Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |* (*) Luis Al­ber­to Fer­rei­ra é o mais an­ti­go jor­na­lis­ta an­go­la­no no ac­ti­vo

As mi­nhas di­li­gên­ci­as pa­ra pôr a lim­po uma cer­ta hi­e­rar­quia dos fac­tos “eco­nó­mi­cos” nos cam­pos de con­cen­tra­ção na­zis da era de Adol­fo Hi­tler co­me­ça­ram há mui­tos anos, em 1965. A par­tir do dia em que, na an­ti­ga Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca da Ale­ma­nha (RDA), vi­si­tei o cé­le­bre cam­po de es­cra­va­tu­ra e ex­ter­mí­nio de Bu­chenwal­den. Na al­tu­ra já de­sac­ti­va­do, cla­ro, mas con­ser­van­do, no que se­ria uma es­pé­cie de museu re­cor­da­tó­rio, evi­dên­ci­as ter­rí­fi­cas da “ro­ti­na” dos cam­pos de con­cen­tra­ção hi­tle­ri­a­nos du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al (19401945). A ex­pe­ri­ên­cia foi das mais sin­gu­la­res, ri­cas e con­tun­den­tes da mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal. Tí­nha­mos saí­do de Gu­e­ra, na flo­res­ta da Tu­rín­gia, eu, ou­tro pro­fis­si­o­nal da im­pren­sa por­tu­gue­sa, vá­ri­os jor­na­lis­tas ale­mães de Ber­lim Ori­en­tal e um tra­du­tor, “herr” Mas­ter. O tra­du­tor fa­la­va um por­tu­guês abra­si­lei­ra­do: de­pois da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, o ve­te­ra­no e afá­vel “herr” Mas­ter ha­via si­do, no Bra­sil, fun­ci­o­ná­rio da mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da Carl Zeiss, com se­de em Ye­na, um dos lu­ga­res mar­can­tes nas me­mó­ri­as uni­ver­si­tá­ri­as do po­e­ta Go­ethe. O pas­sa­do do nos­so tra­du­tor des­ta­ca­va-se pe­lo seu in­vul­gar dra­ma­tis­mo. Mas­ter ha­via com­ba­ti­do ao ser­vi­ço do Ter­cei­ro Rei­ch e to­ma­do par­te na in­va­são da União So­vié­ti­ca. Ele es­te­ve en­tre os sol­da­dos de Hi­tler que par­ti­ci­pa­ram em 1941 no cer­co a Mos­co­vo. Os rus­sos aguen­ta­ram, es­tói­cos, o si­ti­a­men­to. E es­pe­ra­ram pe­la agu­di­za­ção do In­ver­no pa­ra o con­tra-ata­que e a ex­pul­são dos ale­mães. Du­ran­te a trá­gi­ca re­ti­ra­da-fu­ga das for­ças de Hi­tler, “herr” Mas­ter vi­veu mo­men­tos de pâ­ni­co e in­des­cri­tí­vel so­fri­men­to. Nos úl­ti­mos tre­nós uti­li­za­dos pe­los na­zis na fu­ga ata­ba­lho­a­da não ca­bia mais gente. Mui­tos sol­da­dos ger­mâ­ni­cos fi­ca­vam pa­ra trás, afun­da­dos na ne­ve. Mas­ter ti­nha uma per­na fe­ri­da com gra­vi­da­de e a for­tu­na sor­riu-lhe quan­do, no meio do egoís­mo pró­prio do ins­tin­to de so­bre­vi­vên­cia, um sol­da­do com­pa­tri­o­ta o içou pa­ra o in­te­ri­or de um dos tre­nós su­per­lo­ta­dos. Se­guiu­se longa e tor­men­to­sa tra­ves­sia de mui­tos di­as, no meio da ne­ve e sob o fo­go da avi­a­ção rus­sa. Mas­ter não pô­de tra­tar da per­na di­la­ce­ra­da. Já em ter­ri­tó­rio da Ale­ma­nha pres­tes a ren­der-se, a am­pu­ta­ção tor­nou-se ine­vi­tá­vel. Quan­do o co­nhe­ci em Ye­na ele usa­va uma pró­te­se “im­pe­cá­vel”.

