Li­te­ra­tu­ra an­go­la­na dis­cu­ti­da em Lis­boa

Fun­da­ção Sol apoia de­ba­te li­te­rá­rio pro­mo­vi­do pe­la União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos

Jornal de Angola - - PARTADA - JOMO FOR­TU­NA­TO |

O te­ma “No­vos ca­mi­nhos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na” foi mo­ti­vo de de­ba­te no pas­sa­do dia 28 de Se­tem­bro, no âm­bi­to da tra­di­ci­o­nal “Ma­ka à quar­ta-fei­ra” da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, em ses­são re­a­li­za­da na sa­la D. Pe­dro V da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, em ses­são que jun­tou aca­dé­mi­cos dos dois paí­ses.

O te­ma “No­vos ca­mi­nhos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na” foi mo­ti­vo de de­ba­te no pas­sa­do dia 28 de Se­tem­bro, no âm­bi­to da tra­di­ci­o­nal “Ma­ka à quar­ta-fei­ra” da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, em ses­são re­a­li­za­da na sa­la D. Pe­dro V da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, em ses­são que jun­tou aca­dé­mi­cos an­go­la­nos e por­tu­gue­ses.

Na ses­são de aber­tu­ra do de­ba­te, Car­mo Ne­to, Se­cre­tá­rio-ge­ral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, fez lem­brar aos pre­sen­tes o se­guin­te: “A Ma­ka à quar­ta-fei­ra” é um acon­te­ci­men­to re­gu­lar de de­ba­te que tem co­mo ob­jec­ti­vo es­ti­mu­lar a dis­cus­são de idei­as que con­tri­bu­am pa­ra o cres­ci­men­to e va­lo­ri­za­ção das ar­tes, em par­ti­cu­lar, e dos bens su­pre­mos da hu­ma­ni­da­de, em ge­ral.Nes­te sen­ti­do, que­re­mos pro­gre­dir edi­tan­do obras que per­pe­tu­em o pa­pel da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos na so­ci­e­da­de an­go­la­na, edi­tar uma com­pi­la­ção de tex­tos so­bre a His­tó­ria da Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na, hon­ran­do, des­te mo­do, a me­mó­ria dos seus fun­da­do­res, ma­te­ri­a­li­zan­do os so­nhos dos in­te­lec­tu­ais oi­to­cen­tis­tas e da pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XX da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na.Pa­ra que tal acon­te­ça se­rá ne­ces­sá­rio me­lho­rar­mos o acer­vo bi­bli­o­grá­fi­co da bi­bli­o­te­ca da nos­sa ins­ti­tui­ção, com a aqui­si­ção de no­vos tí­tu­los re­la­ci­o­na­dos com os es­tu­dos da lín­gua por­tu­gue­sa e da es­cri­ta cri­a­ti­va, ne­go­ci­ar­mos com en­ti­da­des, par­cei­ras na­ci­o­nais ou es­tran­gei­ras , vi­san­do o pa­tro­cí­nio de Bol­sas de Cri­a­ção pa­ra es­cri­to­res ou po­ten­ci­ais no­vos au­to­res e con­ti­nu­ar­mos a or­ga­ni­zar ac­ções de for­ma­ção de cur­ta du­ra­ção no do­mí­nio da lín­gua por­tu­gue­sa”.

O ci­clo de de­ba­tes ge­ne­ri­ca­men­te de­sig­na­dos “Ma­ka à quar­ta-fei­ra”, foi cri­a­do de­pois do cé­le­bre dis­cur­so pro­nun­ci­a­do pe­lo Pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, por oca­sião da to­ma­da de pos­se dos cor­pos ge­ren­tes da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos­no dia 8 de Ja­nei­ro de 1979. Cen­tra­do no de­ba­te à vol­ta de ques­tões li­ga­das à cri­a­ção e à his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, o seus te­mas evo­lui­ram, sob ges­tão de Car­mo Nde­to, pa­ra ques­tões de in­te­res­se so­ci­a­le eco­nó­mi­co. O de­ba­te do pas­sa­do dia 28 de Se­tem­bro, que jun­tou aca­dé­mi­cos por­tu­gue­ses e an­go­la­nos­na sa­la D. Pe­dro V da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, foi o pri­mei­ro re­a­li­za­do fo­ra de An­go­la.

