Os ci­da­dãos e a jus­ti­ça

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A jus­ti­ça é um dos pi­la­res fun­da­men­tais do nos­so Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to. Um dos gran­des fins de um Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to é as­se­gu­rar a jus­ti­ça, no sen­ti­do da pros­se­cu­ção do bem co­mum. A re­a­li­za­ção da jus­ti­ça es­tá no cen­tro das pre­o­cu­pa­ções dos Es­ta­dos que têm de as­se­gu­rar a de­fe­sa de di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais, mu­nin­do-se de ins­ti­tui­ções pa­ra as­se­gu­rar que os ci­da­dãos pos­sam ter aces­so a ór­gãos que pro­mo­vam a de­fe­sa efec­ti­va des­ses di­rei­tos e li­ber­da­des.

O Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to tem de co­lo­car os ci­da­dãos no cen­tro das su­as po­lí­ti­cas pú­bli­cas, no­me­a­da­men­te da­que­las que es­tão vi­ra­das pa­ra evi­tar as vi­o­la­ções dos seus di­rei­tos. Te­mos que con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar pa­ra que te­nha­mos ins­ti­tui­ções for­tes de de­fe­sa de di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais dos ci­da­dãos. Com a re­a­li­za­ção da jus­ti­ça, as­se­gu­ra-se a paz so­ci­al. E uma so­ci­e­da­de pre­ci­sa de paz so­ci­al pa­ra ter pro­gres­so.

O nos­so país tem uma im­por­tan­te en­ti­da­de pú­bli­ca que é a Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça, uma ins­ti­tui­ção in­de­pen­den­te que tem por ob­jec­to a de­fe­sa dos di­rei­tos, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as dos ci­da­dãos, as­se­gu­ran­do, atra­vés de mei­os in­for­mais, a jus­ti­ça e a le­ga­li­da­de da ac­ti­vi­da­de da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca. Os ci­da­dãos an­go­la­nos têm pro­gres­si­va­men­te to­ma­do cons­ci­ên­cia da im­por­tân­cia do pa­pel do Pro­ve­dor de Jus­ti­ça, e não é por aca­so que mui­tos an­go­la­nos têm re­cor­ri­do àque­la en­ti­da­de pú­bli­ca pa­ra apre­sen­tar quei­xas, por ac­ções ou omis­sões dos po­de­res pú­bli­cos.

A dig­ni­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal que é atri­buí­da à fi­gu­ra do Pro­ve­dor de Jus­ti­ça diz bem da in­ten­ção do le­gis­la­dor cons­ti­tuin­te de as­se­gu­rar que uma en­ti­da­de in­de­pen­den­te pu­des­se tra­ba­lhar no sen­ti­do de os ci­da­dãos não se sen­ti­rem des­pro­te­gi­dos, em ca­sos de in­jus­ti­ça. A re­a­li­za­ção da jus­ti­ça é tam­bém uma ta­re­fa dos ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, pe­lo que es­tes de­vem, nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção, tam­bém co­o­pe­rar com o Pro­ve­dor de Jus­ti­ça na pros­se­cu­ção dos seus fins.As re­co­men­da­ções que o Pro­ve­dor de Jus­ti­ça po­de emi­tir nos ter­mos do ar­ti­go 192º, nú­me­ro 4, da Cons­ti­tui­ção de­vem me­re­cer sem­pre a aten­ção dos ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca que as re­ce­bem. O com­ba­te às in­jus­ti­ças é as­sun­to que de­ve vin­cu­lar os ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, que tem de ter tam­bém a mis­são de pro­mo­ver o bem co­mum.

A Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça tem fei­to a sua par­te, acom­pa­nhan­do as ques­tões que têm a ver com a pre­ven­ção e re­pa­ra­ção de in­jus­ti­ças. Que os ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca se­jam cé­le­res na re­so­lu­ção de pro­ble­mas que afec­tem os ci­da­dãos e que lhes são co­lo­ca­dos, por via de re­co­men­da­ções,pe­la Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça. É pre­ci­so que se co­me­ce a dar a de­vi­da im­por­tân­cia à Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça, uma ins­ti­tui­ção que aju­da os po­de­res pú­bli­cos a aper­ce­be­rem-se de si­tu­a­ções, mui­tas ve­zes gra­ves, de in­jus­ti­ça. Os po­de­res pú­bli­cos, em par­ti­cu­lar a Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do, de­vem pre­o­cu­par-se per­ma­nen­te­men­te em re­sol­ver os pro­ble­mas dos ci­da­dãos, se­ja qual for a sua na­tu­re­za, e so­bre­tu­do aque­les que têm a ver com os seus di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais.

É en­co­ra­ja­dor o fac­to de o Pro­ve­dor de Jus­ti­ça, Pau­lo Tji­pi­li­ca, ter di­to em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la que a ins­ti­tui­ção que di­ri­ge se pre­o­cu­pa em ir ao en­con­tro do ci­da­dão. Va­le a pe­na trans­cre­ver, a es­te pro­pó­si­to, as pa­la­vras de Pau­lo Tji­pi­li­ca: “O que pre­ten­de­mos é ir ao en­con­tro dos ci­da­dãos e não o con­trá­rio.(...)No quo­ti­di­a­no, além das re­cla­ma­ções por es­cri­to, te­mos as pre­sen­ci­ais. Re­ce­bo ci­da­dãos de se­gun­da a quar­ta-fei­ra e a Pro­ve­do­ra ad­jun­ta à quin­ta e sex­ta-fei­ra. Re­ce­be­mos par­ti­ci­pa­ções por es­cri­to, por e-mail e ou­tras por via te­le­fó­ni­ca. A mai­or con­quis­ta que os ci­da­dãos ti­ve­ram re­si­de no fac­to de po­de­rem ace­der ao ser­vi­ço da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça. E pa­ra tal não é pre­ci­so cons­ti­tuir ad­vo­ga­do. Aqui os ci­da­dãos têm aces­so di­rec­to e pro­cu­ra­mos tra­tar as ques­tões com bas­tan­te ce­le­ri­da­de (...)”.

É bom que os ci­da­dãos sai­bam que exis­te em An­go­la uma ins­ti­tui­ção pú­bli­ca, a Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça, que po­de con­tri­buir gran­de­men­te pa­ra a re­so­lu­ção dos seus pro­ble­mas. Os ci­da­dãos an­go­la­nos vão ca­da vez mais co­nhe­cen­do os seus di­rei­tos, pe­lo que é na­tu­ral que ha­ja um nú­me­ro cres­cen­te de re­cla­ma­ções jun­to da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça, que, por si­nal, tem um ser­vi­ço que se pre­o­cu­pa em fa­zer che­gar ra­pi­da­men­te os pro­ble­mas dos ci­da­dãos aos ór­gãos que têm com­pe­tên­cia pa­ra os re­sol­ver.

Que o pro­jec­to de se ins­ta­lar em to­das as pro­vín­ci­as do país os ser­vi­ços da Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça ve­nha a ser con­cre­ti­za­do, pa­ra que os ci­da­dãos an­go­la­nos ,de to­das as re­giões do país, pos­sam ver os seus di­rei­tos pro­te­gi­dos. A Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça de­ve ser vis­ta co­mo uma gran­de par­cei­ra da Ad­mi­nis­tra­ção do Es­ta­do e de ou­tros po­de­res pú­bli­cos na lu­ta con­tra a in­jus­ti­ça. O nos­so Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to tem de tra­ba­lhar per­ma­nen­te­men­te pa­ra que um dos seus mais im­por­tan­tes pi­la­res, a jus­ti­ça, es­te­ja ca­da vez mais fir­me. Se a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca co­la­bo­rar efec­ti­va­men­te com a Pro­ve­do­ria de Jus­ti­ça, a que re­cor­rem fre­quen­te­men­te os ci­da­dãos, mui­tos pro­ble­mas po­dem ser re­sol­vi­dos, evi­tan­do a in­ter­ven­ção dos tri­bu­nais, on­de a so­lu­ção dos ca­sos que lhes são sub­me­ti­dos po­de de­mo­rar mui­to tem­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.