Por­que se se­pa­ram os ca­sais?

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

Há di­as, fiz uma vi­si­ta a um ex­co­le­ga, mais-ve­lho apo­sen­ta­do, ali pa­ra as ban­das de Ki­fan­gon­do. En­quan­to jo­gá­va­mos às da­mas, e eu já ia na ter­cei­ra der­ro­ta, pois que o meu kam­ba é mes­tre nes­te jo­go e até sa­be dis­por as tro­pas em for­ma­ção tri­an­gu­lar, cur­vi­lí­nea co­mo a baía de Lu­an­da ou co­mo me­lhor lhe dá na ga­na, ía­mos pon­do a con­ver­sa em dia. Os fi­lhos, os ne­tos, as ma­lam­bas do dia-a-dia, a ine­vi­tá­vel cri­se, o es­ta­do do tem­po e as chu­vas que já or­va­lham a ter­ra. A es­po­sa do meu kam­ba en­trou com uma gar­ra­fa de su­mo de mú­cua bem ge­la­do.

O su­mo fez di­mi­nuir a ve­lo­ci­da­de do jo­go das da­mas. Aí a mi­nha der­ro­ta e o in­for­tú­nio de per­der me do­e­ram mais len­ta­men­te. Mas per­der com um kam­ba co­mo ir­mão, até dá cá um go­zo fan­tás­ti­co! Gos­to de ver os meus ami­gos fe­li­zes.

A mu­lher do meu par­cei­ro de da­mas sen­tou-se ali per­to nu­ma ca­dei­ra e dis­se:

“Es­tá aí fo­ra o ma­ri­do da vi­zi­nha. Me cum­pri­men­tou e dis­se que vai vir ver a mu­lher pou­cas ve­zes. Se se­pa­ra­ram.”

“Se se­pa­ra­ram porquê?”, per­gun­tou o mais-ve­lho.

“Ele dis­se que ela en­gra­vi­dou. E ele já não que­ria mais fi­lhos...”

Con­cor­do ple­na­men­te que o nas­ci­men­to de um fi­lho, pe­la res­pon­sa­bi­li­da­de pes­so­al e so­ci­al que acar­re­ta, de­ve ser ne­ces­sa­ri­a­men­te uma de­ci­são con­jun­ta. Nin­guém tem o di­rei­to de acen­der a cha­ma de uma no­va vi­da hu­ma­na, por von­ta­de pró­pria. Até por­que a mis­são de ge­rá-lo é um do­ce exer­cí­cio a dois. Mas não par­ti­lho da de­ci­são de al­guém se se­pa­rar do ou­tro côn­ju­ge, em ra­zão de uma gra­vi­dez in­de­se­ja­da. “Eu acho que o ma­ri­do da vi­zi­nha já não gos­ta de­la”, sen­ten­ci­ou o meu par­cei­ro de da­mas.

Cor­ro­bo­rei da opi­nião. Só se o ma­ri­do da vi­zi­nha do meu kam­ba já não gos­ta da mu­lher é que vai se se­pa­rar de­la. A gra­vi­dez é ape­nas um sub­ter­fú­gio, um apro­vei­tar da si­tu­a­ção pa­ra ba­zar do lar. Quei­ra Deus que ele não fal­te com o ar­roz e o óleo lá em ca­sa, au­gu­rei pa­ra co­mi­go mes­mo.

“O vi­zi­nho de­ve ter ar­ran­ja­do ou­tra...”, al­vi­trou a mi­nha an­fi­triã.

“É co­mo o Brad Pitt”, ajun­tei eu, “pa­re­ce que bra­vou com um dos fi­lhos, em ple­no voo, e a An­ge­li­na foi-se aos ara­mes.”

“Já vi­mos a ma­ka de­les na te­le­vi­são”, dis­se o meu kam­ba, “qu­an­do se é fa­mo­so, até a fa­ma do adul­té­rio te per­se­gue.”

