CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LI­NO OLI­VEI­RA | MÁR­CIA AN­TÓ­NIO | MÁ­RIO PANZO

A opo­si­ção e o OGE

Por im­pe­ra­ti­vo de or­dem po­lí­ti­ca e aten­ta à re­a­li­da­de con­tem­po­râ­nea, a Re­pú­bli­ca de An­go­la há mui­to que dei­xou de ser um Es­ta­do mo­no­par­ti­dá­rio, pa­ra abra­çar o plu­ri­par­ti­da­ris­mo ou, se qui­ser­mos, o mul­ti­par­ti­da­ris­mo, is­so des­de as elei­ções le­gis­la­ti­vas de 1992. Daí ha­ver vá­ri­os de­pu­ta­dos de dis­tin­tas for­ças po­lí­ti­cas elei­tos pa­ra a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, ór­gão re­pre­sen­ta­ti­vo de to­dos os an­go­la­nos.

No âm­bi­to das atri­bui­ções da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, com­pe­te a es­te ór­gão de so­be­ra­nia apro­var leis ge­rais e im­pes­so­ais, bem co­mo o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE), um do­cu­men­to do Es­ta­do, pro­jec­ta­do pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra a re­a­li­za­ção dos fins pú­bli­cos.

Sa­be­mos que é por via do OGE que o Exe­cu­ti­vo ob­tém ver­bas pa­ra as in­fin­dá­veis ne­ces­si­da­des so­ci­ais (edu­ca­ção, saú­de, obras pú­bli­cas, rein­ser­ção so­ci­al, in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, sa­ne­a­men­to, cons­tru­ção de re­si­dên­ci­as, des­por­to, cul­tu­ra, pa­ga­men­to sa­la­ri­al dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos e a to­dos quan­to pres­tam ser­vi­ços ao Es­ta­do), en­fim, um con­jun­to de fun­ções com vis­ta à sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des ma­te­ri­ais e es­pi­ri­tu­ais pa­ra a so­bre­vi­vên­cia dos an­go­la­nos.

Ora, en­quan­to os de­pu­ta­dos da ban­ca­da do par­ti­do MPLA e, al­gu­mas ve­zes, os da FNLA, se dig­nam apro­var o OGE, de­pois de ace­sos de­ba­tes, su­ges­tões e re­co­men­da­ções, o que é ób­vio, os de­pu­ta­dos da UNITA e os da CA­SA-CE nun­ca apro­va­ram aque­le im­por­tan­te do­cu­men­to, ale­gan­do sem­pre ra­zões na­da com­pa­tí­veis com as ne­ces­si­da­des do po­vo que di­zem de­fen­der. Ti­ve a opor­tu­ni­da­de de ver o “exér­ci­to” de mu­ti­la­dos da zo­na de Ma­vin­ga a se­rem apoi­a­dos pe­lo go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, to­dos eles num es­ta­do de­plo­rá­vel, lo­go ca­ren­tes de apoio ma­te­ri­al e fi­nan­cei­ro, mas os de­pu­ta­dos da UNITA e da CA­SA-CE rei­te­ra­da­men­te se re­cu­sam a apro­var o OGE.

O com­por­ta­men­to da UNITA e da CA­SA-CE, quan­to ao OGE, de­ve des­per­tar a aten­ção dos in­di­ví­du­os que se re­la­ci­o­nam com es­ses dois par­ti­dos po­lí­ti­cos, pois va­lem-se dos vo­tos dos elei­to­res, mas pos­tos no Par­la­men­to, o fio con­du­tor dos mes­mos é ape­nas re­tó­ri­ca, co­mo se os elei­to­res vi­ves­sem na uto­pia da eloquên­cia, ape­nas pa­ra cri­ar a ad­mi­ra­ção de quem ou­ve os seus dis­cur­sos.

Os mu­ti­la­dos, de­sem­pre­ga­dos, pe­que­nos, mé­di­os e gran­des agri­cul­to­res, co­mer­ci­an­tes e re­ven­de­do­res, a co­mu­ni­da­de aca­dé­mi­ca e ci­en­tí­fi­ca, mé­di­cos, en­ge­nhei­ros, têm ne­ces­si­da­de cres­cen­te de múl­ti­plas in­dús­tri­as li­gei­ras e pe­sa­das, de es­ta­lei­ros na­vais, ins­ti­tu­tos téc­ni­cos, de uni­ver­si­da­des tec­no­ló­gi­cas e não só, e re­que­rem dos de­pu­ta­dos ac­tos exequí­veis e não só de eloquên­cia. É bom que nós elei­to­res des­per­te­mos. Quem é con­tra o OGE é opo­si­tor da me­lho­ria das con­di­ções de vi­da dos an­go­la­nos.

Pro­du­tos ali­men­ta­res

Es­tou sa­tis­fei­to com o fac­to de mui­tos pro­du­tos ali­men­ta­res es­ta­rem a bai­xar de pre­ço no nos­so mer­ca­do. Es­pe­ro que os pre­ços ve­nham a bai­xar ain­da mais, por­que os sa­lá­ri­os que mui­tos ci­da­dãos au­fe­rem são bai­xos.

Con­si­de­ro opor­tu­na a me­di­da de se fa­zer , por exem­plo, bai­xar o pre­ço da fa­ri­nha de tri­go , pa­ra que o pão che­gue ao con­su­mi­dor a um pre­ço su­por­tá­vel pe­los ci­da­dãos com bai­xos ren­di­men­tos.

O pão é um pro­du­to, co­mo já al­guém es­cre­veu nes­te es­pa­ço, mui­to con­su­mi­do pe­los an­go­la­nos. Ain­da bem que as nos­sas au­to­ri­da­des li­ga­das ao Co­mér­cio es­tão a es­tu­dar as me­di­das mais apro­pri­a­das pa­ra se aca­bar com a al­ta de pre­ços do pão.

Já com­prei por exem­plo uma gar­ra­fa de óleo ali­men­tar a 1300 kwan­zas, e ho­je com­pro-a a 800 kwan­zas. Dis­se­ram -me que há pes­so­as que já com­pram o óleo ali­men­tar em ar­ma­zéns a um pre­ço abai­xo dos 800 kwan­zas. O fei­jão es­tá, quan­to a mim, ain­da mui­to ca­ro.

Se­lec­ção de Sub-17

Es­cre­vo pa­ra es­te es­pa­ço pa­ra en­co­ra­jar os jo­vens que in­te­gram a se­lec­ção de SUB -17, que sá­ba­do, 1 de Ou­tu­bro, vai de­fron­tar as Ilhas Co­mo­res, em jo­go re­fe­ren­te à ter­cei­ra e úl­ti­ma eli­mi­na­tó­ria de apu­ra­men­to pa­ra a fa­se fi­nal da 12ª edi­ção do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções na­que­la ca­te­go­ria, a ter lu­gar em Abril de 2017 em Ma­da­gás­car. Es­pe­ro que a nos­sa se­lec­ção de Sub17 se qua­li­fi­que pa­ra es­tar em Ma­da­gás­car en­tre as me­lho­res se­lec­ções do con­ti­nen­te nes­ta ca­te­go­ria.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.