Gra­ni­tos e már­mo­res nas re­cei­tas do OGE

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

Me­lhor res­pos­ta não po­dia ha­ver ao de­sa­fio da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca que as per­for­man­ces do sec­tor mi­nei­ro nos úl­ti­mos anos, em par­ti­cu­lar no sub­sec­tor das ro­chas or­na­men­tais. O Mi­nis­té­rio da Ge­o­lo­gia e Mi­nas pre­vê que até De­zem­bro as ex­por­ta­ções atin­jam 35 mil me­tros cú­bi­cos e com a en­tra­da de no­vos ope­ra­do­res no qua­dro dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos ul­tra­pas­sem os 38 mil em 2017, com re­cei­tas bru­tas de ex­por­ta­ção a ron­da­rem os oi­to mi­lhões de dó­la­res.

Se­gun­do o ti­tu­lar da pas­ta, os nú­me­ros são de lon­ge su­pe­ri­o­res aos de 2014 e 2015, al­tu­ra em que a eco­no­mia an­go­la­na mais se res­sen­tiu da que­da acen­tu­a­da da co­ta­ção do pe­tró­leo bru­to no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. O au­men­to da pro­du­ção e das ex­por­ta­ções an­go­la­nas de ro­chas or­na­men­tais, co­mo gra­ni­to e már­mo­re, é o re­sul­ta­do de um con­jun­to de me­di­das que co­me­ça­ram a ser adop­ta­das mes­mo an­tes da fa­se mais crí­ti­ca.

A apro­va­ção do Có­di­go Mi­nei­ro em 2011 foi um pri­mei­ro foi um pri­mei­ro pas­so pa­ra a re­es­tru­tu­ra­ção do sec­tor mi­nei­ro. Des­de en­tão fo­ram re­gis­ta­dos al­guns pro­gres­sos, mas foi no pe­río­do mais crí­ti­co, de mai­or es­cas­sez de re­cur­sos pro­ve­ni­en­tes do pe­tró­leo, que o pro­ces­so te­rá evo­luí­do de for­ma mais subs­tan­ci­al.

Ana­lis­tas con­ver­gem na ideia se­gun­do a qual o pe­tró­leo, a da­da al­tu­ra trans­for­ma­do em mo­tor do cres­ci­men­to da eco­no­mia an­go­la­na, te­rá ti­do um efei­to ne­ga­ti­vo na efec­ti­va­ção de pro­jec­tos que vi­sa­vam pre­ci­sa­men­te di­ver­si­fi­car a pro­du­ção in­ter­na e pro­mo­ver uma dis­tri­bui­ção mais equi­li­bra­da das fon­tes de re­cei­tas do Es­ta­do.

“O bo­om no pre­ço do pe­tró­leo foi ou­ro so­bre azul pa­ra um país co­mo An­go­la que ti­nha aca­ba­do de sair de uma gu­er­ra que dei­xou a eco­no­mia de ras­tos, mas te­mos que re­co­nhe­cer que is­so te­ve um efei­to vi­ci­an­te”, con­si­de­ra o pro­fes­sor de Eco­no­mia Pe­dro Pe­ter­son, pa­ra quem o avan­ço da in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra aca­bou por fa­zer com que “ou­tros sec­to­res avan­ças­sem nu­ma ve­lo­ci­da­de in­fe­ri­or ou sim­ples­men­te não avan­ças­sem”.

Em fi­nais de 2014 e iní­cio de 2015 o Exe­cu­ti­vo de­ci­diu avan­çar com um con­jun­to de me­di­das pa­ra de­be­lar os efei­tos da cri­se e ao mes­mo tem­po im­pul­si­o­nar o au­men­to da pro­du­ção, pa­ra res­pon­der às ne­ces­si­da­des in­ter­nas de con­su­mo, e das ex­por­ta­ções, pa­ra ob­ten­ção de di­vi­sas.

