Má­xi­mo com for­te des­con­fi­an­ça

Jornal de Angola - - ARQUIVO HISTÓRICO -

pe­lo me­nos, três pa­res, que eram pa­ra equi­par al­guns sim­pa­ti­zan­tes da SWAPO nas tri­bos lo­cais.

A in­ten­ção era exi­gir cam­pos den­tro da Na­mí­bia à UNTAG e pre­en­chê-lo quer de com­ba­ten­tes, quer de ci­vis ré­cem-uni­for­mi­za­dos e equi­pa­dos e usá-los co­mo cen­tros pa­ra “po­li­ti­zar” as pes­so­as a apoi­a­rem a SWAPO nas elei­ções de No­vem­bro.

No en­tan­to, por cau­sa da in­ter­ven­ção da Po­lí­cia do Su­do­es­te Afri­ca­no es­te pla­no foi frus­tra­do. Ape­sar dis­so, a SWAPO ain­da po­de­ria ga­nhar as elei­ções por meio do fac­tor in­ti­mi­da­ção, que é ver­da­dei­ra­men­te hor­rí­vel.

Por ou­tro la­do, is­to fun­ci­o­nou con­tra eles em gran­de par­te, pe­lo que não se po­de ser ta­xa­ti­vo so­bre os pro­vá­veis re­sul­ta­dos nas ur­nas, por­que a DTA po­dia ga­nhar.

Por to­dos os re­la­tó­ri­os e a jul­gar pe­lar su­as ac­ções, cer­ta­men­te que a SWAPO não es­tá tão con­fi­an­te as­sim. Po­rém, des­de Abril mui­ta coi­sa mu­dou in­clu­si­ve os pla­nos da SWAPO, com o apoio ac­ti­vo e a as­sis­tên­cia do Movimento dos Paí­ses Não Ali­nha­dos.

Ten­do as for­ças sul-afri­ca­nas si­do re­du­zi­das dras­ti­ca­men­te, a For­ça Ter­ri­to­ri­al do Su­do­es­te Afri­ca­no des­mo­bi­li­za­da e os an­ti­gos ofi­ci­ais da po­lí­cia do Su­do­es­te Afri­ca­no acan­to­na­dos, as for­ças de de­fe­sa do país es­ta­vam mui­to de­bi­li­ta­das. Vá­ri­os ce­ná­ri­os são pos­sí­veis, por­que uma coi­sa que pa­re­ce cer­ta é que Nu­jo­ma e a SWAPO, ca­so per­cam a elei­ção, ten­ta­rão to­mar o po­der pe­la via da for­ça.

Eles já es­tão a pas­sar a pa­la­vra que se eles per­de­rem, eles vol­ta­rão pa­ra as ma­tas e a guer­ra vai con­ti­nu­ar. O úni­co ca­mi­nho pa­ra a paz é vo­tar a fa­vor da SWAPO.

Mu­ga­be's ZANU P/F ter­ro­rists­ga­ve the sa­me mes­sa­ge to the black po­pu­la­ce of Zim­babwe and it wor­ked for him.

Uma ques­tão pre­o­cu­pan­te, par­ti­cu­lar­men­te con­si­de­ran­do a na­tu­re­za in­ter­na­ci­o­nal dos acor­dos en­tre An­go­la, Cu­ba e Áfri­ca do Sul, é que Cu­ba ame­a­çou re­cen­te­men­te in­ter­rom­per a re­ti­ra­da das su­as tro­pas de An­go­la.

A ou­tra ques­tão é que as ne­go­ci­a­ções de paz en­tre o go­ver­no do MPLA e a UNITA pa­re­cem ter fra­cas­sa­do.

Tal­vez a re­a­li­da­de dis­to é que os an­go­la­nos e os cu­ba­nos pre­ten­di­am des­truir a UNITA, ao in­vés de con­ver­sar com ela, es­pe­ci­al­men­te, ago­ra que os sul-afri­ca­nos de­so­cu­pa­ram as su­as ba­ses mi­li­ta­res de Ca­pri­vi, sen­do que ne­nhu­ma li­nha de abas­te­ci­men­to di­rec­ta res­tou pa­ra lhe for­ne­cer aju­da mi­li­tar.

Uma pro­jec­ção apo­ca­líp­ti­ca, que não po­de ser pos­ta de la­do por­que mos­tra ser uma pos­si­bi­li­da­de, es­tá re­la­ci­o­na­da com os re­la­tó­ri­os de in­te­li­gên­cia pro­ve­ni­en­tes do Zim­babwe, da Zâm­bia e do Movimento dos Paí­ses Não Ali­nha­dos.

