Pro­gres­sos nos acor­dos de paz elo­gi­a­dos pe­la mis­são da ONU

Pro­gres­sos no cum­pri­men­to do acor­do de paz sa­tis­fa­zem mis­são da ONU e Go­ver­no

Jornal de Angola - - PARTADA -

A mis­são da ONU na Colôm­bia con­fir­mou on­tem a des­trui­ção de 620 qui­los de mu­ni­ções e ex­plo­si­vos por par­te da guer­ri­lha das FARC, co­mo par­te do acor­do de paz as­si­na­do na se­gun­da-fei­ra, anun­ci­ou a ins­ti­tui­ção.

No ar­se­nal des­truí­do de mais de meia to­ne­la­da ha­via ex­plo­si­vos, de­to­na­do­res e gra­na­das de mor­tei­ro, se­gun­do um co­mu­ni­ca­do da ONU.

A des­trui­ção acon­te­ceu a sul da Ser­ra da Ma­ca­re­na, sob a ob­ser­va­ção de es­pe­ci­a­lis­tas e ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais da mis­são da ONU pa­ra o país, re­fe­re o mes­mo co­mu­ni­ca­do. Se­gun­do a ONU fo­ram as pró­pri­as FARC (For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia) que de­to­na­ram os ex­plo­si­vos vo­lun­ta­ri­a­men­te pou­co an­tes do meio-dia de Sá­ba­do e “de acor­do com os stan­dards in­ter­na­ci­o­nais de se­gu­ran­ça”.

Na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, o Al­to-C pa­ra a Paz da Colôm­bia, Ser­gio Ja­ra­mil­lo, anun­ci­ou que as FARC ti­nham co­me­ça­do a en­tre­gar ex­plo­si­vos à mis­são da ONU, tal co­mo fo­ra acor­da­do nas ne­go­ci­a­ções de paz.

O acor­do in­clui a en­tre­ga das ar­mas por par­te da guer­ri­lha e a sua des­mo­bi­li­za­ção, que de­ve acon­te­cer num pra­zo de 180 di­as e sob su­per­vi­são da ONU.

Cer­ca de 35 mi­lhões de co­lom­bi­a­nos fo­ram on­tem às ur­nas pa­ra um referendo so­bre o acor­do de paz as­si­na­do com as FARC. Os elei­to­res fo­ram con­vo­ca­dos pa­ra res­pon­der “sim” ou “não” à per­gun­ta: “Apoia o acor­do fi­nal pa­ra o fim do con­fli­to e a cons­tru­ção de uma paz es­tá­vel e du­ra­dou­ra?”. O acor­do foi as­si­na­do na se­gun­da-fei­ra em Car­ta­ge­na das Ín­di­as pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e pe­lo nú­me­ro dois das FARC, Rodrigo Lon­do­no.

No Sá­ba­do, apoi­an­tes do “sim” e do “não” fi­ze­ram os co­mí­ci­os fi­nais, mas em ge­ral as cam­pa­nhas não des­per­ta­ram gran­de in­te­res­se. To­dos os par­ti­dos, me­nos o Cen­tro De­mo­crá­ti­co, de di­rei­ta, apoi­am o “sim”. As son­da­gens da­vam a vi­tó­ria do “sim”.

In­dem­ni­za­ção das ví­ti­mas

O co­man­do da guer­ri­lha das FARC anun­ci­ou no Sá­ba­do que vai de­cla­rar pe­ran­te o Go­ver­no “os re­cur­sos mo­ne­tá­ri­os e não mo­ne­tá­ri­os” que com­põem a sua “eco­no­mia de gu­er­ra”, ne­ces­sá­ri­os pa­ra res­sar­cir as su­as ví­ti­mas do con­fli­to ar­ma­do.

“Con­for­me o es­ta­be­le­ci­do no acor­do fi­nal, pro­ce­de­re­mos à re­pa­ra­ção ma­te­ri­al das ví­ti­mas no âm­bi­to das me­di­das de re­pa­ra­ção in­te­gral, ob­ser­van­do os cri­té­ri­os es­ta­be­le­ci­dos pe­la ju­ris­pru­dên­cia do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal so­bre os re­cur­sos de gu­er­ra”, dis­se a FARC em co­mu­ni­ca­do, na sequên­cia do acor­do de paz as­si­na­do na se­gun­da-fei­ra.

Os guer­ri­lhei­ros acres­cen­ta­ram que es­sa de­cla­ra­ção se­rá fei­ta de for­ma to­tal­men­te li­vre e co­mo par­te do pro­ces­so de ces­sar-fo­go bi­la­te­ral e de­fi­ni­ti­vo e o aban­do­no das ar­mas, e que in­clui o acan­to­na­men­to da guer­ri­lha até à des­mo­bi­li­za­ção fi­nal. As FARC, re­fe­re o co­mu­ni­ca­do, acor­da­rão com o Go­ver­no os pro­ce­di­men­tos pa­ra in­ven­ta­ri­ar os bens, in­cluin­do os cha­ma­dos re­cur­sos pa­ra a gu­er­ra. Os re­cur­sos, por ra­zões de éti­ca po­lí­ti­ca, nun­ca fi­ze­ram ou fa­zem par­te de pa­tri­mó­ni­os in­di­vi­du­ais.