Uma des­sas me­di­das foi pre­ci­sa­men­te iden­ti­fi­car sec­to­res que pu­des­sem res­pon­der a cur­to e mé­dio pra­zo à ne­ces­si­da­de de se aca­bar com a “pe­tro­de­pen­dên­cia”.

Ro­chas or­na­men­tais

An­tes mes­mo que a cri­se do pre­ço do pe­tró­leo co­me­ças­se a dar os pri­mei­ros si­nais, com em­pre­sas a te­rem que fe­char por­tas ou a des­pe­dir pes­so­al, já o sub-sec­tor das ro­chas or­na­men­tais era vis­to co­mo in­con­tor­ná­vel pa­ra o equi­lí­brio da eco­no­mia em ter­mos de va­ri­e­da­de de fon­tes de re­cei­tas or­ça­men­tais.

A cri­se fi­nan­cei­ra foi na ver­da­de o es­to­pim pa­ra que al­gu­mas me­di­das que até já es­ta­vam pro­gra­ma­das pas­sas­sem à exe­cu­ção. Des­de lo­go o pro­ces­so de re­a­va­li­a­ção das cha­ma­das li­cen­ças oci­o­sas, que há mui­to fo­ram iden­ti­fi­ca­das co­mo um pro­ble­ma re­al do sec­tor mi­nei­ro.

Mui­tas li­cen­ças que fo­ram emi­ti­das ao lon­go dos anos, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te vol­ta­das pa­ra as ro­chas or­na­men­tais e pa­ra os di­a­man­tes, não es­tão a ser usa­das pe­los seus ti­tu­la­res, pe­lo que se im­pu­nha uma me­di­da pa­ra re­sol­ver es­se pro­ble­ma.

Sur­ge as­sim o De­cre­to das Li­cen­ças Oci­o­sas pa­ra de­fi­nir re­gras de co­mo re­ti­rar es­sas li­cen­ças das pes­so­as que não es­tão a usá-las e po­der dis­tri­buí-las a ou­tras que de fac­to te­nham con­di­ções pa­ra o fa­zer.

Se­gun­do o mi­nis­tro Fran­cis­co Qu­ei­roz, es­ta é ape­nas uma ver­ten­te da abor­da­gem que po­de­mos fa­zer à vol­ta do ob­jec­ti­vo des­se di­plo­ma le­gal. O De­cre­to das Li­cen­ças Oci­o­sas vem cri­ar con­di­ções pa­ra pre­ve­nir even­tu­ais con­fli­tos na me­di­da em que fo­rem fei­tas as des­co­ber­tas e o ma­pe­a­men­to de to­do o ter­ri­tó­rio em fun­ção das mes­mas, no âm­bi­to do Pla­no Na­ci­o­nal de Ge­o­lo­gia (Pla­na­geo). “Com as des­co­ber­tas do Pla­na­geo, o que po­de acon­te­cer é as pes­so­as vi­rem di­zer que a área lhe per­ten­ce. O país es­tá um pou­co nas mãos da­que­les que têm li­cen­ças, mas que não as uti­li­zam”, ob­ser­va o mi­nis­tro.

Di­an­te de uma si­tu­a­ção que con­si­de­ra com­pli­ca­da, Fran­cis­co Qu­ei­roz apon­ta pa­ra a uma so­lu­ção sim­ples: “Va­mos apli­car o Có­di­go Mi­nei­ro que diz que ao fim de um de­ter­mi­na­do pra­zo não uti­li­zar a li­cen­ça, ela ca­du­ca. É o que es­ta­mos a fa­zer. Es­ta­mos a ca­du­car as li­cen­ças. Pa­ra cri­ar con­di­ções pa­ra um am­bi­en­te ade­qua­do ao in­ves­ti­men­to nas ro­chas or­na­men­tais e ou­tros mi­ne­rais, ade­qua­do a uma po­lí­ti­ca de ex­plo­ra­ção ra­ci­o­nal e sus­ten­tá­vel dos re­cur­sos mi­ne­rais”.

