Mark Web­ber va­ti­ci­na saí­da de Vet­tel

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Com­pa­nhei­ro de Se­bas­ti­an Vet­tel na Red Bull Ra­cing, en­tre 2009 e 2013, Mark Web­ber acre­di­ta que o ale­mão po­de­rá sair da Ferrari ca­so vol­te a en­fren­tar uma épo­ca di­fí­cil em 2017.

Ao con­trá­rio do que acon­te­ceu no seu ano de es­treia com os ita­li­a­nos, re­gis­tan­do três triun­fos em 2015, to­dos com Vet­tel ao le­me, a Ferrari ain­da não ven­ceu em 2016 e na­da pa­re­ce in­di­car que o con­si­ga, cain­do pa­ra trás da Red Bull na clas­si­fi­ca­ção por equi­pas.

“O es­ta­do de es­pí­ri­to, con­sis­tên­cia e re­vi­ta­li­zar a equi­pa não fun­ci­o­nou”, ex­pli­cou ao “The Sun”, acer­ca do mo­men­to de for­ma dos ita­li­a­nos.

“Mes­mo em ques­tões co­mo a fi­a­bi­li­da­de, a Ferrari con­ti­nua com pro­ble­mas. E a es­tra­té­gia pa­re­ce pou­co fiá­vel em al­guns mo­men­tos. Eles pa­re­cem re­ac­ti­vos em vez de te­rem a ini­ci­a­ti­va, por­tan­to 2017 é um ano mui­to im­por­tan­te pa­ra a Ferrari e pa­ra o Se­bas­ti­an”, adi­an­tou Web­ber, ques­ti­o­nan­do se a equi­pa te­rá “as ar­mas” pa­ra con­se­guir ven­cer o tí­tu­lo.

Em sin­to­nia com o aus­tra­li­a­no es­tá Jac­kie Stewart, afir­man­do que a saí­da de Ja­mes Al­li­son dei­xou a equi­pa de­so­ri­en­ta­da: “Não aju­dou que a equi­pa fi­cas­se se­pa­ra­da do seu di­rec­tor téc­ni­co a meio do ano”, re­fe­riu Stewart à Gaz­ze­ta del­lo Sport.

“A equi­pa es­ta­va ha­bi­tu­a­da a tê­lo co­mo lí­der e pre­ci­sa de tem­po pa­ra re­cu­pe­rar da sua saí­da. O Ja­mes ti­nha con­se­gui­do unir a equi­pa e ga­nhar a con­fi­an­ça das pes­so­as – pa­ra mim, ele era um en­ge­nhei­ro ex­tra­or­di­ná­rio. A Ferrari pa­re­ce de­so­ri­en­ta­da. Eles che­ga­ram a um pon­to em que du­vi­dam quan­to ao mo­ti­vo pa­ra não es­ta­rem a ven­cer cor­ri­das”, acres­cen­tou.

Ape­sar de Vet­tel ter rei­te­ra­do o seu amor pe­la Ferrari, tam­bém já o vi­mos ma­ni­fes­tar o seu de­sa­gra­do por di­ver­sas ve­zes es­ta tem­po­ra­da. Os pon­tos to­ca­dos por Web­ber e Stewart po­dem es­tar na ori­gem des­se de­sâ­ni­mo e efec­ti­va­men­te con­du­zir a uma saí­da do ale­mão no fu­tu­ro, até por­que a si­tu­a­ção da Ferrari mu­dou mui­to nos úl­ti­mos dois anos.

A en­tra­da de Ser­gio Mar­chi­on­ne pa­ra o lu­gar de Lu­ca di Mon­te­ze­mo­lo co­lo­cou uma mai­or pres­são nos re­sul­ta­dos da Ferrari e deu um si­nal ao mun­do e a to­dos os que tra­ba­lham na equi­pa que o seu lí­der po­de ser al­guém que não co­nhe­ce de for­ma pro­fun­da a Fór­mu­la 1, ao con­trá­rio de Mon­te­ze­mo­lo, que era um ho­mem de con­fi­an­ça de En­zo Ferrari, que co­nhe­cia a ca­sa co­mo nin­guém e li­dou di­rec­ta­men­te com pi­lo­tos tão im­por­tan­tes na his­tó­ria do “Ca­val­li­no”, co­mo Ni­ki Lau­da e Mi­cha­el Schu­ma­cher.

Tal­vez Mar­chi­on­ne pen­se que po­de ge­rir des­por­ti­va­men­te a Ferrari co­mo faz com o Gru­po Fi­atChrys­ler. E tal­vez is­so ex­pli­que o ru­mo de­fi­ni­do após a saí­da de Ja­mes Al­li­son, que su­pos­ta­men­te saiu da equi­pa por mo­ti­vos pes­so­ais, fru­to da re­cen­te mor­te da sua es­po­sa e a ne­ces­si­da­de de re­gres­sar a In­gla­ter­ra pa­ra to­mar con­ta dos seus fi­lhos, mas cu­jo SF16-H an­dou, des­de o iní­cio de 2016, lon­ge dos re­sul­ta­dos do ano an­te­ri­or.

E com um di­ri­gen­te im­pla­cá­vel no co­man­do, que ain­da por ci­ma pa­re­ce gos­tar de in­ter­fe­rir na ges­tão diá­ria da equi­pa (Mau­ri­zio Ar­ri­va­be­ne, vin­do da Marl­bo­ro, e tam­bém sem gran­de cri­vo na ges­tão das cor­ri­das, é um peão no or­ga­ni­gra­ma ita­li­a­no), não é di­fí­cil ima­gi­nar Al­li­son a que­rer sair pe­lo seu pró­prio pé, em bus­ca de en­con­trar uma equi­pa (o re­gres­so à Re­nault?) que lhe per­mi­ta ex­pres­sar li­vre­men­te as su­as idei­as. Ou­tra pro­va de que as coi­sas na Ferrari não es­tão bem é a ges­tão des­te pro­ces­so, com Mar­chi­on­ne a ten­tar con­ven­cer Adri­an Newey e a pro­cu­rar o re­gres­so de Ross Brawn.

REU­TERS

Pi­lo­to ale­mão quer mei­os pa­ra com­pe­tir

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.