Na­ções Uni­das con­de­nam ata­que a ci­vis

ES­CA­LA­DA DE HOS­TI­LI­DA­DE NA LÍ­BIA E NO CON­GO DE­MO­CRÁ­TI­CO Con­se­lho dos Di­rei­tos Hu­ma­nos aler­ta pa­ra a gra­ve si­tu­a­ção dos mi­gran­tes

Jornal de Angola - - MUNDO -

O en­vi­a­do es­pe­ci­al da ONU pa­ra a Lí­bia, Mar­tin Ko­bler, ad­ver­tiu es­ta se­ma­na, em Ge­ne­bra, ca­pi­tal da Suí­ça, nu­ma reu­nião do Con­se­lho dos Di­rei­tos Hu­ma­nos da or­ga­ni­za­ção, que a Lí­bia vi­ve uma “es­tag­na­ção po­lí­ti­ca” e uma es­ca­la­da da vi­o­lên­cia com for­te im­pac­to so­bre os ci­vis.

Em si­mul­tâ­neo com a es­tag­na­ção po­lí­ti­ca, pros­se­guiu o en­vi­a­do da ONU, de­sen­vol­vem-se na Lí­bia ac­ções mi­li­ta­res, co­mo a to­ma­da de po­ços de pe­tró­leo por mi­lí­ci­as do ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar, que não re­co­nhe­ce o Go­ver­no de Uni­da­de Na­ci­o­nal.

Mar­tin Ko­bler dis­se que os com­ba­tes en­tre as for­ças que apoi­am o Go­ver­no lí­bio de Uni­da­de Na­ci­o­nal e os re­bel­des do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” pro­vo­ca­ram pe­lo me­nos 699 mor­tes e mi­lha­res de fe­ri­dos e que não se po­de su­bes­ti­mar os ris­cos de que ocor­ram mais in­ci­den­tes.

“O con­fli­to ar­ma­do múl­ti­plo na Lí­bia con­ti­nua a ter um im­pac­to di­rec­to so­bre a vi­da dos ci­vis”, aler­tou. En­tre 1 de Mar­ço e 31 de Agos­to, as Na­ções Uni­das do­cu­men­ta­ram 287 agres­sões a ci­vis, que pro­vo­ca­ram 141 mor­tes e 146 fe­ri­dos.

Apoi­a­do pe­la ONU, OTAN e po­tên­ci­as oci­den­tais, o Go­ver­no de Uni­da­de Na­ci­o­nal con­se­guiu es­ta­be­le­cer-se em Tri­po­li, mas não im­plan­tou a sua au­to­ri­da­de no Les­te do país, ad­mi­nis­tra­do pe­lo Par­la­men­to e o Go­ver­no de To­bruk, que per­de­ram os apoi­os das po­tên­ci­as oci­den­tais pa­ra o Go­ver­no ri­val de Tri­po­li.

A al­ta co­mis­sá­ria ad­jun­ta da ONU pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos, Ka­te Gil­mo­re, pe­diu à União Eu­ro­peia, no mes­mo en­con­tro, pa­ra dar mais as­sis­tên­cia téc­ni­ca à Lí­bia e con­si­de­rou gra­ve a si­tu­a­ção dos mi­gran­tes em ter­ri­tó­rio lí­bio.

Ka­te Gil­mo­re dis­se que a vi­o­lên­cia na Lí­bia pro­vo­cou pe­lo me­nos meio mi­lhão de des­lo­ca­dos, ra­zão pe­la qual de­vem ser ga­ran­ti­das as con­di­ções pa­ra o seu re­gres­so em se­gu­ran­ça e dig­ni­da­de. A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, pros­se­guiu, tam­bém de­ve apoi­ar o “im­por­tan­te pa­pel” que po­de ser exer­ci­do pe­lo Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal no país, pres­tar aten­ção às su­as ne­ces­si­da­des e re­cur­sos lo­cais e “ga­ran­tir a co­o­pe­ra­ção com o Go­ver­no so­bre a mi­gra­ção pa­ra per­mi­tir que to­dos pos­sam res­pei­tar os di­rei­tos dos mi­gran­tes”.

Além dis­so, su­bli­nhou ser pre­ci­so com­ba­ter a im­pu­ni­da­de pa­ra “que­brar o ci­clo de vi­o­lên­cia”, o que “exi­ge de­sar­ma­men­to, des­mo­bi­li­za­ção e a jus­ti­ça de tran­si­ção na Lí­bia”. A Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal pa­ra as Mi­gra­ções con­si­de­ra a Lí­bia “im­por­tan­te pon­to de trân­si­to e des­ti­no” de mi­lha­res de mi­gran­tes que pro­cu­ram em­pre­go no país ou ten­tam che­gar à Eu­ro­pa e po­dem aca­bar iso­la­dos, pre­sos ou al­vos de re­des de con­tra­ban­do que or­ga­ni­zam a vi­a­gem ma­rí­ti­ma pe­ri­go­sa ou en­tão aca­bam por trans­for­má-las em ví­ti­mas de ex­plo­ra­ção e de abu­sos, aler­ta a OIM.

AFP

Con­fli­to ar­ma­do na Lí­bia con­ti­nua a ter im­pac­to di­rec­to so­bre a vi­da de mi­lha­res de ci­vis de acor­do com a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.