Se­gun­do os guer­ri­lhei­ros, tu­do o que pos­su­em es­tá in­cluí­do no in­ven­tá­rio e, por is­so, de­cla­ram de ime­di­a­to que não têm re­cur­sos adi­ci­o­nais, mo­ne­tá­ri­os ou não, aos que vão ser de­cla­ra­dos na sequên­cia do acor­do de paz. Em Abril pas­sa­do, a re­vis­ta bri­tâ­ni­ca The Eco­no­mist es­ti­ma­va que as FARC ti­nham 10.500 mi­lhões de dó­la­res, re­sul­ta­do de ac­ti­vi­da­des ilí­ci­tas co­mo trá­fi­co de dro­ga, ex­tor­são e se­ques­tro. O Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos, co­men­tou o anún­cio da guer­ri­lha, afir­man­do que a de­ci­são das FARC é uma exi­gên­cia da so­ci­e­da­de, que con­si­de­ra que res­sar­cir as ví­ti­mas não de­ve ser obri­ga­ção ape­nas do Go­ver­no e que a guer­ri­lha de­ve con­tri­buir. O ne­go­ci­a­dor do Go­ver­no nos diá­lo­gos de paz, Hum­ber­to de la Cal­le, con­si­de­rou que o anún­cio foi uma boa no­tí­cia, so­bre­tu­do pa­ra as ví­ti­mas, e mos­tra que os acor­dos es­tão a ser cum­pri­dos e que vai ha­ver re­pa­ra­ção ma­te­ri­al pa­ra as ví­ti­mas ci­vis da gu­er­ra.

En­tre lá­gri­mas e abra­ços, mem­bros das FARC des­cul­pa­ram-se na sex­ta-fei­ra da po­pu­la­ção de La Chi­ni­ta, um bair­ro po­bre de Apar­ta­dó, no No­ro­es­te da Colôm­bia, 22 anos após o mas­sa­cre que cau­sou 35 mor­tos. Após a as­si­na­tu­ra do acor­do de paz com o Go­ver­no, lí­de­res das FARC fo­ram a La Chi­ni­ta pa­ra re­co­nhe­cer o seu er­ro e pe­dir per­dão aos fa­mi­li­a­res e ami­gos das ví­ti­mas.

A jor­na­da co­me­çou com uma pas­se­a­ta pe­las ru­as de La Chi­ni­ta, on­de os fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas se ves­ti­ram de bran­co e le­va­vam no pei­to os no­mes dos mor­tos no mas­sa­cre.

Com flo­res bran­cas, o gru­po re­cor­dou os mor­tos no dia 23 de Ja­nei­ro de 1994, qu­an­do uma fes­ta pa­ra ar­re­ca­dar fun­dos pa­ra es­co­las se trans­for­mou em mas­sa­cre.

O che­fe ne­go­ci­a­dor de paz das FARC, Iván Már­quez, abra­çou e ten­tou con­for­tar al­guns fa­mi­li­a­res de ví­ti­mas. “Vi­e­mos a La Chi­ni­ta 22 anos após aque­le tris­te 23 de Ja­nei­ro, com o co­ra­ção par­ti­do, pa­ra pe­dir per­dão com hu­mil­da­de por to­da a dor que cau­sa­mos”, dis­se Iván Már­quez no seu dis­cur­so.

“Ja­mais de­ve­ria ter ocor­ri­do is­to na­que­la noi­te de ale­gria e fes­ta po­pu­lar. Ja­mais o co­man­do das FARC or­de­nou tal atro­ci­da­de, mas es­ta­mos aqui pa­ra res­pon­der”, dis­se Iván Már­quez, que ne­go­ci­ou a paz com o Go­ver­no co­lom­bi­a­no du­ran­te qua­se qua­tro anos.

Ci­ro Aba­día, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção das Ví­ti­mas de An­ti­o­quia, de­cla­rou que La Chi­ni­ta foi “um mas­sa­cre anun­ci­a­do”, pois ocor­reu nu­ma épo­ca em que as FARC per­se­gui­am co­mo “trai­do­res” os mem­bros do des­mo­bi­li­za­do Exér­ci­to Po­pu­lar de Li­ber­ta­ção (EPL), que ha­via as­si­na­do a paz em 1991.

AFP

Co­lom­bi­a­nos ma­ni­fes­ta­ram eu­fo­ria na ho­ra de re­fe­ren­dar o pac­to de fim das hos­ti­li­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.