Pois, dis­se eu sem fa­lar, da vi­zi­nha do meu ex-co­le­ga, coi­ta­da!, a im­pren­sa não faz no­tí­cia. E bem que ela pre­ci­sa­va de sair nal­gu­ma te­le­vi­são ou num jor­nal cá do bur­go! Mas o Brad Pitt e a An­ge­li­na, ain­da nem fo­ram a tri­bu­nal le­ga­li­zar o di­vór­cio, e já an­dam nas bo­cas do Mun­do in­tei­ro, do Ca­na­dá até à Aus­trá­lia.

En­quan­to o ca­sal da­va à cor­da no te­ma da vi­zi­nha que ia fi­car com três fi­lhos, nu­ma ca­sa com quin­tal de cha­pas, ain­da por re­bo­car e de­sem­pre­ga­da, me per­gun­tei a mim mes­mo: por­que se se­pa­ram os ca­sais?

Os ca­sais se­pa­ram-se, por­que se uni­ram um dia. Se nun­ca se ti­ves­sem uni­do, ja­mais se afas­ta­ri­am. Mas, a fi­na­li­da­de da união, de fac­to ou le­gal, não é a se­pa­ra­ção. É a for­ma­ção da Fa­mí­lia, a cé­lu­la ba­se da so­ci­e­da­de. O in­te­res­se da Fa­mí­lia e o in­te­res­se su­pe­ri­or da cri­an­ça têm de ser pon­de­ra­dos, mui­to an­tes da união, du­ran­te o na­mo­ro. Quem vi­ve do ci­ne­ma, quem tem sem­pre uma câ­ma­ra de fil­mar a acom­pa­nhá-lo a vi­da in­tei­ra, é me­lhor até nem ca­sar. É que são tan­tos, mas tan­tos, ou qua­se to­dos, os ca­sais que vi­vem dos fil­mes que já ca­sa­ram éne ve­zes, que até dá rai­va per­gun­tar por­que car­ga d’ água se ca­sam os ac­to­res e as ac­tri­zes, pa­ra de­pois se di­vor­ci­a­rem e vol­ta­rem a ca­sar e a di­vor­ci­ar ou­tra vez?

O ca­sal Bran­ge­li­na pa­re­cia tão di­fe­ren­te, com os seis fi­lhos de vá­ri­os con­ti­nen­tes tão fe­li­zes e ale­gres e uni­dos que até da­va von­ta­de de cho­rar de emo­ção. Ago­ra, as fo­fo­cas são tan­tas, que já não sa­be­mos bem a cau­sa da ini­mi­za­de do ca­sal mais idí­li­co de Hollywo­od. Di­zem que o Brad fez a asa a uma atriz fran­ce­sa mui­to fa­mo­sa, qu­an­do ro­da­vam um fil­me so­bre a se­gun­da Gran­de Gu­er­ra, mas tu­do ain­da es­tá por con­fir­mar. A mu­lher es­tá a acu­sá-lo de ser vi­o­len­to com os fi­lhos. E a im­pren­sa diz que ela o es­tá a acu­sar de be­ber e con­su­mir ou­tras coi­sas que o tor­nam vi­o­len­to. O po­bre Pitt diz que não quer, por na­da des­te mun­do, a se­pa­ra­ção, por­que ama os fi­lhos do ca­sal. No meio dis­to tu­do, diz uma ami­ga mi­nha que a An­ge­li­na es­tá com pro­ble­mas de au­to-es­ti­ma, por ter ex­traí­do os sei­os e o apa­re­lho re­pro­du­tor in­ter­no, pa­ra pre­ve­nir o can­cro. Ela ma­sé mi­ma de­mais os fi­lhos, en­quan­to que o Pitt é mais ri­go­ro­so na edu­ca­ção e, de vez em qu­an­do, dá-lhes uns ba­fos.

É pá! Es­pe­re­mos pe­lo fim do fil­me! O do Brad Pitt com a An­ge­li­na e o da vi­zi­nha do meu ex-co­le­ga, uma mu­lher da qual nem sei o no­me, de tão hu­mil­de e es­que­ci­da que é.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.