A si­tu­a­ção na RDC

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Vi­ve-se ain­da em al­guns paí­ses do nos­so con­ti­nen­te um cli­ma de ins­ta­bi­li­da­de, que pre­o­cu­pa não só os afri­ca­nos, mas to­da a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. É o ca­so da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), on­de re­cen­te­men­te se re­gis­ta­ram ac­tos de vi­o­lên­cia, que cau­sa­ram a mor­te de mui­tos ci­da­dãos des­te vas­to país. A Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go es­tá em cri­se, e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal es­tá em­pe­nha­da em con­tri­buir pa­ra a su­pe­ra­ção dos pro­ble­mas po­lí­ti­cos que ho­je afec­tam aque­le país de mais de 60 mi­lhões de ha­bi­tan­tes.

Em fa­ce da gra­vi­da­de dos pro­ble­mas in­ter­nos no Con­go De­mo­crá­ti­co, a ONU, União Afri­ca­na, União Eu­ro­peia e a Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal da Fran­co­fo­nia pe­di­ram, em co­mu­ni­ca­do con­jun­to em No­va Ior­que, pa­ra que as elei­ções pre­si­den­ci­ais se­jam re­a­li­za­das no país “o mais rá­pi­do pos­sí­vel” e ape­la­ram ao Go­ver­no e à opo­si­ção pa­ra mo­de­ra­rem as su­as ac­ções, a fim de se evi­tar a con­ti­nu­a­ção da on­da de vi­o­lên­cia. É opi­nião da­que­las or­ga­ni­za­ções de que se de­ve pri­o­ri­zar o diá­lo­go pa­ra se re­sol­ve­rem os pro­ble­mas po­lí­ti­cos na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. A ins­ta­bi­li­da­de no Con­go De­mo­crá­ti­co, a agra­var-se, po­de ge­rar ou­tros gran­des pro­ble­mas, que é pre­ci­so evi­tar.

Os con­fli­tos ar­ma­dos têm pro­vo­ca­do em Áfri­ca o aban­do­no por par­te de mi­lha­res de pes­so­as dos seus la­res, nos paí­ses de ori­gem, pa­ra se re­fu­gi­a­rem nou­tros Es­ta­dos, em bus­ca de con­di­ções de se­gu­ran­ça. Ain­da bem que tudo es­tá a ser fei­to pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pa­ra que não ocor­ram mais si­tu­a­ções no con­ti­nen­te que pos­sam obri­gar mui­tos afri­ca­nos a dei­xar os seus paí­ses, até por­que os re­cur­sos de di­fe­ren­tes or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais, no­me­a­da­men­te a ONU, são es­cas­sos pa­ra acu­dir em si­mul­tâ­neo as mui­tas si­tu­a­ções de con­fli­to ar­ma­do no mun­do.

Em re­la­ção à Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, há a es­pe­ran­ça de que o Go­ver­no e a opo­si­ção che­guem a con­sen­so pa­ra que o pro­ces­so eleitoral si­ga o ru­mo que ga­ran­ta a ob­ser­vân­cia das re­gras do jo­go de­mo­crá­ti­co. É ne­ces­sá­rio que ha­ja se­re­ni­da­de e bom sen­so por par­te dos po­lí­ti­cos do Con­go De­mo­crá­ti­co, pa­ra se ul­tra­pas­sar a ac­tu­al cri­se.

O fac­to de vá­ri­as or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais es­ta­rem pre­o­cu­pa­das com a cri­se no Con­go De­mo­crá­ti­co é pro­va de que se quer evi­tar pro­ble­mas mai­o­res nes­te país. As ex­pe­ri­ên­ci­as amar­gas do pas­sa­do no con­ti­nen­te en­si­na­ram que é sem­pre me­lhor agir no mo­men­to cer­to e não dei­xar que acon­te­çam as tra­gé­di­as. É po­si­ti­vo o fac­to de um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo de pres­ti­gi­a­das or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais es­ta­rem a fa­zer di­li­gên­ci­as pa­ra que a paz e a se­gu­ran­ça rei­nem no Con­go, on­de as su­as po­pu­la­ções já têm mui­tos pro­ble­mas por re­sol­ver.

