Au­tor de fal­sa no­tí­cia res­pon­de em tri­bu­nal

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio vai in­ten­tar uma ac­ção ju­di­ci­al con­tra o fa­mi­li­ar da su­pos­ta ví­ti­ma e o jor­na­lis­ta que es­ti­ve­ram na ba­se da di­vul­ga­ção, nas re­des so­ci­ais, de uma in­for­ma­ção que apon­ta­va a exis­tên­cia de re­clu­sas no es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal do Cu­an­za Sul, obri­ga­das a fa­zer se­xo com os che­fes dos re­cur­sos hu­ma­nos e con­tro­lo pe­nal pa­ra po­de­rem sair em li­ber­da­de.

O Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio vai in­ten­tar uma ac­ção ju­di­ci­al con­tra o fa­mi­li­ar da su­pos­ta ví­ti­ma e o jor­na­lis­ta que es­ti­ve­ram na ba­se da di­vul­ga­ção, nas re­des so­ci­ais, de uma in­for­ma­ção que apon­ta­va a exis­tên­cia de su­pos­tas re­clu­sas no es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal do Cu­an­za Sul obri­ga­das a fa­zer se­xo com os che­fes dos re­cur­sos hu­ma­nos e con­tro­lo pe­nal pa­ra po­de­rem sair em li­ber­da­de.

De acor­do com um co­mu­ni­ca­do da­que­le ór­gão do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, um inqué­ri­to le­va­do a ca­bo pe­la Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) pro­vou que tais “in­for­ma­ções ca­lu­ni­o­sas” não são ver­da­dei­ras e fo­ram vei­cu­la­das por um gru­po de in­di­ví­du­os de má fé e par­ti­lha­das pe­los seus se­qua­zes.

No do­cu­men­to, o Ser­vi­ço Pe­ni­ten­ciá­rio la­men­ta o fac­to de exis­ti­rem pes­so­as que, a to­do o cus­to, ten­tam man­char o seu bom no­me, as­sim co­mo de ou­tros ór­gãos e in­di­vi­du­a­li­da­des afec­tos ao Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or.

A Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca no Cu­an­za Sul es­cla­re­ceu se­gun­da-fei­ra, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, que a no­tí­cia pos­ta a cir­cu­lar há uma se­ma­na nas re­des so­ci­ais so­bre a su­pos­ta vi­o­la­ção de uma ex-reclusa por fun­ci­o­ná­ri­os do es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal do Sumbe é des­ca­bi­da de fun­da­men­tos.

O sub­pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca no Cu­an­za Sul, Jo­a­quim Ma­ce­do da Fon­se­ca, afir­mou que o re­sul­ta­do do inqué­ri­to, con­du­zi­do num pe­río­do de cin­co di­as, de­mons­tra que ne­nhu­ma ci­da­dã de no­me San­ta cum­priu ca­deia du­ran­te o pe­río­do a que a de­nún­cia faz re­fe­rên­cia.

De acor­do com o ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, o inqué­ri­to que in­te­grou o seu ór­gão em con­jun­to com uma co­mis­são da Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria Mi­li­tar, ida de Lu­an­da, apu­rou que a fo­to­gra­fia ilus­tra­da na ma­té­ria da de­nún­cia não es­tá re­la­ci­o­na­da com o es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal do Sumbe.

“Exis­te um fac­to de uma ci­da­dã que, no mo­men­to da sua sol­tu­ra, a 16 de De­zem­bro de 2014, pos­suía uma cri­an­ça de qua­tro me­ses de ida­de, co­mo re­sul­ta­do de um re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so com um re­clu­so, que ain­da se en­con­tra a cum­prir a pe­na na­que­la ca­deia”, dis­se. Pa­ra o ma­gis­tra­do, es­te re­la­ci­o­na­men­to foi um “me­ro incidente” de que re­sul­tou um fi­lho que ago­ra tem três anos. O sub­pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca in­for­mou que as re­clu­sas não re­a­li­zam tra­ba­lhos so­ci­al­men­te úteis fo­ra da área fe­mi­ni­na on­de se en­con­tram in­ter­na­das, des­de 2013. “Não fi­cou pro­va­da a de­nún­cia fei­ta con­tra os fun­ci­o­ná­ri­os do es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal do Sumbe”, as­se­gu­rou Jo­a­quim da Fon­se­ca.

Du­ran­te a con­fe­rên­cia de im­pren­sa, não foi re­ve­la­da a ver­da­dei­ra iden­ti­da­de da reclusa, mas foi con­fir­ma­do que a mes­ma vi­ve nos ar­re­do­res da ci­da­de do Sumbe e es­tá no­va­men­te grá­vi­da com o es­po­so, que ain­da cum­pre pe­na. O mes­mo go­za de di­rei­tos de dis­pen­sa, na ba­se do Re­gu­la­men­to in­ter­no da Ca­deia do Sumbe.

O sub­pro­cu­ra­dor da Re­pú­bli­ca jun­to do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, Isa­ac Sal­va­dor Edu­ar­do, que co­or­de­nou a co­mis­são de inqué­ri­to, dis­se que o au­tor do tex­to de de­nún­cia já foi en­con­tra­do, mas man­tém-se o si­gi­lo da sua fon­te por ques­tões pro­fis­si­o­nais.

O ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co apro­vei­tou igual­men­te a oca­sião pa­ra ape­lar a to­da a so­ci­e­da­de pa­ra o cui­da­do a ter com as ex­po­si­ções nas re­des so­ci­ais, pa­ra que um dia não se­jam ví­ti­mas de notícias ca­lu­ni­o­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.