Lu­an­da re­ce­be cam­pa­nha de di­vul­ga­ção

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - WAL­TER AN­TÓ­NIO |

A pre­si­den­te do Co­mi­té da Mu­lher Sin­di­ca­li­za­da da UNTA-Con­fe­de­ra­ção Sin­di­cal elo­gi­ou on­tem, em Lu­an­da, o em­pe­nho das sin­di­ca­lis­tas na lu­ta pe­la re­gu­la­men­ta­ção do tra­ba­lho, do­més­ti­co du­ran­te ca­tor­ze anos, que le­vou à apro­va­ção de um de­cre­to que apro­va o re­gi­me ju­rí­di­co e de pro­tec­ção so­ci­al des­sa for­ça de tra­ba­lho.

Ma­ria Fernanda de Car­va­lho, que fa­la­va na aber­tu­ra da cam­pa­nha de di­vul­ga­ção do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº 155/16, de 9 de Agos­to, na pro­vín­cia de Lu­an­da, lem­brou que, a par­tir de Ja­nei­ro do pró­xi­mo ano, os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos pas­sam a ter os mes­mos di­rei­tos que tem qual­quer fun­ci­o­ná­rio em An­go­la.

Ma­ria Fernanda de Car­va­lho dis­se que a re­gu­la­men­ta­ção do tra­ba­lho do­més­ti­co re­pre­sen­ta uma vi­tó­ria, mas tam­bém um de­sa­fio pa­ra a sua im­ple­men­ta­ção.

“O gran­de de­sa­fio ac­tu­al dos sin­di­ca­lis­tas é a im­ple­men­ta­ção do De­cre­to nº 155/16 e dar a co­nhe­cer aos tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos os seus di­rei­tos, por­que se não co­nhe­ce­rem ja­mais vão con­se­guir de­fen­der-se”, acen­tu­ou a sin­di­ca­lis­ta.

A cam­pa­nha de di­vul­ga­ção do De­cre­to Pre­si­den­ci­al ar­ran­cou no dia 9 de Se­tem­bro na pro­vín­cia de Ca­bin­da e, na pró­xi­ma se­ma­na, che­ga às pro­vín­ci­as do Bié e da Huí­la.

Por for­ça do De­cre­to Pre­si­den­ci­al, a par­tir de Ja­nei­ro, os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos pas­sam a ter di­rei­to a fé­ri­as, à re­for­ma, a oi­to ho­ras de tra­ba­lho diá­rio e a sub­sí­di­os de Na­tal e de ma­ter­ni­da­de.

Os pa­trões de­vem di­ri­gir-se ao Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al pa­ra le­van­ta­rem a car­tei­ra do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co.

Ma­ria de Car­va­lho pe­diu à po­pu­la­ção pa­ra de­nun­ci­ar os em­pre­ga­do­res que têm tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos me­no­res de 18 anos e que cui­dam de cri­an­ças. O se­cre­tá­rio-ge­ral da UNTA, Ma­nu­el Vi­a­ge, de­cla­rou que a re­gu­la­men­ta­ção do tra­ba­lho do­més­ti­co é re­sul­tan­te de uma lu­ta pe­la dig­ni­fi­ca­ção dos tra­ba­lha­do­res an­go­la­nos. “A fa­se ac­tu­al é de união de to­dos no sen­ti­do de se le­var ao co­nhe­ci­men­to de to­dos os tra­ba­lha­do­res do­més­ti­cos o De­cre­to”, dis­se.

KINDALA MA­NU­EL

O lí­der da UNTA de­cla­rou que o re­gu­la­men­to do tra­ba­lho do­més­ti­co re­pre­sen­ta uma vi­tó­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.