Ora­do­res

Helena Bu­es­cu, pro­fes­so­ra ca­te­drá­ti­ca de Li­te­ra­tu­ra Com­pa­ra­da da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, tem os seus prin­ci­pais in­te­res­ses de in­ves­ti­ga­ção vol­ta­dos pa­ra os sé­cu­los XIX e XX, bem co­mo em ques­tões teó­ri­cas da li­te­ra­tu­ra com­pa­ra­da e da li­te­ra­tu­ra-mun­do. Co­la­bo­ra re­gu­lar­men­te com Uni­ver­si­da­des es­tran­gei­ras co­mo pro­fes­so­ra vi­si­tan­te e in­ves­ti­ga­do­ra, e de­fen­deu na “Ma­ka à quar­ta-fei­ra”, a cri­a­ção de um Pla­no alar­ga­do de tra­du­ção e uma mai­or cir­cu­la­ção da li­te­ra­tu­ra en­tre os paí­ses da CPLP.

An­tó­nio Qui­no, li­cen­ci­a­do em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Mes­tre em En­si­no de Li­te­ra­tu­ras em Lín­gua Por­tu­gue­sa, jor­na­lis­ta des­de 1990, e co-fun­da­dor do Jor­nal Fa­rol, da Bri­ga­da Jo­vem de Li­te­ra­tu­ra do Na­mi­be, re­su­miu nos se­guin­tes ter­mos a sua in­ter­ven­ção: “Cen­trei a mi­nha in­ter­ven­ção na va­lo­ri­za­ção, em pri­mei­ra ins­tân­cia, do lei­tor an­go­la­no di­an­te do au­tor “an­co­ra­do” em An­go­la, pro­du­zin­do a par­tir de An­go­la os seus tex­tos, pro­cu­ran­do “des­cons­truir” a ideia da uni­vo­ci­da­de dos au­to­res an­go­la­nos, na sua re­la­ção com o mer­ca­do por­tu­guês, que pri­vi­le­gia os au­to­res an­go­la­nos “re­si­den­tes” na diás­po­ra.Por ou­tro la­do, pro­cu­rei apre­sen­tar exem­plos de co­mo a te­ma­ti­za­ção da his­tó­ria da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na sem­pre pro­cu­rou en­qua­drar-se no seu pró­prio con­tex­to, con­tri­buin­do as­sim, a seu mo­do, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de e pa­ra o cres­ci­men­to e va­lo­ri­za­ção do su­jei­to “an­go­len­se”. Con­cluí que qua­se to­dos os es­cri­to­res da con­tem­po­ra­nei­da­de, van­guar­dis­tas ou con­ser­va­do­res de um re­a­lis­mo mui­to com­pro­me­ti­do com as ques­tões exis­ten­ci­ais e so­ci­ais das es­pe­ran­ças e de­se­pe­ran­ças do pe­río­do pós-in­de­pen­dên­cia, as­su­mem a ten­dên­cia de re­vo­lu­ção mais no cam­po te­má­ti­co e à vi­da da so­ci­e­da­de ru­ral e su­bur­ba­na, na ino­va­ção do mo­de­lo de vi­da ur­ba­na, sen­do que o in­ver­so tam­bém é ver­da­dei­ro”.