Os mes­mos su­ge­rem que uma For­ça Afri­ca­na, com­pos­ta por tro­pas do Zim­babwe, da Zâm­bia, do Botswa­na e tal­vez de ou­tros paí­ses, es­ta­va a ser dis­cre­ta­men­te pre­pa­ra­da pa­ra ser mo­bi­li­za­da ra­pi­da­men­te.A Lí­bia ofe­re­ceu apoio em mei­os aé­re­os, no­me­a­da­men­te C-130 e ou­tos trans­por­tes.

O pla­no se­cre­to da SWAPO e dos mem­bros afri­ca­nos do Movimento dos Paí­ses Não-Ali­nha­dos, era que se as coi­sas não cor­res­sem bem à SWAPO, nas elei­ções de No­vem­bro, ha­ve­ria uma re­vol­ta po­pu­lar con­tra o no­vo re­gi­me elei­to.

Is­so le­va­ria os ele­men­tos do PLAN a to­ma­rem de as­sal­to a fron­tei­ra a par­tir de An­go­la, en­quan­to 1.000 de­les, es­pa­lha­dos por to­do o país nos cam­pos de re­fu­gi­a­dos se­cun­dá­ri­os, co­me­ça­ri­am a ope­ra­ção mi­li­tar pa­ra der­ru­bar o go­ver­no.

Qu­a­tro­cen­tos ele­men­tos do PLAN ba­si­fi­ca­dos em Seshe­ke, na Zâm­bia, vão mo­vi­men­tar-se ime­di­a­ta­men­te pa­ra sul e in­va­dir a Fai­xa de Ca­pri­vi, com o apoio ac­ti­vo dos zam­bi­a­nos.

The Se­cu­rity For­ces, it is ex­pec­ted, will by then ha­ve their hands ef­fec­ti­vely ti­ed by the UN and be in­ca­pa­ble­of in­ter­ve­ning.

Es­pe­ra­va-se que as For­ças de Se­gu­ran­ça, na al­tu­ra, te­nham as su­as mãos efec­ti­va­men­te ata­das pe­la ONU e se­jam in­ca­pa­zes de in­ter­vir.

O Con­se­lho das Igre­jas da Na­mí­bia e os sin­di­ca­tos vão ape­lar à Áfri­ca pa­ra res­tau­rar a or­dem no país e aos aviões lí­bi­os do ti­po C-130 e ou­tros aviões à dis­po­si­ção pa­ra trans­por­ta­rem as tro­pas, des­co­lan­do de vá­ri­os ae­ro­por­tos, no­me­a­da­men­te da Na­mí­bia, do Botswa­na e do Zim­babwe e a For­ça Afri­ca­na vai di­ri­gir ou pre­pa­rar an­te­ci­pa­da­men­te os des­ti­nos na Na­mí­bia.

O dis­cur­so do pre­si­den­te ces­san­te, Ro­bert Mu­ga­be do Zim­babwe, quan­do apre­sen­ta­va o seu re­la­tó­rio à no­na Ci­mei­ra do Movimento dos Paí­ses Não Ali­nha­dos, à

foi sig­ni­fi­ca­ti­vo. “Há uma gran­de pos­si­bi­li­da­de do po­vo na­mi­bi­a­no ser en­ga­na­do de­vi­do a fal­ta de au­to­de­ter­mi­na­ção ge­nuí­na”, dis­se ele.

5 de Se­tem­bro,

Nas en­tre­li­nhas, is­to­sig­ni­fi­ca­va que a SWAPO po­dia fra­cas­sar nas elei­ções, nes­te ca­so a NAM vai fa­zer de tu­do pa­ra que as elei­ções se­jam de­cla­ra­das in­vá­li­das. “É cla­ro”, ele pros­se­guiu, “es­ta ci­mei­ra te­rá de con­si­de­rar que o movimento pre­ci­sa to­mar me­di­das adi­ci­o­nais so­bre a Na­mí­bia”.

Qual­quer um po­de adi­vi­nhar a que ti­po de “ac­ção” ele se re­fe­ria. Ele dis­se que o re­la­tó­rio de um gru­po de de­zoi­to re­pre­sen­tan­tes do Movimento dos Paí­ses Não Ali­nha­dos, que vi­si­tou a Na­mí­bia, pro­vo­cou uma in­ter­pre­ta­ção pre­o­cu­pan­te.Se­ri­ain­te­res­san­te­e­xa­mi­nar­tal­re­la­tó­rio.

En­tre­tan­to, os mo­de­ra­dos do NAM apa­ren­te­men­te que­ri­am fa­lar so­bre a dí­vi­da, o meio am­bi­en­te, os di­rei­tos hu­ma­nos e as­sim por di­an­te, mas a Na­mí­bia era a ob­ses­são do Gru­po de Áfri­ca.

