Po­lí­ti­ca na­ci­o­nal do li­vro é im­por­tan­te

Jornal de Angola - - CULTURA - RO­QUE SIL­VA |

A po­lí­ti­ca na­ci­o­nal do li­vro e da pro­mo­ção da lei­tu­ra em An­go­la re­gu­la um con­jun­to de dis­po­si­ções que per­mi­tem uma mai­or in­te­rac­ção com a so­ci­e­da­de ci­vil em pro­gra­mas que vi­sam co­lo­car, ca­da vez mais, li­vros no mer­ca­do, res­pei­tan­do as di­ver­si­da­des cul­tu­rais e áre­as so­ci­o­cul­tu­rais.

A afir­ma­ção é do se­cre­tá­rio-ge­ral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA), du­ran­te a Maka à Quar­ta-Fei­ra, re­a­li­za­da na Fa­cul­da­de de Le­tras na Uni­ver­si­da­de de Lis­boa.

Ao in­ter­vir no en­con­tro, su­bor­di­na­do ao te­ma “No­vos ca­mi­nhos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na”, pe­ran­te res­pon­sá­veis da re­fe­ri­da ins­ti­tui­ção es­tu­dan­til, re­pre­sen­tan­tes da Ca­sa de An­go­la, es­tu­dan­tes e in­te­lec­tu­ais an­go­la­nos re­si­den­tes em Por­tu­gal, Car­mo Ne­to des­ta­cou a im­por­tân­cia do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº 105/11, de 24 de Maio, re­fe­ren­te à po­lí­ti­ca na­ci­o­nal do li­vro e da pro­mo­ção da lei­tu­ra, por ser um di­plo­ma que de­fen­de a for­ma­ção de pro­mo­to­res de lei­tu­ra, a re­du­ção de ta­xas e so­bre quem de­ve in­ci­dir a im­ple­men­ta­ção do pa­co­te, no qual se des­ta­cam a fa­mí­lia, a es­co­la e as bi­bli­o­te­cas.

O de­cre­to, re­fe­riu, vai per­mi­tir que a lei­tu­ra em An­go­la se­ja mais ba­ra­ta, be­ne­fi­cie um mai­or nú­me­ro de an­go­la­nos e ga­ran­ta uma mai­or cir­cu­la­ção do li­vro e a in­ter­ven­ção das in­dús­tri­as li­vrei­ras, edi­to­res e de to­dos dos pro­fis­si­o­nais que aten­dem à pro­ble­má­ti­ca do li­vro. Se­gun­do o se­cre­tá­rio-ge­ral da UEA, o cres­ci­men­to da fa­mí­lia es­tu­dan­til an­go­la­na é um in­di­ca­ti­vo da po­ten­ci­a­li­da­de de lei­to­res que o mer­ca­do li­vrei­ro po­de­rá abar­car, uma vez que o país tem mais de 10 mi­lhões de es­tu­dan­tes dis­tri­buí­dos pe­las 18 pro­vín­ci­as de An­go­la.

Car­mo Ne­to deu a co­nhe­cer que a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos as­su­me a ne­ces­si­da­de de con­tac­tar e as­si­nar acor­dos com edi­to­ras bra­si­lei­ras e por­tu­gue­sas de re­fe­rên­cia, pa­ra es­ta­be­le­cer uma pon­te de con­tac­to com os au­to­res an­go­la­nos pa­ra uma pos­sí­vel pu­bli­ca­ção das su­as obras iné­di­tas.

De acor­do com Car­mo Ne­to, a li­te­ra­tu­ra de­ve ser su­por­ta­da por es­tru­tu­ras dis­pos­tas a ser­vir o mun­do da ar­te li­te­rá­ria, atra­vés da pro­mo­ção e pro­jec­ção do es­cri­tor, do li­vro e do pro­du­to literário, da cri­a­ção de edi­to­ras e da crí­ti­ca de obras, cul­mi­nan­do com a pro­mo­ção de uma re­de de re­cep­to­res que ga­ran­tem ao es­cri­tor a pos­si­bi­li­da­de de ver co­mo as su­as obras não se con­ver­tem em me­ros ob­jec­tos co­mer­ci­ais.

Ca­sa do Li­vro da CPLP

O crí­ti­co literário Jo­mo For­tu­na­to, um dos mem­bros da de­le­ga­ção an­go­la­na que par­ti­ci­pou na pri­mei­ra “Maka à Quar­ta-fei­ra” no ex­te­ri­or, de­fen­deu a ne­ces­si­da­de da cri­a­ção da Ca­sa do Li­vro da Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP).

Con­vi­da­do pe­la UEA, Jo­mo For­tu­na­to apre­sen­tou a ideia pa­ra que se­ja di­na­mi­za­da em to­dos os paí­ses mem­bros da CPLP, pa­ra que a fu­tu­ra ins­ti­tui­ção con­gre­gue vá­ri­os seg­men­tos das ar­tes e da li­te­ra­tu­ra.

“Além da pro­mo­ção da li­te­ra­tu­ra, a Ca­sa do Li­vro da CPLP de­ve ser ex­ten­si­va pa­ra ou­tras ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais, cu­ja ba­se cri­a­ti­va as­sen­ta num tex­to en­quan­to ele­men­to pri­má­rio de cri­a­ção ar­tís­ti­ca, tais co­mo te­a­tro, mú­si­ca, ci­ne­ma, ar­tes plás­ti­cas e dan­ça”, re­fe­riu o crí­ti­co Jo­mo For­tu­na­to.

Tam­bém par­ti­ci­pa­ram na “Maka”, os es­cri­to­res An­tó­nio Qui­no, Jo­sé Luís Men­don­ça, os pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os Fran­cis­co So­a­res e Ma­nu­el Mu­an­za, bem co­mo a aca­dé­mi­ca por­tu­gue­sa He­le­na Bu­es­co.

A “Maka à Quar­ta-fei­ra”, em Lis­boa, foi co-or­ga­ni­za­da pe­lo Cen­tro de Es­tu­dos Com­pa­ra­tis­tas da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa e pe­la UEA e te­ve apoio da Em­bai­xa­da de An­go­la em Por­tu­gal e pa­tro­cí­nio da Fun­da­ção Sol.

A Maka à Quar­ta-Fei­ra é um acon­te­ci­men­to re­gu­lar de de­ba­te de idei­as, com o ob­jec­ti­vo de es­ti­mu­lar dis­cus­sões que con­tri­bu­am pa­ra o cres­ci­men­to e va­lo­ri­za­ção das ar­tes, em par­ti­cu­lar, e dos bens su­pre­mos da hu­ma­ni­da­de, em ge­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.