Mer­ca­do in­ter­no

A cri­se do pre­ço do pe­tró­leo bru­to afec­tou gra­ve­men­te a in­dús­tria mi­nei­ra. Mui­tas em­pre­sas fo­ram obri-

ga­das a des­pe­dir pes­so­al, ou­tras ti­ve­ram mes­mo que pa­ra­li­sar por fal­ta de con­di­ções pa­ra mo­bi­li­zar os cam­bi­ais ne­ces­sá­ri­os pa­ra a ma­nu­ten­ção do equi­pa­men­to que é ca­rís­si­mo ou pa­gar a mão-de-obra ex­pa­tri­a­da.

Mas es­sa si­tu­a­ção tam­bém te­ve o seu la­do po­si­ti­vo. Foi apro­va­do um de­cre­to que, no fun­do, veio cri­ar con­di­ções de mer­ca­do pa­ra os ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos pri­va­dos do sub­sec­tor das ro­chas or­na­men­tais.

“Os em­pre­sá­ri­os quei­xa­vam-se da fal­ta de um mer­ca­do. Ex­traíam e trans­for­ma­vam, mas de­pois não ti­nham mer­ca­do. Nas vá­ri­as vi­si­tas de cam­po que efec­tuá­mos pu­de­mos cons­ta­tar que as quei­xas eram as mes­mas, na Huí­la, Ben­gue­la e Na­mi­be”, as­si­na­la o mi­nis­tro.

O Exe­cu­ti­vo apro­vou en­tão um di­plo­ma le­gal que tor­na obri­ga­tó­rio que as obras que te­nham re­cur­sos pú­bli­cos usem ro­chas or­na­men­tais de pro­du­ção na­ci­o­nal, as­sim co­mo ou­tros mi­ne­rais pa­ra a cons­tru­ção ci­vil. A me­di­da te­ve gran­de im­pac­to no mer­ca­do in­ter­no. “O que se es­ta­va a ve­ri­fi­car é que mui­tas obras pú­bli­cas, co­mo edi­fí­ci­os e ou­tras in­fra­es­tru­tu­ras, re­cor­ri­am ao mer­ca­do ex­ter­no pa­ra com­prar ro­chas or­na­men­tais trans­for­ma­das, na for­ma de la­dri­lhos, e ou­tros pro­du­tos aca­ba­dos pa­ra se­rem apli­ca­dos nes­sas obras. O di­plo­ma veio pre­ci­sa­men­te aca­bar com es­sa si­tu­a­ção, dan­do pri­ma­zia à pro­du­ção na­ci­o­nal e pro­por­ci­o­nan­do o sur­gi­men­to de um mer­ca­do in­ter­no.”

Pro­gra­mas di­ri­gi­dos

As ro­chas or­na­men­tais fo­ram in­cluí­das na es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo pa­ra a saí­da da cri­se. Co­mo nos sec­to­res da Agri­cul­tu­ra, Pes­cas e In­dús­tria, no sec­tor mi­nei­ro fo­ram de­fi­ni­dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos pa­ra as ro­chas or­na­men­tais, pa­ra o fer­ro e di­a­man­tes.

Nas ro­chas or­na­men­tais fo­ram se­lec­ci­o­na­dos pro­jec­tos que es­tão a fun­ci­o­nar de mo­do a po­ten­ci­a­rem a sua pro­du­ção e au­men­ta­rem as ex­por­ta­ções. “É cla­ro que pa­ra tal al­gu­mas pre­ci­sa­ram de re­cor­rer ao Es­ta­do pa­ra aqui­si­ção de cam­bi­ais pa­ra im­por­ta­ção de tec­no­lo­gia, pa­gar ex­pa­tri­a­dos, e ou­tras ne­ces­si­da­des em di­vi­sas”.

Es­sa in­ter­ven­ção fei­ta no qua­dro da es­tra­té­gia do Exe­cu­ti­vo pa­ra a saí­da da cri­se e o fim da “pe­tro­de­pen­dên­cia” foi uma “lu­fa­da de ar fres­co” no sec­tor das ro­chas or­na­men­tais, que viu sur­gi­rem os re­sul­ta­dos qua­se de ime­di­a­to.