An­go­la, pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos, to­mou a ini­ci­a­ti­va de re­a­li­zar uma Ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no dos paí­ses mem­bros pa­ra ana­li­sar a si­tu­a­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. O nos­so país po­de, pe­la ex­pe­ri­ên­cia que ad­qui­riu ao lon­go de vá­ri­os anos ao ní­vel da ges­tão e re­so­lu­ção de con­fli­tos em Áfri­ca, con­tri­buir gran­de­men­te pa­ra aju­dar o Con­go De­mo­crá­ti­co tri­lhar os ca­mi­nhos que vi­a­bi­li­zem a se­gu­ran­ça e o diá­lo­go. Mem­bro não per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, An­go­la tem res­pon­sa­bi­li­da­des ao ní­vel da ma­nu­ten­ção da paz e se­gu­ran­ça mun­di­ais, pe­lo que a sua di­plo­ma­cia vai tra­ba­lhar pa­ra que a re­gião dos Gran­des La­gos não se­ja ce­ná­rio de con­fli­tos ar­ma­dos e po­lí­ti­cos in­ter­mi­ná­veis.

São no­tá­veis os con­tri­bu­tos que An­go­la já deu à re­so­lu­ção de con­fli­tos em Áfri­ca, e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal tem ele­va­da con­fi­an­ça na ca­pa­ci­da­de da di­plo­ma­cia an­go­la­na de de­sem­pe­nhar um im­por­tan­te pa­pel na bus­ca de so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas ac­tu­ais da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. Uma vez mais, An­go­la es­tá a ser cha­ma­da a ac­tu­ar no sen­ti­do da sal­va­guar­da da paz e se­gu­ran­ça no con­ti­nen­te afri­ca­no. A Ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no de paí­ses mem­bros da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos po­de ser de­ci­si­va pa­ra se en­con­trar as vi­as que pos­sam con­du­zir o Go­ver­no e as for­ças da opo­si­ção do Con­go De­mo­crá­ti­co ao diá­lo­go. O diá­lo­go na RDC é, nas ac­tu­ais cir­cuns­tân­ci­as, in­dis­pen­sá­vel. As po­si­ções ra­di­cais não aju­dam a re­sol­ver os pro­ble­mas.

A vi­o­lên­cia não vai re­sol­ver os pro­ble­mas do Con­go De­mo­crá­ti­co. Pe­lo con­trá­rio, só os vai agra­var. É ho­ra de os po­lí­ti­cos da RDC pri­o­ri­za­rem os in­te­res­ses su­pe­ri­o­res do po­vo con­go­lês e acre­di­ta­rem que é pos­sí­vel uma so­lu­ção por via do diá­lo­go. É ne­ces­sá­rio evi­tar po­si­ções que in­ci­tem à vi­o­lên­cia, pois es­ta só cau­sa mais so­fri­men­to ao po­vo da RDC, que pre­ci­sa de paz e se­gu­ran­ça pa­ra con­ti­nu­ar a con­so­li­dar a sua de­mo­cra­cia e re­a­li­zar as re­for­mas eco­nó­mi­cas.

São vá­ri­os os ape­los aos po­lí­ti­cos da RDC pa­ra as­su­mi­rem pos­tu­ras que fa­ci­li­tem o bom an­da­men­to do pro­ces­so eleitoral, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção e da lei. Áfri­ca es­pe­ra dos po­lí­ti­cos do Con­go De­mo­crá­ti­co ati­tu­des cons­tru­ti­vas, pa­ra se aca­bar de­fi­ni­ti­va­men­te com a ins­ta­bi­li­da­de num país que tem po­ten­ci­a­li­da­des eco­nó­mi­cas e hu­ma­nas pa­ra ser um gi­gan­te no con­ti­nen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.