Or­dem dos En­fer­mei­ros pres­ta es­cla­re­ci­men­to

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A Or­dem dos En­fer­mei­ros de An­go­la, num co­mu­ni­ca­do che­ga­do, on­tem, à Re­dac­ção do Jor­nal de An­go­la, de­cla­ra que, ao con­trá­rio das in­for­ma­ções pos­tas a cir­cu­lar por su­pos­tos téc­ni­cos de en­fer­ma­gem for­ma­dos pe­la UNITA du­ran­te o con­fli­to ar­ma­do, con­ti­nua aber­ta pa­ra aten­der to­dos quan­tos têm o di­rei­to e o de­ver de exer­cer le­gal­men­te a pro­fis­são no país, in­de­pen­den­te­men­te da sua fi­li­a­ção par­ti­dá­ria.

O do­cu­men­to re­fe­re que no dia 29 de Agos­to do ano em cur­so, o se­cre­ta­ri­a­do na­ci­o­nal pa­ra a saú­de da UNITA en­de­re­çou à Or­dem dos En­fer­mei­ros de An­go­la uma re­la­ção no­mi­nal de 140 téc­ni­cos de en­fer­ma­gem pa­ra ob­ten­ção de car­tei­ra pro­fis­si­o­nal, mas, se­gun­do a Or­dem dos En­fer­mei­ros, "ne­nhu­ma das es­co­las cons­tan­tes da lis­ta é re­co­nhe­ci­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção”, pe­lo que, não dis­pon­do dos re­gis­tos e das pau­tas es­co­la­res, não foi pos­sí­vel cer­ti­fi­car a for­ma­ção dos in­di­ví­du­os cons­tan­tes da lis­ta em re­fe­rên­cia.

Es­co­lha de ca­da um

O ór­gão que su­pe­rin­ten­de o exer­cí­cio da pro­fis­são de en­fer­ma­gem no país es­cla­re­ce que to­dos os pro­fis­si­o­nais de saú­de ad­mi­ti­dos à luz dos acor­dos do Lu­e­na fo­ram re­cen­se­a­dos de acor­do com a área de acan­to­na­men­to em que se en­con­tra­vam e co­lo­ca­dos em uni­da­des sa­ni­tá­ri­as da re­de pú­bli­ca de saú­de das di­fe­ren­tes pro­vín­ci­as, em res­pei­to à li­vre es­co­lha de ca­da um.

A Or­dem dos En­fer­mei­ros afir­ma que, se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Saú­de, den­tro dos pos­tu­la­dos do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº179/10, os pro­fis­si­o­nais abran­gi­dos fo­ram ori­en­ta­dos no sen­ti­do de di­ri­gi­rem-se às es­co­las de For­ma­ção de Téc­ni­cos de Saú­de, pa­ra re­va­li­da­rem os seus es­tu­dos e pas­sa­rem as­sim à ca­te­go­ria de téc­ni­cos de en­fer­ma­gem.

“Pa­ra o efei­to, a Or­dem dos En­fer­mei­ros fez e con­ti­nua a fa­zer a ins­cri­ção dos pro­fis­si­o­nais ad­mi­ti­dos à luz dos acor­dos do Lu­e­na, ori­en­tan­do aque­les que ain­da não fi­ze­ram os cur­sos de pro­mo­ção pa­ra o fa­ze­rem, sen­do es­te um dos re­qui­si­tos pa­ra a ob­ten­ção da car­tei­ra pro­fis­si­o­nal.

Mui­tos já o fi­ze­ram e re­ce­be­ram as su­as car­tei­ras pro­fis­si­o­nais”, su­bli­nha a or­dem, acres­cen­tan­do que os que não re­va­li­da­ram os seus es­tu­dos não fo­ram cre­den­ci­a­dos, ten­do em con­ta que, pa­ra se emi­tir a car­tei­ra, é fei­ta uma “con­sul­ta às lis­tas for­ne­ci­das pe­las es­co­las de For­ma­ção de Téc­ni­cos de Saú­de (pú­bli­cas e pri­va­das) au­to­ri­za­das pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.”

Ao se­cre­ta­ri­a­do na­ci­o­nal pa­ra a saú­de da UNITA, a Or­dem dos En­fer­mei­ros de An­go­la re­co­men­da a re­vi­são das lis­tas en­vi­a­das ao Mi­nis­té­rio da Saú­de “pa­ra a re­so­lu­ção de qual­quer pro­ble­ma.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.