Me­lho­rar a qua­li­da­de da des­pe­sa pa­ra o bem-es­tar do ci­da­dão

AS PREMISSAS E OS DE­SA­FI­OS DO OGE

Jornal de Angola - - POLÍTICA - CÂN­DI­DO BES­SA |

Es­pe­ci­a­lis­tas de vá­ri­os sec­to­res da ac­ti­vi­da­de dis­cu­ti­ram sá­ba­do no pro­gra­ma Ten­dên­ci­as e De­ba­tes, da RNA, o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do e a sua re­per­cus­são so­bre a eco­no­mia na­ci­o­nal.

O de­ba­te, a to­dos os ní­veis opor­tu­no, acon­te­ce há qua­se dez di­as de­pois da reu­nião das Co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e da Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros que, en­tre ou­tros as­pec­tos, ana­li­sou o Me­mo­ran­do so­bre as Premissas e De­sa­fi­os na Ela­bo­ra­ção e Ges­tão do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra o pró­xi­mo ano.

O do­cu­men­to tem co­mo me­ta as­se­gu­rar o con­tro­lo sus­ten­tá­vel do dé­fi­ce fis­cal, a di­fe­ren­ça ne­ga­ti­va en­tre os ren­di­men­tos e as des­pe­sas pú­bli­cas. A ideia é que es­te re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo das con­tas do Es­ta­do es­te­ja den­tro dos li­mi­tes in­ter­na­ci­o­nal­men­te re­co­men­da­dos. Além dis­so, pre­ten­de-se ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção da clas­si­fi­ca­ção do ris­co e da con­fi­an­ça cre­di­tí­cia do país pe­ran­te os par­cei­ros eco­nó­mi­cos e fi­nan­cei­ros na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. Até aqui tu­do cer­to. E o de­ba­te da RNA sur­giu pre­ci­sa­men­te na sequên­cia da im­por­tan­te reu­nião ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

É bom tam­bém lem­brar que há du­as se­ma­nas o Par­la­men­to apro­vou o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do re­vis­to pa­ra es­te ano que cor­tou des­pe­sas e re­cei­tas de 4.626,3 mil mi­lhões de kwan­zas, pa­ra 4.295,7 mil mi­lhões em re­la­ção ao or­ça­men­to ini­ci­al, tu­do pa­ra ajus­tar os gas­tos às re­cei­tas no ac­tu­al mo­men­to de pou­cos re­cur­sos.

O fac­to de a RNA ter fei­to a de­vi­da lei­tu­ra do con­tex­to e tra­zer ao de­ba­te um as­sun­to que to­ca na vi­da das fa­mí­li­as, das em­pre­sas e de to­dos os an­go­la­nos é já em si dig­no de re­al­ce. Prin­ci­pal­men­te, nu­ma fa­se em que es­cas­seia ca­da vez mais a cri­a­ti­vi­da­de e a ima­gi­na­ção pa­ra se dis­cu­tir os ver­da­dei­ros pro­ble­mas e su­ge­rir so­lu­ções.

De tu­do o que foi di­to e dis­cu­ti­do du­ran­te o de­ba­te um as­pec­to cha­mou a mi­nha aten­ção e va­le a pe­na aqui sa­li­en­tar: a qua­li­da­de da des­pe­sa do Es­ta­do. Ju­li­e­ta Ki­con­go, che­fe de De­par­ta­men­to da Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Or­ça­men­to do Es­ta­do, pe­diu aos ges­to­res pú­bli­cos pa­ra te­rem em aten­ção as re­cei­tas, mas, prin­ci­pal­men­te, pa­ra se pre­o­cu­pa­rem com a qua­li­da­de da des­pe­sa. “Te­mos a des­pe­sa or­ça­men­ta­da, en­tão é pre­ci­so fa­zer to­do o es­for­ço pos­sí­vel, pa­ra que es­ta des­pe­sa se­ja exe­cu­ta­da com qua­li­da­de e des­ta for­ma es­ta­re­mos to­dos a con­tri­buir pa­ra o bem-es­tar des­ta nos­sa na­ção.” Es­te foi o ape­lo de Ju­li­e­ta Ki­con­go, ao qual me jun­to na ex­pec­ta­ti­va de que as coi­sas, des­ta vez, se­rão me­lho­res.

De na­da adi­an­ta por exem­plo au­men­tar a per­cen­ta­gem do or­ça­men­to pa­ra a saú­de, se não cui­dar­mos pa­ra que os va­lo­res dis­po­ni­bi­li­za­dos se­jam de fac­to ca­na­li­sa­dos pa­ra os res­pec­ti­vos pro­gra­mas e que te­nham re­al­men­te im­pac­to na me­lho­ria das con­di­ções da po­pu­la­ção, que é o pro­pó­si­to fi­nal da go­ver­na­ção.

Che­ga­mos às ve­zes ao ri­dí­cu­lo de re­pa­rar uma mes­ma es­tra­da anos se­gui­dos. Há em­pre­sas pú­bli­cas que to­dos os me­ses au­men­tam a fo­lha sa­la­ri­al, mas que pro­du­zem ca­da vez me­nos. Bol­sas de es­tu­do in­ter­na e ex­ter­na pa­gas com di­nhei­ro do Es­ta­do pa­ra for­ma­dos sem ocu­pa­ção, ou­tros que ape­sar de ocu­pa­dos, fi­cam no tra­ba­lho (se é que che­gam a fi­car) mas sem tra­ba­lhar. In­sis­to que nes­ta fa­se de pou­cos re­cur­sos, é pre­ci­so que o Es­ta­do fis­ca­li­ze ca­da tos­tão que gas­ta, ga­ran­tir que o di­nhei­ro apli­ca­do te­nha re­per­cus­são na eco­no­mia na­ci­o­nal. É ver­da­de que exis­tem al­guns exem­plos no­tá­veis de boa apli­ca­ção dos di­nhei­ros pú­bli­cos. É pre­ci­so re­co­nhe­cer.

Mas se an­tes, com mui­tos re­cur­sos, tí­nha­mos pou­cos exem­plos, ho­je é pre­ci­so fa­zer mais e cui­dar pa­ra que, com pou­co, fa­ça­mos mui­to e com qua­li­da­de. Is­so só é pos­sí­vel com ges­to­res com­pe­ten­tes, res­pon­sá­veis, pa­tri­o­tas e, prin­ci­pal­men­te, com fis­ca­li­za­ção e res­pon­sa­bi­li­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.