CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AU­RÉ­LIO PIN­TO NA­TÁ­LIA AL­FRE­DO AR­MÉ­NIO LU­CAS HELENA DA CONCEIÇÃO

Es­tou mui­to sa­tis­fei­to com a qua­li­fi­ca­ção da nos­sa Se­lec­ção de Sub17 pa­ra a fa­se fi­nal da 12ª edi­ção do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções, a ter lu­gar em Abril em Ma­da­gás­car. Que­ro dar os pa­ra­béns aos jo­vens jo­ga­do­res e, em par­ti­cu­lar, ao téc­ni­co da Se­lec­ção de Sub-17, Si­mão Lan­gui­nha, que tra­ba­lhou imen­so pa­ra que es­ti­vés­se­mos nu­ma al­ta com­pe­ti­ção na­que­la ca­te­go­ria. O bom tra­ba­lho de­ve ser elo­gi­a­do e de­ve-se dar to­do o apoio ne­ces­sá­rio aos pa­lan­qui­nhas, pa­ra que te­nham uma boa pres­ta­ção no CAN de Ma­da­gás­car. A boa pres­ta­ção da ac­tu­al Se­lec­ção de Sub-17 até à sua qua­li­fi­ca­ção pa­ra um CAN de­ve fa­zer com que os di­ri­gen­tes des­por­ti­vos da fe­de­ra­ção de fu­te­bol tra­ba­lhem no sen­ti­do de, fu­tu­ra­men­te, ter­mos uma gran­de se­lec­ção de hon­ras. Que se acre­di­te no tra­ba­lho da­que­les téc­ni­cos que, nos clu­bes e nas se­lec­ções, ao ní­vel dos es­ca­lões de for­ma­ção, tu­do fa­zem pa­ra sur­gi­rem a mé­dio pra­zo gran­des cra­ques no fu­te­bol an­go­la­no. Os apoi­os não de­vem ape­nas apa­re­cer de­pois das vi­tó­ri­as. Os apoi­os de­vem ser da­dos pa­ra pre­pa­rar o fu­tu­ro, an­tes dos re­sul­ta­dos na al­ta com­pe­ti­ção. Que se co­me­ce a tra­ba­lhar já, pa­ra que te­nha­mos uma gran­de se­lec­ção de hon­ras da­qui a pou­cos anos. so­bre a qua­li­da­de do nos­so en­si­no su­pe­ri­or. É po­si­ti­vo o fac­to de es­tar­mos pre­o­cu­pa­dos com a qua­li­da­de das nos­sas ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or, que têm de for­mar qua­dros pa­ra re­sol­ver os múl­ti­plos pro­ble­mas da so­ci­e­da­de. É dig­no de re­al­ce o fac­to de ha­ver de­ba­tes no país so­bre a qua­li­da­de do nos­so en­si­no, em ge­ral, e do en­si­no su­pe­ri­or, em par­ti­cu­lar. Se­ria mau se não nos pre­o­cu­pás­se­mos em dis­cu­tir aber­ta­men­te e em pro­fun­di­da­de os pro­ble­mas de que en­fer­ma o nos­so en­si­no. An­go­la es­tá num pro­ces­so de cons­tru­ção do de­sen­vol­vi­men­to e não po­de, de ma­nei­ra al­gu­ma, des­cu­rar a ques­tão do en­si­no su­pe­ri­or . Sem en­si­no de qua­li­da­de di­fi­cil­men­te che­ga­re­mos ao de­sen­vol­vi­men­to. É pre­ci­so, quan­to a mim, co­me­çar a to­mar me­di­das que fa­çam com que ha­ja ins­ti­tui­ções de en­si­no com mui­ta qua­li­da­de. Te­mos, em mi­nha opi­nião, de ata­car os ma­les do nos­so en­si­no ime­di­a­ta­men­te, e es­tes es­tão há mui­to iden­ti­fi­ca­dos. É pre­ci­so ape­nas que ha­ja von­ta­de pa­ra ac­tu­ar no sen­ti­do de se aca­bar com uma sé­rie de prá­ti­cas que pre­ju­di­cam o nos­so en­si­no. É ur­gen­te que ha­ja mu­dan­ças no nos­so en­si­no.

Não de­ve­mos con­ti­nu­ar a for­mar qua­dros em gran­de quan­ti­da­de mas sem qua­li­da­de. Te­mos de re­flec­tir se­ri­a­men­te so­bre es­te pro­ble­ma. Há mais de três anos, um pres­ti­gi­a­do aca­dé­mi­co an­go­la­no ti­nha di­to que as uni­ver­si­da­des não eram su­per­mer­ca­dos, ao re­fe­rir-se a ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pri­va­das que es­ta­vam mais pre­o­cu­pa­das com o lu­cro.

Mui­tos ci­da­dãos es­tão sa­tis­fei­tos com o fac­to de se es­tar a re­gis­tar uma des­ci­da dos pre­ços de vá­ri­os pro­du­tos ali­men­ta­res. To­dos de­se­ja­mos que os pre­ços bai­xem ain­da mais, até por­que os sa­lá­ri­os não so­bem. Mas de­vo elo­gi­ar o es­for­ço que se es­tá a fa­zer pa­ra que a vi­da dos ci­da­dãos com bai­xos ren­di­men­tos se­ja me­nos pe­no­sa.

As pes­so­as têm de po­der com­prar os pro­du­tos bá­si­cos. E os pre­ços des­tes pro­du­tos bá­si­cos de­vem con­ti­nu­ar a ser vi­gi­a­dos, pa­ra se evi­tar es­pe­cu­la­ção. Há mui­tos mi­lha­res de an­go­la­nos com bai­xos ren­di­men­tos, pe­lo que faz sen­ti­do que se pro­te­ja a ces­ta bá­si­ca. O pre­ço do pão es­tá a bai­xar, e is­so é bom pa­ra mui­tas fa­mí­li­as. O pão é um pro­du­to mui­to con­su­mi­do pe­los an­go­la­nos, sen­do im­por­tan­te que o pre­ço des­te pro­du­to con­ti­nue a bai­xar.

Acom­pa­nhei aten­ta­men­te um de­ba­te nu­ma rádio an­go­la­na so­bre a fis­ca­li­za­ção de obras que o Es­ta­do man­da fa­zer, no­me­a­da­men­te as es­tra­das. Os par­ti­ci­pan­tes no de­ba­te fa­la­ram de uma ques­tão que é fun­da­men­tal: a da fis­ca­li­za­ção das obras.

Mui­tas obras são mal fei­tas por fal­ta de fis­ca­li­za­ção e é ne­ces­sá­rio que o Es­ta­do pas­se a usar me­ca­nis­mos mais efi­ci­en­tes de fis­ca­li­za­ção pa­ra que as es­tra­das, por exem­plo, se­jam bem fei­tas e du­rem mui­to tem­po.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.