Por sua vez Jo­sé Luís Men­don­ça, po­e­ta, jor­na­lis­ta, mem­bro da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, pro­fes­sor de lín­gua por­tu­gue­sa na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho e Di­rec­tor do Jor­nal Cul­tu­ra das Edi­ções No­vem­bro, apre­sen­tou o te­ma, “O li­vro co­mo ca­nal di­a­ló­gi­co­en­tre as ge­ra­ções de es­cri­to­res , o ca­so de Ma­nu­el Rui e Ond­ja­ki”, ten­do fei­to do se­guin­te mo­do a sín­te­se da sua co­mu­ni­ca­ção: “Nos di­as de ho­je, o nar­ra­dor an­go­la­no fa­la a par­tir da lín­gua vei­cu­lar, mas re­pro­du­zin­do, de uma ma­nei­ra ou de ou­tra, o dis­cur­so oral das ru­as e ru­ra­li­da­des. Ma­nu­el Rui e Ond­ja­ki man­têm-se fiéis ao le­ma dos No­vos In­te­lec­tu­ais de An­go­la, de pas­sar pa­ra o pa­pel o rit­mo-emo­ção do ho­mem afri­ca­no. O mé­ri­to des­ta no­va al­ma da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na es­tá na ino­va­ção for­mal e, so­bre­tu­do, na pers­pec­ti­va ou no pon­to de vis­ta po­pu­lar dos per­so­na­gens hu­mil­des e mar­gi­nais que são, afi­nal, os que fa­zem a An­go­la de ho­je, o que lhe va­leu o pré­mio Jo­sé Sa­ra­ma­gao.No ac­tu­al con­tex­to his­tó­ri­co-cul­tu­ral e so­ci­al da Na­ção An­go­la­na, a li­te­ra­tu­ra apre­sen­ta-se ao mun­do co­mo uma es­pé­cie de em­bai­xa­do­ra da an­go­la­ni­da­de, ela vai mos­trar aos lei­to­res do mun­do, atra­vés da lín­gua por­tu­gue­sa, a his­tó­ria de An­go­la e dos an­go­la­nos.Ao con­trá­rio dos es­cri­to­res na diás­po­ra, o di­le­ma dos es­cri­to­res an­co­ra­dos na pá­tria são: a es­cas­sez de tem­po pa­ra es­cre­ver e o pro­ble­ma da edi­ção em Por­tu­gal ou no Bra­sil, pa­ra se­rem co­nhe­ci­dos do Mun­do”.

His­tó­ri­co

No âm­bi­to da co­o­pe­ra­ção en­tre a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos e a Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa foi lan­ça­da no dia 15 de Ju­nho de 2015, a dé­ci­ma no­na edi­ção da “Re­vis­ta tex­tos e pre­tex­tos”, nú­me­ro es­pe­ci­al in­tei­ra­men­te de­di­ca­do a An­go­la, no Jar­dim D. Pe­dro V da mes­ma Fa­cul­da­de , num ac­to que reu­niu es­cri­to­res an­go­la­nos e aca­dé­mi­cos por­tu­gue­ses. “An­go­la, po­e­sia e pro­sa” foi o te­ma ge­ral da publicação, or­ga­ni­za­da pe­lo Cen­tro de Es­tu­dos Com­pa­ra­tis­tas da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, com o apoio in­te­gral da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos. Do con­teú­do da re­vis­ta, o des­ta­que foi pa­ra a res­pos­ta a três ques­tões co­lo­ca­das a vin­te e seis es­cri­to­res an­go­la­nos de ge­ra­ções di­ver­sas, re­la­ti­va­men­te à iden­ti­da­de na li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, a for­ma co­mo os es­cri­to­res usam a his­tó­ria pa­ra pen­sar e es­cre­ver a li­te­ra­tu­ra do pre­sen­te, e, quais os tra­ços iden­ti­fi­ca­do­res de uma li­te­ra­tu­ra no fe­mi­ni­no. A re­vis­ta “Tex­tos e pre­tex­tos” sur­giu no âm­bi­to das co­me­mo­ra­ções dos qua­ren­ta anos da In­de­pen­dên­cia de An­go­la, e, con­co­mi­tan­te­men­te, da pro­cla­ma­ção da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos. A re­fe­ri­da re­vis­ta re­ves­tiu-se de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra o meio uni­ver­si­tá­rio por­tu­guês, e pro­pi­ci­ou ain­da mais a pro­xi­ma­ção com a li­te­ra­tu­ra an­go­la­na. A edi­ção in­clui re­fle­xões en­saís­ti­cas e tes­te­mu­nhos iné­di­tos de cer­ca de vin­te e cin­co es­cri­to­res so­bre a iden­ti­da­de da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, abrin­do-se no­vos ca­mi­nhos à in­ves­ti­ga­ção da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, das úl­ti­mas qua­tro dé­ca­das.