É cer­to que es­ses mo­de­ra­dos não têm ideia do que es­tá a acon­te­cer nos bas­ti­do­res.Is­so po­de mui­to bem ser uma op­ção pla­ne­a­da, mas há mui­tas ra­zões pe­las qu­ais es­ta pre­ten­são po­dia fa­lhar.

Em pri­mei­ro lu­gar, o cer­ti­fi­ca­do de que a elei­ção foi “li­vre e jus­ta” não vai ser as­si­na­do por Ro­bert Mu­ga­be ou pe­lo Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, mas sim pe­lo Re­pre­sen­tan­te Es­pe­ci­al da ONU, Mart­tiAh­ti­sa­a­ri e em­bo­ra ele te­nha re­a­li­za­do al­guns ac­tos equi­li­bris­tas sur­pre­en­den­tes nos úl­ti­mos me­ses, des­de o 1 de Abril, ele pa­re­ce, no ge­ral, es­tar a de­sem­pe­nhar a sua fun­ção de for­ma im­par­ci­al.

“Nes­te mo­men­to, pa­re­ce que ele es­tá fe­liz com a ma­nei­ra co­mo as coi­sas es­tão a ca­mi­nhar ru­mo às elei­ções. É pou­co pro­vá­vel que aque­las coi­sas que es­tão er­ra­das, a in­ti­mi­da­ção e as­sim por di­an­te, afec­tem o seu jul­ga­men­to fi­nal so­bre a ques­tão da elei­ção “li­vre e jus­ta”, des­de que não ha­ja con­fli­to aber­to”, re­fe­re Pe­ter Stiff no seu li­vro so­bre a guer­ra na Na­mí­bia.

Na ver­da­de, não há ne­nhu­ma ra­zão pa­ra su­por que ele te­nha mu­da­do o seu pon­to de vis­ta, que ele ex­pres­sou cla­ra­men­te no dia em que che­gou à Na­mí­bia.

"Quan­do o po­vo na­mi­bi­a­no ti­ver es­co­lhi­do, o re­sul­ta­do de­ve ser acei­te e res­pei­ta­do por to­dos”, su­bli­nha.

Se, por exem­plo, a DTA e o par­ti­do ali­a­do ven­ce­rem e a SWAPO e a NAM de­ci­di­rem ten­tar a so­lu­ção apo­ca­lip­ti­ca, as coi­sas po­de­ri­am cor­rer mui­to mal pa­ra aque­les dois.

Em pri­mei­ro lu­gar, um ven­ce­dor da elei­ção que não se­ja a SWAPO, se hou­ves­se uma “re­vol­ta po­pu­lar”, pro­va­vel­men­te pe­di­ria aju­da à Áfri­ca do Sul pa­ra res­tau­rar a or­dem. Em­bo­ra a Áfri­ca do Sul te­nha to­ma­do a de­ci­são di­plo­má­ti­ca de se re­ti­rar da Na­mí­bia, is­so não sig­ni­fi­ca que ela sim­ples­men­te vai fi­car pa­ra­da e as­sis­tir a uma pre­ten­são re­vo­lu­ci­o­ná­ria de se agar­rar ao po­der.A UNTAG, quer gos­tas­se des­ta de­ci­são ou não, não te­rá opi­nião mo­ral ou le­gal no as­sun­to.

No en­tan­to, a no­ção de “For­ça Afri­ca­na To­tal” há mui­to que tem ali­men­ta­do o so­nho de ho­mens co­mo Ro­bert Mu­ga­be e Ken­neth Kaun­da, mas eles nun­ca fo­ram ca­pa­zes de agir em con­jun­to, ex­cep­to, tal­vez, em Mo­çam­bi­que, on­de di­fi­cil­men­te se po­de con­si­de­rar um êxi­to no­tá­vel.

A quan­ti­da­de não é si­nó­ni­mo de qua­li­da­de

“Eles de­ve­ri­am per­gun­tar aos An­go­la­nos e ter uma con­ver­sa con­fi­den­ci­al com Fi­del Cas­tro. Ele, sem dú­vi­da, re­pe­ti­rá o que ele dis­se, em pú­bli­co, no dia 9 de Ju­lho, quan­do ele dis­se que um nú­me­ro re­la­ti­va­men­te pequeno das SADF der­ro­tou qua­se to­da a sua re­vo­lu­ção”.

A Áfri­ca do Sul com­pro­me­te-se a acei­tar o re­sul­ta­do, se­ja qual for e se a SWAPO con­cor­dar, ela cal­ma­men­te vai com­ple­tar a sua re­ti­ra­da de­fi­ni­ti­va do país e is­so se­rá o fim de tu­do.

