra­ti­vos e so­bas pa­ra iden­ti­fi­car as cau­sas da fu­ga de qua­dros nas zo­nas ru­rais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.