Equi­lí­brio re­a­cen­de emo­ções da com­pe­ti­ção

Jornal de Angola - - DESPORTO - VIVALDO EDU­AR­DO |

A in­cer­te­za em re­la­ção ao des­fe­cho do Gi­ra­bo­la Zap, quan­do res­tam cin­co jor­na­das por dis­pu­tar, ga­ran­te in­te­res­se cres­cen­te dos afi­ci­o­na­dos e pro­me­te a ele­va­ção do ní­vel de de­sem­pe­nho das equi­pas, so­bre­tu­do nas par­ti­das que en­vol­vem os prin­ci­pais candidatos ao tí­tu­lo e os clu­bes em ris­co de des­cer de di­vi­são.

Li­bo­lo e Pe­tro, com 51 pontos ca­da, po­dem che­gar ao pri­mei­ro lu­gar, ca­so ha­ja um des­li­ze do 1º de Agos­to, lí­der da pro­va com 54. Um pou­co mais abai­xo, In­ter­clu­be e Ka­bus­corp, com 40 pontos, po­dem ain­da, ma­te­ma­ti­ca­men­te, al­can­çar o trio da fren­te, mas não se li­mi­tam a aguar­dar por uma es­cor­re­ga­de­la da­que­les. Es­tão tam­bém pres­si­o­na­dos pe­lo Pro­gres­so da Lunda Sul, com 36, Ben­fi­ca de Lu­an­da com 34 e Sa­gra­da Es­pe­ran­ça e Pro­gres­so Sam­bi­zan­ga com 32 pontos.

Na cau­da da ta­be­la, com 18 pontos, o Por­ce­la­na do Cu­an­za Nor­te tem pos­si­bi­li­da­de de ul­tra­pas­sar a Aca­dé­mi­ca do Lo­bi­to, pe­núl­ti­ma com 21 pontos, o 1º de Maio de Ben­gue­la, 14º co­lo­ca­do com 23 e mes­mo o Des­por­ti­vo da Huí­la, 4 de Abril do Cu­an­do Cu­ban­go, ASA e Re­cre­a­ti­vo da Caá­la, clu­bes po­si­ci­o­na­dos bem mais aci­ma, na clas­si­fi­ca­ção.

Pe­ran­te as hi­pó­te­ses de se pro­du­zi­rem al­te­ra­ções subs­tan­ci­ais na ta­be­la clas­si­fi­ca­ti­va, da ba­se ao to­po, as úl­ti­mas jor­na­das da pro­va ga­ran­tem, an­te­ci­pa­da­men­te, emo­ção e es­pec­tá­cu­lo, com os prin­ci­pais pro­ta­go­nis­tas obri­ga­dos a dar tudo de si, pa­ra ame­a­lha­rem os der­ra­dei­ros pontos em dis­pu­ta. Es­tes con­di­men­tos dão aos agen­tes des­por­ti­vos a so­be­ra­na opor­tu­ni­da­de de “ven­der” me­lhor o pro­du­to fu­te­bol, re­do­bran­do o in­te­res­se dos adep­tos que ha­bi­tu­al­men­te se des­lo­cam aos es­tá­di­os, e mes­mo da­que­les que op­tam por as­sis­tir os jo­gos no con­for­to do lar. O equi­lí­brio da pro­va é um tó­ni­co pa­ra au­men­tar o seu in­te­res­se me­diá­ti­co.

Des­de os res­pon­sá­veis pe­la or­ga­ni­za­ção, aos con­cor­ren­tes, pas­san­do por ou­tros ele­men­tos in­dis­pen­sá­veis pa­ra a re­a­li­za­ção e divulgação do Gi­ra­bo­la Zap, co­mo ar­bi­tra­gem e a im­pren­sa, to­dos de­vem en­ca­rar a dis­pu­ta re­nhi­da co­mo fac­tor de va­lo­ri­za­ção des­te even­to des­por­ti­vo.

In­fe­liz­men­te, pe­ran­te es­te qua­dro, mui­tas ve­zes as re­ac­ções são in­ver­sa­men­te pro­por­ci­o­nais àqui­lo que se es­pe­ra­ria, no sen­ti­do de en­gran­de­cer o es­pec­tá­cu­lo fu­te­bo­lís­ti­co. A frase fei­ta, se­gun­do a qual “a se­gun­da vol­ta é dos di­ri­gen­tes”, de­ve ser com­ple­ta­men­te ba­ni­da das con­ver­sas e das idei­as em tor­no do des­por­to rei, mes­mo re­co­nhe­cen­do a exis­tên­cia tan­to do cor­rup­to, co­mo do cor­rup­tor, nas li­des des­por­ti­vas.

Aten­ção re­do­bra­da se im­põe, pa­ra ga­ran­tia da ver­da­de des­por­ti­va, con­cen­tran­do mei­os e re­cur­sos fi­nan­cei­ros aos ce­ná­ri­os pro­vá­veis de cri­me, tan­to pa­ra de­sen­co­ra­jar aque­les que se apres­tam a ob­ter a vi­tó­ria de for­ma ilí­ci­ta, co­mo pa­ra res­pon­sa­bi­li­zar cri­mi­nal­men­te to­dos os en­vol­vi­dos, ca­so acon­te­çam si­tu­a­ções des­ta na­tu­re­za. O Gi­ra­bo­la Zap pre­ci­sa, mo­men­to al­to, de ele­va­ção mo­ral dos pro­nun­ci­a­men­tos pú­bli­cos, em quais­quer cir­cuns­tân­ci­as, e de “Fair Play” re­do­bra­do, pa­ra que o pú­bli­co acre­di­te e va­lo­ri­ze de­vi­da­men­te um pro­du­to na­ci­o­nal que, ano após ano, atrai mul­ti­dões e une o país em tor­no de uma pai­xão co­mum.

É fun­da­men­tal que a ar­bi­tra­gem se­ja me­lhor pre­mi­a­da, quan­to mai­or isen­ção re­ve­lar no ajui­za­men­to das par­ti­das. Sen­do ver­da­de que o di­nhei­ro cor­rom­pe, não é me­nos ver­da­de que os juí­zes, en­quan­to se­res hu­ma­nos, tam­bém pre­fe­rem ga­nhá­lo de for­ma lí­ci­ta e trans­pa­ren­te.

As si­tu­a­ções me­nos cla­ras de­vem ser abor­da­das em fo­ro pró­prio, pa­ra evi­tar es­pe­cu­la­ções e pu­bli­ci­da­de ne­ga­ti­va ao pró­prio des­por­to. As sus­pei­ções são pis­tas pa­ra en­ca­mi­nhar aos ór­gãos com­pe­ten­tes, vi­san­do con­fir­má-las ou des­car­tá-las. Sem dú­vi­da que, agin­do des­ta for­ma, o des­ta­que mai­or se­rá pa­ra os ar­tis­tas, den­tro do cam­po e quem mais te­rá a lu­crar é o fu­te­bol.

SAN­TOS PE­DRO

Des­pi­que pro­me­te con­ti­nu­ar até ao fim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.