Mar do Su­des­te Asiá­ti­co é al­vo cen­tral de pi­ra­tas

Jornal de Angola - - OPINIÃO - HE­LEN CO­OK |

O Su­des­te Asiá­ti­co as­su­miu um lu­gar que era do li­to­ral da So­má­lia co­mo prin­ci­pal cen­tro da pi­ra­ta­ria ma­rí­ti­ma, já que é on­de acon­te­ce ac­tu­al­men­te a mai­o­ria dos ata­ques e se­ques­tros de em­bar­ca­ções por gru­pos ar­ma­dos e ter­ro­ris­tas.

Es­te ano, qua­se me­ta­de dos 98 ata­ques e se­ques­tros re­a­li­za­dos por pi­ra­tas em to­do o Mun­do acon­te­ceu em águas do Su­des­te Asiá­ti­co, se­gun­do da­dos do Es­cri­tó­rio Ma­rí­ti­mo In­ter­na­ci­o­nal (IMB na si­gla em in­glês).

En­quan­to re­giões co­mo o li­to­ral da So­má­lia ou o Gol­fo da Gui­né vi­ram uma drás­ti­ca re­du­ção dos ata­ques pi­ra­tas nos úl­ti­mos anos, o Su­des­te Asiá­ti­co vi­ve um cons­tan­te au­men­to de ac­ti­vi­da­des cri­mi­no­sas ma­rí­ti­mas.

Em 2015, fo­ram re­gis­ta­dos 178 ata­ques no Su­des­te Asiá­ti­co, es­pe­ci­al­men­te na In­do­né­sia, en­quan­to na So­má­lia não acon­te­ceu ne­nhum, diz um re­la­tó­rio do IMB.

Se­gun­do os es­pe­ci­a­lis­tas, a pro­li­fe­ra­ção da pi­ra­ta­ria no Su­des­te Asiá­ti­co foi fa­ci­li­ta­da de ma­nei­ra sig­ni­fi­ca­ti­va pe­la ge­o­gra­fia lo­cal, já que as vá­ri­as ilhas e a abun­dan­te ve­ge­ta­ção do li­to­ral per­mi­tem que os cri­mi­no­sos es­con­dam as su­as em­bar­ca­ções ra­pi­da­men­te após os ata­ques.

Além dis­so, pas­sam pe­la re­gião 120 mil em­bar­ca­ções por ano e um ter­ço do co­mér­cio ma­rí­ti­mo mun­di­al. “Por is­so, pa­ra os pi­ra­tas e la­drões nun­ca fal­tam opor­tu­ni­da­des pa­ra sa­que­ar”, dis­se o es­pe­ci­a­lis­ta em Su­des­te Asiá­ti­co, Kars­ten von Ho­es­s­lin, ci­ta­do no re­la­tó­rio, que tam­bém cri­ti­ca uma “fal­ta de res­pos­ta das co­mu­ni­da­des re­gi­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal”.

“Ao con­trá­rio do que acon­te­ceu com a pi­ra­ta­ria da So­má­lia, a do Su­des­te Asiá­ti­co não ga­nhou man­che­tes e não pro­vo­cou pa­tru­lhas na­vais mul­ti­la­te­rais ou es­tra­té­gi­as de al­to ní­vel que vi­mos em Áfri­ca”, ex­pli­cou.

Se­gun­do da­dos de Kars­ten von Ho­es­s­lin, no Su­des­te Asiá­ti­co ope­ram “de seis a oi­to re­des cri­mi­no­sas”, apoi­a­das por ofi­ci­ais cor­rup­tos e fis­cais de bai­xo per­fil em to­dos os paí­ses da re­gião. Tam­bém es­tá pre­sen­te na re­gião o gru­po ter­ro­ris­ta fi­li­pi­no Abu Sayyaf, que nos úl­ti­mos me­ses re­a­li­zou vá­ri­os se­ques­tros de pes­ca­do­res e tri­pu­lan­tes de em­bar­ca­ções de car­ga de paí­ses vi­zi­nhos, co­mo a Ma­lá­sia ou In­do­né­sia.

Em­bo­ra o Abu Sayyaf te­nha li­ber­ta­do de­ze­nas de re­féns es­te ano, após ter re­ce­bi­do pa­ga­men­tos mi­li­o­ná­ri­os, ain­da man­tém sob sua cus­tó­dia 16 pes­so­as, das quais seis são de na­ci­o­na­li­da­de in­do­né­sia e três ma­laia, se­gun­do nú­me­ros do Exér­ci­to fi­li­pi­no.

O au­men­to de se­ques­tros pe­lo Abu Sayyaf é uma das prin­ci­pais ra­zões pe­las quais o no­vo Pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas, Rodrigo Du­ter­te, afir­mou que aca­bar com es­tes ter­ro­ris­tas é uma das su­as pri­o­ri­da­des.

Pa­ra is­so, as For­ças Ar­ma­das do país adop­ta­ram no­vas me­di­das pa­ra ten­tar pôr fim às ac­ti­vi­da­des cri­mi­no­sas do Abu Sayyaf, sen­do que a prin­ci­pal de­las tem co­mo ob­jec­ti­vo li­mi­tar os seus mo­vi­men­tos e já con­fis­cou mais de 200 lan­chas.

“Es­tas em­bar­ca­ções são a prin­ci­pal for­ma de trans­por­te do Abu Sayyaf nos seus se­ques­tros e a pri­mei­ra coi­sa que te­mos que fa­zer é neu­tra­li­zá-las”, ex­pli­cou re­cen­te­men­te o che­fe das For­ças Ar­ma­das das Fi­li­pi­nas, te­nen­te­ge­ne­ral Ri­car­do Vi­saya.

Nos seus es­for­ços pa­ra con­ter o Abu Sayyaf, as Fi­li­pi­nas, In­do­né­sia e a Ma­lá­sia tam­bém che­ga­ram a um acor­do em Maio pa­ra es­ta­be­le­cer pa­tru­lhas con­jun­tas no Mar de Jo­lo, a área de mai­or ac­ti­vi­da­de do gru­po ter­ro­ris­ta.

Os três paí­ses tam­bém con­cre­ti­za­ram me­di­das pa­ra me­lho­rar a ra­pi­dez e a quan­ti­da­de de in­for­ma­ção que par­ti­lham e es­ta­be­le­ce­rão cen­tros em ca­da um de­les pa­ra co­or­de­nar a vi­gi­lân­cia na­val e aé­rea.

Além dis­so, Rodrigo Du­ter­te au­to­ri­zou o aces­so da ma­ri­nha da In­do­né­sia às águas ter­ri­to­ri­ais fi­li­pi­nas, ca­so es­te­ja em per­se­gui­ção de um gru­po de pi­ra­tas.

“O mun­do de­les es­tá a fi­car me­nor e em bre­ve po­de­re­mos re­sol­ver es­te pro­ble­ma”, dis­se o por­ta-voz das For­ças Ar­ma­das das Fi­li­pi­nas, Res­ti­tu­to Pa­dil­la. “Não vou dar ne­nhu­ma da­ta, mas es­ta­mos a fa­zer o que po­de­mos”, acres­cen­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.