Ri­gor na ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra

CU­AN­DO CU­BAN­GO Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal ape­la à pre­ser­va­ção da flo­ra

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go pos­sui mais de mil es­pé­ci­es de plan­tas que po­dem ser ex­plo­ra­das, mas nes­te mo­men­to es­tão au­to­ri­za­das ape­nas três, no­me­a­da­men­te Mus­si­vi, Mu­cus­si e o Gi­ras­son­de, re­ve­lou o di­rec­tor pro­vin­ci­al do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF), Mi­guel Lis­sa­la.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, em Me­non­gue, no fi­nal do en­con­tro que deu ori­gem à pri­mei­ra co­o­pe­ra­ti­va de ma­dei­rei­ros na pro­vín­cia, Mi­guel Lis­sa­la dis­se que mes­mo es­tas três es­pé­ci­es só po­dem ser ex­plo­ra­das des­de que te­nham mais de 60 cen­tí­me­tros de di­â­me­tro.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al do IDF acon­se­lhou os ma­dei­rei­ros a con­ti­nu­a­rem a ex­plo­ra­ção da ma­dei­ra se­lec­ti­va­men­te, obe­de­cen­do es­cru­pu­lo­sa­men­te aos pre­cei­tos le­gais e res­pei­tan­do os con­tra­tos ce­le­bra­dos com o Es­ta­do.

Mi­guel Lis­sa­la dis­se que não exis­te de­vas­ta­ção da flo­ra na re­gião, uma vez que os ma­dei­rei­ros têm sa­bi­do se­lec­ci­o­nar as áre­as a ex­plo­rar, bem co­mo o ta­ma­nho exi­gi­do em ter­mos de di­â­me­tro, pa­ra que a ár­vo­re se­ja der­ru­ba­da e usa­da pa­ra fins mo­bi­liá­ri­os.

“Com o pro­ces­so de re­flo­res­ta­ção, po­de­mos tam­bém ter ou­tra es­pé­cie de ma­dei­ra, co­mo o eu­ca­lip­to, ce­dros, bem co­mo a mu­rin­ga. Es­te é o ob­jec­ti­vo da co­o­pe­ra­ti­va. Não é só ex­plo­rar a ma­dei­ra, mas tam­bém par­ti­ci­par no re­po­vo­a­men­to flo­res­tal”, fri­sou. Pa­ra a ex­plo­ra­ção da ma­dei­ra, o re­que­ren­te de­ve, em pri­mei­ro lu­gar, lo­ca­li­zar uma área que te­nha a es­pé­cie que po­de ser cor­ta­da.

Uma vez lo­ca­li­za­da a área, pros­se­guiu, de­ve con­tac­tar as au­to­ri­da­des lo­cais que o ori­en­tam com ba­se na Lei de Ter­ras, de mo­do a ob­ter a de­cla­ra­ção cer­ti­fi­can­do que a área re­qui­si­ta­da po­de ser ex­plo­ra­da.

“Pos­te­ri­or­men­te, po­de di­ri­gir­se à di­rec­ção do Am­bi­en­te e da Agri­cul­tu­ra pa­ra a ava­li­a­ção do pro­ces­so e com o aval da au­to­ri­da­de má­xi­ma da pro­vín­cia, o re­qui­si­tan­te es­tá em con­di­ções de fa­zer a ex­plo­ra­ção se­lec­ti­va da ma­dei­ra”, ex­pli­cou. O di­rec­tor pro­vin­ci­al do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal lem­brou que o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al só po­de au­to­ri­zar a ex­plo­ra­ção de 500 me­tros cú­bi­cos, de­ven­do as li­cen­ças aci­ma dis­so se­rem as­si­na­das pe­lo Mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra.

A co­o­pe­ra­ti­va ora cons­ti­tuí­da é com­pos­ta por 31 mem­bros. A ma­dei­ra na­ci­o­nal é um po­ten­ci­al pro­du­to pa­ra ex­por­ta­ção.

Da­dos ofi­ci­ais in­di­cam que a pro­du­ção de ma­dei­ra em 2015 foi de 125 mil me­tros cú­bi­cos.

DOMBELE BER­NAR­DO

Au­to­ri­da­des de­fen­dem ex­plo­ra­ção se­lec­ti­va de ma­dei­ra e ri­gor no cum­pri­men­to da lei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.