No en­tan­to, há di­vi­sões si­nis­tras no seio da pró­pria SWAPO e não se­ria sur­pre­en­den­te se al­guns che­fes no seio da di­rec­ção, tal­vez até mes­mo Nu­jo­ma, de­sen­ca­de­as­sem uma lu­ta pe­lo po­der nos úl­ti­mos mi­nu­tos an­tes da elei­ção.

Pa­re­ce pro­vá­vel que o lí­der bran­co da SWAPO, An­ton Lu­bows­ki, que foi as­sas­si­na­do fo­ra da sua ca­sa, em Windho­ek, no dia 12 de Se­tem­bro, fos­se mor­to pe­la SWAPO, co­mo um cor­dei­ro sa­cri­fi­ca­do.

Há mui­tas evi­den­ci­as pa­ra su­ge­rir que ele te­nha si­do mor­to por um ati­ra­dor do IRA con­tra­ta­do es­pe­ci­al­men­te pa­ra o tra­ba­lho, sob or­dens da al­ta li­de­ran­ça da SWAPO, co­mo um exem­plo pa­ra aque­les que cons­pi­ram con­tra a pre­si­dên­cia de Nu­jo­ma na SWAPO.

Du­vi­da-se que Lu­bows­ki es­ti­ves­se en­vol­vi­do em tal cons­pi­ra­ção, mas ele ge­ral­men­te era ig­no­ra­do den­tro SWAPO e vis­to, sem dú­vi­da, co­mo des­car­tá­vel.

O aler­ta foi pro­va­vel­men­te di­ri­gi­do ao al­to fun­ci­o­ná­rio Ha­mu­tenyaHi­di­po, de quem se diz es­tar a ser apoi­a­do pa­ra a pre­si­dên­cia da SWAPO por al­tos co­man­dan­tes mi­li­ta­res do PLAN.

Windho­ek, um va­le ador­me­ci­do até ago­ra, pa­re­ce ter um fu­tu­ro vi­o­len­to pe­la fren­te.No en­tan­to, se­rá iró­ni­co se a SWAPO, com os seus slo­gans ba­nais e po­lí­ti­cas mar­xis­tas tão de­sac­tu­a­li­za­das co­mo as do pró­prio Saint Jo­seph, que fa­lha­ram e le­va­ram mui­tos es­ta­dos afri­ca­nos à ruí­na, ga­nhe a elei­ção.

As fa­lhas não fo­ram so­men­te Afri­ca­nas As an­te­ri­or­men­te su­pri­mi­das es­pe­ran­ças de de­mo­cra­cia es­tão ago­ra a es­pa­lhar-se co­mo fo­go in­con­tro­lá­vel, pas­san­do de uma re­pú­bli­ca so­ci­a­lis­ta pa­ra ou­tra na União So­vié­ti­ca, na Chi­na, na Po­ló­nia, na Hun­gria, e em mui­tos ou­tros paí­ses tam­bém.

To­dos eles, gra­du­al­men­te, mas com des­dém, a co­lo­ca­rem o so­ci­a­lis­mo co­mu­nis­ta no cai­xo­te do lixo da his­tó­ria on­de ele per­ten­ce.

“Só po­de­mos es­pe­rar que os es­ta­dos de­mo­crá­ti­cos da ONU, pe­lo me­nos, des­per­tem e per­ce­bam que o Po­vo na­mi­bi­a­no, ao não vo­tar pe­la SWAPO, não es­ta­rão re­al­men­te a op­tar pe­la re­ten­ção do apartheid e do re­gi­me de mi­no­ria bran­ca sul-afri­ca­no”.

De qual­quer ma­nei­ra, am­bos pas­sa­rão à his­tó­ria da Na­mí­bia, em No­vem­bro.A sua es­co­lha é en­tre o to­ta­li­ta­ris­mo mar­xis­ta e a de­mo­cra­cia.

“Ca­da po­vo ele­ge o go­ver­no que ele me­re­ce, di­zem eles.Espera-se que os na­mi­bi­a­nos per­ce­bam que eles me­re­cem a li­ber­da­de e a de­mo­cra­cia. E que o mun­do não os vai im­pe­dir de con­se­gui­rem es­te de­si­de­ra­to”, fri­sou.

AR­QUI­VO HIS­TÓ­RI­CO

Po­lí­cia a ca­va­lo era usa­da pa­ra pa­tru­lhar as zo­nas de fron­tei­ra ha­bi­tu­ais fo­cos de con­fli­to

AR­QUI­VO HIS­TÓ­RI­CO

O pa­tru­lha­men­to ti­nha por ob­jec­ti­vo pro­te­ger a zo­na on­de os guer­ri­lhei­ros exer­ci­am con­tro­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.