EMPOSSADO CON­SE­LHO DA CO­MIS­SÃO DE CAPITAIS Mer­ca­do ac­ci­o­nis­ta pre­pa­ra em­pre­sas

Jornal de Angola - - DESPORTO - JOÃO DI­AS

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, de­fen­deu on­tem a con­ti­nui­da­de no tra­ba­lho de pre­pa­ra­ção das em­pre­sas pa­ra o mer­ca­do de ac­ções e dí­vi­da cor­po­ra­ti­va, cu­jo ní­vel de ris­co e ex­po­si­ção é mai­or.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças fez es­tas de­cla­ra­ções na ce­ri­mó­nia de pos­se do no­vo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Co­mis­são de Mer­ca­do de Capitais (CMC), que pas­sa a con­tar ago­ra com Vera Da­ves na pre­si­dên­cia, Má­rio Ed­son Gour­gel, El­mer Ser­rão, Ot­to­ni­el dos Santos e Hél­der Cris­te­lo co­mo ad­mi­nis­tra­do­res exe­cu­ti­vos, e afir­mou que a pré-con­di­ção pa­ra lan­çar o mer­ca­do de ac­ções em An­go­la pas­sa pe­la pre­pa­ra­ção das em­pre­sas.

Pa­ra o efei­to, re­co­men­dou que o no­vo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção con­ti­nue a dar cor­po ao Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Li­te­ra­cia Fi­nan­cei­ra, uma for­ma de su­prir a com­ple­xi­da­de pró­pria do mer­ca­do de capitais, fa­vo­re­cen­do a cri­a­ção de uma cons­ci­ên­cia de in­ves­ti­men­to, e a com­ba­ter a aver­são ao ris­co pa­ra que o po­ten­ci­al in­ves­ti­dor (com afor­ros e pou­pan­ças) se trans­for­me num ver­da­dei­ro in­ves­ti­dor.

Pa­ra is­so, é fun­da­men­tal que o po­ten­ci­al in­ves­ti­dor conheça as op­ções exis­ten­tes pa­ra apli­ca­ção de ac­ções no mer­ca­do de capitais. Ar­cher Man­guei­ra re­co­men­dou ao no­vo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção a pros­se­guir a pro­mo­ção de ou­tros seg­men­tos, com re­al­ce pa­ra os Fun­dos de In­ves­ti­men­to.

“De­se­nhá­mos e o Exe­cu­ti­vo apro­vou o qua­dro que re­gu­la o seu fun­ci­o­na­men­to. Ago­ra é pre­ci­so tra­ba­lhar ne­le e tor­ná-lo um ver­da­dei­ro veí­cu­lo de cap­ta­ção de pou­pan­ça pa­ra fi­nan­ci­ar a eco­no­mia na­ci­o­nal”, dis­se. Quan­to à Bo­di­va, lem­brou ter da­do os seus pas­sos, mas re­co­men­dou um avan­ço pon­de­ra­do e pru­den­te. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, Vera Da­ves pro­me­teu não de­frau­dar a con­fi­an­ça em si de­po­si­ta­da, tor­nan­do o mer­ca­do de capitais um seg­men­to que es­te­ja ao ser­vi­ço do for­ta­le­ci­men­to da eco­no­mia an­go­la­na e de um sis­te­ma fi­nan­cei­ro mais ro­bus­to e mo­der­no.

“Não dei­xa­ria de agra­de­cer o le­ga­do do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or que nos dei­xa uma ins­ti­tui­ção di­nâ­mi­ca e ge­ra­do­ra de va­lor e va­mos tor­nar mais efi­ci­en­tes os me­ca­nis­mos que es­ta­vam a ser usa­dos pa­ra dar mai­or pro­fun­di­da­de ao mer­ca­do se­cun­dá­rio de dí­vi­da pú­bli­ca”, afir­mou.

Vera Da­ves ma­ni­fes­tou a in­ten­ção de con­ti­nu­ar a di­na­mi­zar o mer­ca­do de dí­vi­da cor­po­ra­ti­va e fa­zer ar­ran­car o mer­ca­do ac­ci­o­nis­ta de mo­do a le­var um con­jun­to de ini­ci­a­ti­vas que tor­nam dis­po­ní­vel à eco­no­mia so­lu­ções que per­mi­tam fi­nan­ci­ar a sua di­ver­si­fi­ca­ção.

So­bre o Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Li­te­ra­cia Fi­nan­cei­ra, Vera Da­ves pro­me­teu dar mai­or di­na­mi­za­ção em co­or­de­na­ção com os re­gu­la­do­res e os sec­to­res da Edu­ca­ção e En­si­no Su­pe­ri­or.

No que res­pei­ta ao Fun­do de In­ves­ti­men­to, a no­va pre­si­den­te da CMC dis­se que tal de­ve ser en­ca­ra­do co­mo aque­le que mais de­mo­cra­ti­za o aces­so ao mer­ca­do de capitais, na me­di­da em que são ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros cu­jo cus­to de aqui­si­ção é re­la­ti­va­men­te bai­xo e per­mi­te que pes­so­as com pe­que­nas pou­pan­ças te­nham aces­so.

Du­ran­te es­se tem­po, dis­se, tra­ba­lhou-se no qua­dro re­gu­la­tó­rio do Fun­do de In­ves­ti­men­to e, do­ra­van­te, o que vai ser fei­to é in­cen­ti­var o seu sur­gi­men­to. “O que va­mos fa­zer é mos­trar o ca­mi­nho e iden­ti­fi­car as di­fi­cul­da­des que im­pe­dem que os ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros sur­jam”, su­bli­nhou.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Co­mis­são de Mer­ca­do de Capitais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.