CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUÍSA DE CAR­VA­LHO | AN­TÓ­NIO AN­DRA­DE | AMÉLIA RO­DRI­GUES |

Ano lec­ti­vo

O ano lec­ti­vo en­ca­mi­nha-se pa­ra o fim e co­mo do­cen­te pre­o­cu­pa­do com o pa­pel equi­dis­tan­te de nu­me­ro­sos en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção, es­cre­vo es­tas li­nhas pa­ra ape­lar aos pais. Pe­lo me­nos, nes­ta fa­se der­ra­dei­ra do ano lec­ti­vo, apa­re­çam jun­to da­que­les que têm por missão ins­truir os vos­sos edu­can­dos, quan­to mais não se­ja pa­ra fa­mi­li­a­ri­za­rem­se com o ac­tu­al cur­so das au­las e ní­veis de apro­vei­ta­men­to.

O des­ca­so dos en­car­re­ga­dos é grande na me­di­da em que mui­tos des­co­nhe­cem o de­sem­pe­nho es­co­lar dos seus fi­lhos e fi­lhas. E, co­mo sem­pre, aparecem ape­nas e exac­ta­men­te no fim do ano lec­ti­vo pa­ra jun­to dos fi­lhos re­ti­ra­rem a sa­tis­fa­ção pe­lo de­sem­pe­nho es­co­lar nu­ma al­tu­ra em que de­ve­mos fa­zer tudo pa­ra que o en­si­no ofe­re­ce re­sul­ta­dos.

Con­tra­ri­a­men­te à ideia se­gun­do a qual são os pro­fes­so­res que de­vem to­mar a pei­to to­da e qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de re­la­ti­va ao en­si­no, os en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção de­vem igual­men­te fa­zer a sua par­te. O acom­pa­nha­men­to do edu­can­do de­ve co­me­çar des­de o pri­mei­ro ao úl­ti­mo dia de au­las.

União Afri­ca­na

A União Afri­ca­na tudo faz pa­ra que os Es­ta­dos-mem­bros vi­vam em paz e es­ta­bi­li­da­de que per­mi­tam re­lan­çar pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to. O ele­men­to fun­da­men­tal pa­ra que se pos­sa pen­sar em de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­la con­quis­ta e usu­fru­to da paz por par­te de to­dos os paí­ses afri­ca­nos.

Nu­ma al­tu­ra em que pre­ci­sa­mos de dei­xar de nos pre­o­cu­par com ques­tões re­la­ti­vas aos con­fli­tos, eis que nu­me­ro­sos paí­ses con­ti­nu­am a ver-se a bra­ços com pro­ble­mas de ins­ta­bi­li­da­de in­ter­na de na­tu­re­za po­lí­ti­ca e mi­li­tar. Co­mo tem de­fen­di­do o pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos, por si­nal o nos­so Che­fe de Es­ta­do, é pre­ci­so que as so­lu­ções en­con­tra­das pa­ra os con­fli­tos in­ter­nos abran­jam to­das as sen­si­bi­li­da­des po­lí­ti­cas pa­ra que nin­guém fi­que fo­ra sob pe­na de pe­ri­gar os acor­dos.

O Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos tem de­fen­di­do a ne­ces­si­da­de do diá­lo­go in­clu­si­vo trans­for­mar-se nu­ma im­por­tan­te fer­ra­men­ta que tra­ga to­dos pa­ra a mes­ma pla­ta­for­ma de en­ten­di­men­to e con­cer­ta­ção. Se uma grande mai­o­ria apoi­ar os es­for­ços na bus­ca de so­lu­ções pa­ra um de­ter­mi­na­do pro­ble­ma, ha­ve­rá es­pa­ço in­clu­si­ve pa­ra gru­pos mi­no­ri­tá­ri­os que even­tu­al­men­te não se re­ve­jam na con­cer­ta­ção, pa­ra o pro­ces­so não der­ra­par.

É ver­da­de que nem sem­pre é fá­cil na me­di­da em que, co­mo su­ce­deu re­cen­te­men­te na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), de­pois do Diá­lo­go Na­ci­o­nal em que to­das as for­ças po­lí­ti­cas apa­ren­te­men­te ti­nham ade­ri­do, sur­gi­ram de­pois al­gu­mas vo­zes dis­so­nan­tes. Em to­do o ca­so, jul­go que a União Afri­ca­na de­ve de­sem­pe­nhar um pa­pel mais ac­tu­an­te pa­ra que os pro­ces­sos de con­cer­ta­ção in­ter­nos da­que­les paí­ses com pro­ble­mas de ins­ta­bi­li­da­de ou cri­ses mi­li­ta­res não ve­nham a der­ra­par. Os po­lí­ti­cos afri­ca­nos de­vem en­vi­dar es­for­ços pa­ra que o nos­so con­ti­nen­te es­te­ja de­fi­ni­ti­va­men­te li­vre de con­fli­tos ar­ma­dos.

Mú­si­ca an­go­la­na

Sou um ad­mi­ra­dor da cha­ma­da mú­si­ca po­pu­lar ur­ba­na de An­go­la, em que so­bres­sa­em es­ti­los co­mo o sem­ba e ki­la­pan­ga, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar es­tes, e con­fes­so que me ani­ma mui­to o es­ta­do do nos­so “mu­sic hall”. Ho­je, pro­duz-se mui­ta mú­si­ca e de qua­li­da­de, fac­to que per­mi­te a to­dos os seg­men­tos de ou­vin­tes e apre­ci­a­do­res as mais va­ri­a­das es­co­lhas. Es­pe­ro que o nú­me­ro de es­pec­tá­cu­los su­ba e acom­pa­nhe a qu­an­ti­da­de e qua­li­da­de da pro­du­ção mu­si­cal em to­do o país.

Acho que os nos­sos em­pre­sá­ri­os não des­per­ta­ram com­ple­ta­men­te pa­ra o mer­ca­do da mú­si­ca. Não me ve­nham di­zer que o pro­ble­ma tem a ver com o ris­co que even­tu­al­men­te cor­rem ca­so apos­tem na mú­si­ca.

Pe­lo con­trá­rio, o mer­ca­do do en­tre­te­ni­men­to e da mú­si­ca em par­ti­cu­lar ten­de a ser dos mais ren­tá­veis em ter­mos fi­nan­cei­ros, ra­zão pe­la qual não se jus­ti­fi­ca a apa­ren­te in­di­fe­ren­ça com que se olha pa­ra pro­jec­tos com grande po­ten­ci­al. Pa­ra ter­mi­nar, es­pe­ro que os ar­tis­tas e to­dos os agen­tes li­ga­dos à mú­si­ca con­ti­nu­em ac­ti­vos nos es­for­ços que fa­zem não ape­nas pa­ra brin­dar os ad­mi­ra­do­res com as su­as me­lho­res per­for­man­ces, mas pa­ra pre­ser­var os es­ti­los na­ci­o­nais.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.