O cam­po de con­cen­tra­ção de Bu­chenwal­den si­tua-se a cer­ca de 40 qui­ló­me­tros de Wei­mar, lu­gar de re­le­vo ex­cep­ci­o­nal na his­tó­ria po­lí­ti­ca da Ale­ma­nha. E lo­cal do fa­le­ci­men­to, em 1832, do já por mim alu­di­do Wolf­gang Go­ethe. Che­gá­mos ao Bu­chenwal­den a meio da ma­nhã e quan­do os ter­mó­me­tros acu­sa­vam 21 graus abai­xo de ze­ro!!! (Pas­sei um mau “tra­go” - quan­do se é no­vo su­por­ta-se tu­do, ou qua­se tu­do …). O di­rec­tor do museu, se­cun­da­do por Mas­ter, ca­pi­ta­ne­ou a vi­si­ta gui­a­da. Vi­mos e ou­vi­mos coi­sas alan­ce­a­do­ras, tre­men­das. Mui­tos dos ale­mães e po­la­cos es­cra­vi­za­dos na­que­le cam­po de con­cen­tra­ção per­de­ram a vi­da tra­ba­lhan­do, de tron­co nú, sob tem­pe­ra­tu­ras bai­xís­si­mas, na cons­tru­ção da que fi­ca­ria co­nhe­ci­da co­mo “Es­tra­da de San­gue”, a via de bi­fur­ca­ção en­tre Ye­na, Dorn­dorff, Gu­e­ra, Wei­mar e Leip­zig. Ha­via fras­cos chei­os de ál­co­ol con­ser­van­do corações ar­ran­ca­dos aos pre­sos. Ou­vi­mos que a “em­pre­en­de­do­ra” es­po­sa do co­man­dan­te do cam­po, sá­di­ca, cru­el, pro­du­zia bol­sas pa­ra se­nho­ra con­fec­ci­o­na­das com a pe­le dos pri­si­o­nei­ros que ali pe­re­ci­am. Se­gun­do o nos­so guia, tal prá­ti­ca res­pon­dia aos “es­que­mas” que no Bu­chenwal­den vi­sa­vam fins lu­cra­ti­vos em be­ne­fí­cio do co­man­dan­te do cam­po e seus co­la­bo­ra­do­res. Es­tes “es­que­mas” ga­nha­ram ex­pres­são su­per­la­ti­va, prin­ci­pal­men­te, no mais cé­le­bre dos cam­pos de con­cen­tra­ção na­zis, o de Aus­chwitz, 43 qui­ló­me­tros a oes­te de Cra­có­via, em ter­ri­tó­rio po­la­co. O ca­pi­ta­lis­mo tri­pu­di­ou, ali, tau­to­fó­ni­co, ou se­ja, nu­ma su­ces­são re­pe­ti­ti­va de ma­nei­ras, con­cei­tos e fins. Aus­chwitz não é re­la­ci­o­ná­vel com a pro­to-his­tó­ria do ca­pi­ta­lis­mo, mas pres­tou-se a de­mons­tra­ções de co­mo até no meio de uma his­te­ria sui­ci­dá­ria de ódio e cru­el­da­de - os cam­pos de con­cen­tra­ção na­zis - há tem­po e es­te­nia mo­ral pa­ra o “em­pre­en­de­do­ris­mo”. Es­pa­ço não fal­ta­va. O com­ple­xo pri­si­o­nal de ex­ter­mí­nio abran­gia Aus­chwitz-1, cam­po ori­gi­nal, Aus­chwitz-2 ou Bir­ke­nau, e Aus­chwitz-3 ou Bu­na-Mo­nowitz, on­de as mu­lhe­res eram mai­o­ria. Um mi­lhão e cem mil pes­so­as per­de­ram a vi­da nes­ses vá­ri­os nú­cle­os do com­ple­xo de Aus­chwitz. O Bu­na-Mo­nowitz foi uti­li­za­do co­mo cam­po de tra­ba­lho es­cra­vo pa­ra a em­pre­sa ale­mã IG Far­ben. Em 1940 já o su­per­vi­sor do com­ple­xo era Hein­ri­ch Himm­ler, mas o “eco­no­mis­ta no ter­re­no” era de fac­to Ru­dolf Hoss, re­le­va­do no car­go em 1943 pe­lo tam­bém “em­pre­en­de­dor” Arthur Li­e­bens­chel. É ver­da­de que Hoss “co­me­çou bem”, de­pois de uma vi­si­ta a Aus­chwitz de Oswald Pohl, che­fe da de­sig­na­da “Re­par­ti­ção Cen­tral de Ad­mi­nis­tra­ção e Eco­no­mia” das tru­ci­dan­tes SS, ou Schutzs­taf­fel. (Hi­tler en­fei­ta­va as SS com a qua­se poé­ti­ca le­gen­da de “Com­pa­nhi­as de De­fe­sa ou Es­qua­drões de Pro­tec­ção”). Hoss, que “aca­bou mal” (en­for­ca­do di­an­te do cre­ma­tó­rio de Aus­chwitz de­pois dos jul­ga­men­tos de Nu­rem­ber­ga), ti­nha por mis­são ex­plo­rar os “re­cur­sos na­tu­rais” da re­gião (pe­drei­ras e are­ais). Himm­ler, en­tre­tan­to, or­de­nou-lhe que pu­ses­se em mar­cha “pro­jec­tos de in­ves­ti­ga­ção e ex­plo­ra­ção agrí­co­las”. Hoss achou “con­ve­ni­en­te” cor­rom­per pri­si­o­nei­ros e ins­tau­rar um re­gi­me de “tro­cas” (mão-de-obra/po­der de com­pra). E or­ga­ni­zou a in­fil­tra­ção de “ka­pos” (ma­fi­o­sos). Pa­ra o efei­to re­cru­tou os 30 cri­mi­no­sos ale­mães que ha­vi­am si­do os pri­mei­ros “in­ter­nos” de Aus­chwitz. O Ter­cei­ro Rei­ch não pres­ta­va quais­quer in­for­ma­ções pré­vi­as aos pri­si­o­nei­ros. Tão pou­co os ne­go­ci­an­tes da Pri­mei­ra Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al aos cam­po­ne­ses, in­cluin­do cri­an­ças, quan­do no oca­so do sé­cu­lo XVIII em In­gla­ter­ra mi­lha­res de “ope­rá­ri­os” fo­ram car­ne pa­ra ca­nhão: 16 ho­ras de tra­ba­lho diá­rio, por tur­nos, num rit­mo avas­sa­la­dor, sem pau­sas, dia e noi­te. Em con­di­ções in­sa­lu­bres. Pa­ra os “no­vos pro­du­tos”, na Eu­ro­pa, “no­vos con­su­mi­do­res”. Di­ri­am en­tão, sim­pló­ri­os, os cam­po­ne­ses fei­tos clas­se ope­rá­ria: “So­nha-se com uma coi­sa e re­ce­be-se ou­tra”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.