An­go­la de­fen­de pro­tec­ção to­tal dos ele­fan­tes e dos ri­no­ce­ron­tes

País re­pu­dia pos­si­bi­li­da­de de tran­sac­ções le­gais ou ile­gais de es­pé­ci­es em ris­co

Jornal de Angola - - PARTADA -

An­go­la de­fen­de a pro­tec­ção to­tal dos ele­fan­tes e o fim da co­mer­ci­a­li­za­ção do marfim, se­ja em tran­sac­ções le­gais, se­ja em ile­gais, afir­mou na ter­ça-fei­ra, em Jo­a­nes­bur­go, na Áfri­ca do Sul, o di­rec­tor na­ci­o­nal pa­ra a Bi­o­di­ver­si­da­de do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te.

Jo­a­quim Ma­nu­el, ao fa­lar à im­pren­sa so­bre a po­si­ção de An­go­la nos de­ba­tes da dé­ci­ma sé­ti­ma Con­fe­rên­cia das Par­tes da Con­ven­ção so­bre o Co­mér­cio In­ter­na­ci­o­nal de Es­pé­ci­es da Fau­na e da Flo­ra Sel­va­gem Ame­a­ça­das Pe­la Extinção (Ci­tes CoP17), su­bli­nhou que An­go­la “se opõe to­tal­men­te ao co­mér­cio de marfim.”

‘‘Nós so­mos de opi­nião que o marfim não de­ve ser co­mer­ci­a­li­za­do, por­que en­co­ra­ja a prá­ti­ca da ca­ça fur­ti­va’’, afir­mou o es­pe­ci­a­lis­ta do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, an­tes de anun­ci­ar que a de­le­ga­ção de An­go­la é por­ta­do­ra de uma pro­pos­ta pa­ra o en­cer­ra­men­to de to­dos os mer­ca­dos de ven­da de marfim a ní­vel mun­di­al.

An­go­la, se­gun­do Jo­a­quim Ma­nu­el, po­si­ci­o­na-se fir­me­men­te pe­la ma­nu­ten­ção da pro­tec­ção de de­ter­mi­na­das es­pé­ci­es, co­mo é o ca­so do ele­fan­te afri­ca­no, que al­guns mem­bros do Ci­tes pre­ten­dem mo­vi­men­tar pa­ra a ca­te­go­ria 2, gru­po de es­pé­ci­es de pro­tec­ção par­ci­al.

A de­le­ga­ção an­go­la­na de­fen­de, igual­men­te, a “pro­tec­ção to­tal” do pa­pa­gaio cin­zen­to, do pan­go­lin e do pau-ro­sa, que ac­tu­al­men­te fi­gu­ram na ca­te­go­ria de es­pé­ci­es sob pro­tec­ção par­ci­al.

O país tem uma Co­mis­são In­ter­mi­nis­te­ri­al de Com­ba­te aos Cri­mes Am­bi­en­tais e os Re­la­ci­o­na­dos com a Fau­na e Flo­ra Sel­va­gem, cu­jo ob­jec­ti­vo é tor­nar ca­da vez mais as­sen­te o con­tro­lo da mo­vi­men­ta­ção trans­fron­tei­ri­ça a ní­vel re­gi­o­nal e o com­ba­te ao co­mér­cio ile­gal.

De for­ma es­pe­cí­fi­ca, pro­cu­ra-se atin­gir o ob­jec­ti­vo de im­pe­dir o aba­te in­dis­cri­mi­na­do dos ele­fan­tes e o co­mér­cio do marfim.

A de­le­ga­ção an­go­la­na ao CoP17, que en­cer­ra a 5 de Ou­tu­bro, é che­fi­a­da pe­la se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra a Bi­o­di­ver­si­da­de e Áre­as de Con­ser­va­ção, Paula Fran­cis­co Co­e­lho e é in­te­gra­da por vá­ri­os téc­ni­cos.

Vá­ri­as agên­ci­as de in­for­ma­ção in­ter­na­ci­o­nais fi­ze­ram eco da di­ver­gên­cia en­tre os paí­ses par­ti­ci­pan­tes na CoP17 de Jo­a­nes­bur­go e que têm co­mo pa­no de fun­do mo­ti­va­ções de or­dem eco­nó­mi­ca.

O Zim­babwe e a Na­mí­bia são pe­la sus­pen­são da proi­bi­ção do co­mér­cio de marfim, pa­ra po­de­rem ven­der no mer­ca­do o seu stock con­fis­ca­do ou pro­ve­ni­en­te de ele­fan­tes mor­tos por cau­sas na­tu­rais. A Su­a­zi­lân­dia anun­ci­ou que vai pro­por a sus­pen­são da proi­bi­ção do co­mér­cio de chi­fre dos ri­no­ce­ron­tes. To­dos es­ses po­si­ci­o­na­men­tos têm co­mo ba­se o ar­gu­men­to de que a au­to­ri­za­ção do co­mér­cio vai tra­var a ca­ça clan­des­ti­na ma­ci­ça e que o di­nhei­ro da ven­da “per­mi­ti­ria con­ti­nu­ar o tra­ba­lho de con­ser­va­ção” dos ani­mais.

A po­si­ção de An­go­la, enun­ci­a­da pe­lo di­rec­tor na­ci­o­nal do Am­bi­en­te, Jo­a­quim Ma­nu­el, é per­fi­lha­da por vá­ri­os ou­tros paí­ses e por or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais pre­sen­tes em Jo­a­nes­bur­go.

REU­TERS

Fim do co­mér­cio glo­bal do marfim es­tá a pre­o­cu­par vá­ri­os paí­ses que pos­su­em ar­ma­ze­na­das gran­des quan­ti­da­des do pro­du­to apre­en­di­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.