De­poi­men­to

Va­nes­sa Ri­am­bau Pi­nhei­ro, pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Pa­raí­ba, Bra­sil, e pós-ori­en­tan­da na Fa­cul­da­de de Le­tras de Lis­boa, es­te­ve pre­sen­te na “Ma­ka à quar­ta­fei­ra”, e fez o se­guin­te de­poi­men­to: Pa­ra mim, que sou pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Pa­raí­ba no Bra­sil e pós-dou­to­ran­da em Es­tu­dos Afri­ca­nos na FLUL, foi es­pe­ci­al­men­te en­ri­que­ce­dor o diá­lo­go. Cha­mou-me aten­ção es­pe­ci­al­men­te a fa­la de Jo­sé Luís Men­don­ça, ra­ti­fi­ca­da pe­lo se­cre­tá­rio Car­mo Ne­to, so­bre a in­fluên­cia do mer­ca­do edi­to­ri­al por­tu­guês e bra­si­lei­ro, no­me­a­da­men­te Lis­boa e São Pau­lo, na di­fu­são dos au­to­res an­go­la­nos , não só na Eu­ro­pa e Bra­sil, co­mo tam­bém em An­go­la. Pa­re­ceu­me, guar­da­das as de­vi­das pro­por­ções, uma rou­pa­gem no­va, ain­da que “dé­mo­dé, da ve­lha men­ta­li­da­de co­lo­ni­al, que con­si­de­ra le­gí­ti­mo que ou­tra na­ção, que não a pró­pria afri­ca­na de cu­jos au­to­res são oriun­dos, es­ta­be­le­ça seus câ­no­nes li­te­rá­ri­os. Es­te pen­sa­men­to vem ao en­con­tro do que te­nho pes­qui­sa­do so­bre a for­ma­ção do câ­no­ne pós-des­co­lo­ni­za­ção. Acre­di­to ser ne­ces­sá­ria uma in­ves­ti­ga­ção mais am­pla des­te es­pec­tro, pa­ra que os es­tu­dos afri­ca­nos pos­sam ter mai­or va­li­da­de e le­gi­ti­ma­ção jun­to aos res­pec­ti­vos paí­ses aos quais se re­fe­rem”.

Cen­tro

Con­for­me po­de­mos ler no seu ca­tá­lo­go de apre­sen­ta­ção, o Cen­tro de Es­tu­dos Com­pa­ra­tis­tas da Fa­cul­da­de de le­tras da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, que ce­le­brou um acor­do de co­o­pe­ra­ção com a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, foi fun­da­do em 1998, e de­di­ca-se à aná­li­se com­pa­ra­da das li­te­ra­tu­ras, ar­tes e cul­tu­ras, re­cor­ren­do a abor­da­gens mul­ti­dis­ci­pli­na­res e in­ter­cul­tu­rais. As su­as li­nhas de in­ves­ti­ga­ção con­tem­plam a li­te­ra­tu­ra com­pa­ra­da, a li­te­ra­tu­ra-mun­do, os es­tu­dos pós-co­lo­ni­ais, in­ter­me­di­ais, de tra­du­ção, de me­mó­ria, en­tre ou­tros, não des­cu­ran­do as abor­da­gens fi­lo­ló­gi­cas. Ques­tões de in­ter­cul­tu­ra­li­da­de, de tra­du­ção tex­tu­al e cul­tu­ral são ten­dên­ci­as trans­ver­sais em mui­tos dos seus pro­jec­tos. A ên­fa­se em ques­tões es­pa­ci­ais na sua ar­ti­cu­la­ção com te­mas de me­mó­ria e his­tó­ria, e os pro­ces­sos nar­ra­ti­vos e in­ter­pre­ta­ti­vos a elas as­so­ci­a­dos, são ou­tro tra­ço dis­tin­ti­vo do Cen­tro, a que se unem di­fe­ren­tes pro­jec­tos, não obs­tan­te a va­ri­e­da­de de abor­da­gens e me­to­do­lo­gi­as por eles adop­ta­dos.

DR

Se­cre­tá­rio-ge­ral Car­mo Ne­to (à es­quer­da) fa­lou dos de­sa­fi­os da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos no pri­mei­ro de­ba­te re­a­li­za­do no ex­te­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.