Se­gun­do o mi­nis­tro, fo­ram se­le­ci­o­na­das 14 em­pre­sas pa­ra os pro­gra­mas di­ri­gi­dos e até De­zem­bro en­tram mais no­ve em­pre­sas. “No fi­nal des­te ano che­ga­re­mos às 23 em­pre­sas pa­ra ter­mos mai­or vo­lu­me de pro­du­ção e de ex­por­ta­ção. As nos­sas pre­vi­sões apon­tam pa­ra que até fi­nal do ano as ex­por­ta­ções atin­jam os 35 mil me­tros cú­bi­cos de ro­chas or­na­men­tais, en­tre gra­ni­to e már­mo­re e ou­tras, e no pró­xi­mo ano va­mos su­bir pa­ra 38 mil me­tros cú­bi­cos.”

Re­cei­tas or­ça­men­tais

O sec­tor es­pe­ra a cur­to pra­zo um au­men­to con­si­de­rá­vel na pro­du­ção e uma mai­or ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta à pro­cu­ra in­ter­na, prin­ci­pal­men­te pa­ra o sec­tor da cons­tru­ção, e um for­te im­pac­to na re­co­lha de cam­bi­ais pe­lo Es­ta­do e de re­cei­tas pa­ra o OGE, com as ex­por­ta­ções.

Se­gun­do um re­la­tó­rio do Mi­nis­té­rio da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, em 2015, a ex­por­ta­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção das ro­chas or­na­men­tais ge­ra­ram ao Es­ta­do uma re­cei­ta fis­cal su­pe­ri­or a 7,56 mil mi­lhões e 143,6 mi­lhões de dó­la­res em im­pos­tos e royal­ti­es. Nes­se pe­río­do, a pro­du­ção glo­bal no sub­sec­tor de ro­chas or­na­men­tais foi de 42.658 me­tros cú­bi­cos, e a sua ex­por­ta­ção atin­giu um to­tal de 39.354,75 me­tros cú­bi­cos, cu­jo va­lor de co­mer­ci­a­li­za­ção foi de 7.222.126,8 dó­la­res ao pre­ço mé­dio de 183,51 dó­la­res por me­tro cú­bi­co.

As prin­ci­pais ope­ra­do­ras des­te mer­ca­do são as em­pre­sas Oma­ta­pa­lo, com 240,20 me­tros cú­bi­cos, a Ga­li­an­gol (211,44 m³), Ro­dang (215,40 m³), Me­ta­ro­cha (93,05m³), DFG Áfri­ca (220 m³) e a An­gos­to­ne (350 m³).

ARI­MA­TEIA BAP­TIS­TA

Ro­chas or­na­men­tais ex­por­ta­das pa­ra vá­ri­os paí­ses da Eu­ro­pa e da Ásia já ge­ram re­cei­tas em di­vi­sas pa­ra ala­van­car o de­sen­vol­vi­men­to da in­dús­tria mi­nei­ra

ARI­MA­TEIA BAP­TIS­TA

Sec­tor das ro­chas or­na­men­tais em fran­ca evo­lu­ção com uma sé­rie de me­di­das po­lí­ti­cas e es­tru­tu­rais adop­ta­das pe­lo Exe­cu­ti­vo an­go­la­no

ARI­MA­TEIA BAP­TIS­TA

Gra­ni­to ne­gro an­go­la­no tem for­te pro­cu­ra no mer­ca­do in­ter­no e ex­ter­no

PAU­LO MULAZA

Már­mo­re e ou­tras ro­chas or­na­men­tais têm qua­li­da­de com­pro­va­da a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal

AFON­SO COS­TA

Cons­tru­to­ras obri­ga­das por lei a re­cor­re­rem à pro­du­ção in­ter­na de ro­chas or­na­men­tais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.