“Mo Ibrahim” faz elo­gi­os a An­go­la

Ín­di­ce Ibrahim re­ve­la uma me­lho­ria li­gei­ra na go­ver­na­ção glo­bal do con­ti­nen­te afri­ca­no

Jornal de Angola - - PARTADA -

An­go­la es­tá en­tre os paí­ses afri­ca­nos que re­gis­ta­ram mai­o­res avan­ços no de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, ao lon­go dos úl­ti­mos dez anos, a par do Ru­an­da, Etió­pia e To­go, num con­jun­to de 43 paí­ses que re­pre­sen­tam 87 por cen­to da po­pu­la­ção do con­ti­nen­te. A re­ve­la­ção foi fei­ta pe­la Fun­da­ção Mo Ibrahim que, na se­gun­da-fei­ra, lan­çou o Ín­di­ce Ibrahim, que re­ve­la uma su­bi­da de um pon­to na go­ver­na­ção glo­bal do con­ti­nen­te, ao lon­go dos úl­ti­mos dez anos, com 37 paí­ses, que abran­gem 70 por cen­to dos ci­da­dãos afri­ca­nos a re­gis­ta­rem pro­gres­sos.Es­ta ten­dên­cia po­si­ti­va de­ve-se à boa go­ver­na­ção.

An­go­la es­tá en­tre os paí­ses que re­gis­ta­ram mai­o­res avan­ços no de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, ao lon­go dos úl­ti­mos dez anos, a par do Ru­an­da, Etió­pia e To­go, num con­jun­to de 43 paí­ses que re­pre­sen­tam 87 por cen­to da po­pu­la­ção do con­ti­nen­te.

A re­ve­la­ção foi fei­ta pe­la Fun­da­ção Mo Ibrahim que, na se­gun­da­fei­ra, lan­çou o Ín­di­ce Ibrahim, que re­ve­la uma su­bi­da de um pon­to na go­ver­na­ção glo­bal do con­ti­nen­te, ao lon­go dos úl­ti­mos dez anos, com 37 paí­ses, que abran­gem 70 por cen­to dos ci­da­dãos afri­ca­nos, a re­gis­ta­rem pro­gres­sos. Es­ta ten­dên­cia po­si­ti­va de­ve-se em gran­de par­te aos pro­gres­sos re­gis­ta­dos em De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no e Par­ti­ci­pa­ção e Di­rei­tos Hu­ma­nos.

O país que re­gis­tou me­lho­ria mais sig­ni­fi­ca­ti­va a ní­vel da go­ver­na­ção glo­bal ao lon­go da dé­ca­da foi a Cos­ta do Mar­fim (+13,1 pon­tos), se­gui­da pe­lo To­go (+9,7 pon­tos), Zim­babwe (+9,7 pon­tos), Libéria (+8,7 pon­tos) e Ru­an­da (+8,4 pon­tos). Ilhas Mau­rí­ci­as, o Bot­su­a­na e Ca­bo Ver­de são os que ti­ve­ram mai­or pon­tu­a­ção, en­quan­to a Cos­ta do Mar­fim, o To­go e o Zim­babwe são os três que mais evo­luí­ram ao lon­go da dé­ca­da.

Ape­sar de o Gha­na e a Áfri­ca do Sul es­ta­rem en­tre os dez paí­ses com o me­lhor de­sem­pe­nho em go­ver­na­ção glo­bal em 2015, são tam­bém o oi­ta­vo e o dé­ci­mo paí­ses que mais se de­te­ri­o­ra­ram ao lon­go da dé­ca­da.

O de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel ob­te­ve me­lho­ri­as, mas a um rit­mo mais len­to, nu­ma dé­ca­da em que o Ní­ger, o Ru­an­da, a Cos­ta do Mar­fim, o To­go e o Qué­nia su­bi­ram mais de 10,0 pon­tos em Am­bi­en­te Em­pre­sa­ri­al.

Ao lon­go dos úl­ti­mos dez anos, o in­di­ca­dor Po­bre­za re­gis­tou me­lho­ri­as (+7,2 pon­tos) em 29 paí­ses, que re­pre­sen­tam 67 por cen­to da po­pu­la­ção afri­ca­na e 76 por cen­to do PIB do con­ti­nen­te.

O in­di­ca­dor Pri­o­ri­da­des da Re­du­ção da Po­bre­za re­gis­tou um de­clí­nio mé­dio de 1,3 pon­tos e ve­ri­fi­ca­ram-se que­das em 23 paí­ses, que abri­gam 45 por cen­to da po­pu­la­ção do con­ti­nen­te. A mé­dia do con­ti­nen­te no in­di­ca­dor “Cor­rup­ção e Bu­ro­cra­cia” di­mi­nuiu 8,7 pon­tos ao lon­go da úl­ti­ma dé­ca­da, ve­ri­fi­can­do-se uma de­te­ri­o­ra­ção em 33 paí­ses, 24 dos quais atin­gin­do a sua pi­or pon­tu­a­ção de sem­pre no ano pas­sa­do

A dé­ci­ma edi­ção do IIAG, a aná­li­se mais abran­gen­te de go­ver­na­ção afri­ca­na ja­mais efec­tu­a­da, com­pi­la uma dé­ca­da de da­dos pa­ra ava­li­ar ca­da um dos 54 paí­ses afri­ca­nos fren­te a 95 in­di­ca­do­res ex­traí­dos de 34 fon­tes in­de­pen­den­tes. Es­te ano, pe­la pri­mei­ra vez, o IIAG in­clui da­dos do Inqué­ri­to de Ati­tu­de Pú­bli­ca do Afro­ba­ró­me­tro.

O inqué­ri­to cap­ta as per­cep­ções pró­pri­as dos afri­ca­nos so­bre a go­ver­na­ção, o que ofe­re­ce uma no­va pers­pec­ti­va aos re­sul­ta­dos re­gis­ta­dos por ou­tros da­dos de ava­li­a­ção e aná­li­se es­pe­ci­a­li­za­da.

Se­gu­ran­ça em de­clí­nio

As ten­dên­ci­as po­si­ti­vas re­gis­ta­das nos úl­ti­mos dez anos são con­tra­ri­a­das por uma acen­tu­a­da que­da em Se­gu­ran­ça e Es­ta­do de Di­rei­to, na me­di­da em que 33 dos 54 paí­ses afri­ca­nos, on­de vi­vem qu­a­se dois ter­ços da po­pu­la­ção do con­ti­nen­te, so­fre­ram um de­clí­nio des­de 2006, com mai­or vi­si­bi­li­da­de em 15 dos paí­ses.

Es­ta ten­dên­cia agra­vou-se, re­cen­te­men­te, com qu­a­se me­ta­de dos paí­ses do con­ti­nen­te a re­gis­ta­rem a sua pi­or pon­tu­a­ção de sem­pre nes­ta ca­te­go­ria nos úl­ti­mos três anos.

A Fun­da­ção re­fe­re que a Opor­tu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca Sus­ten­tá­vel é a ca­te­go­ria com a pon­tu­a­ção mais bai­xa e de cres­ci­men­to mais len­to do IIAG. Mas 38 paí­ses, que cor­res­pon­dem con­jun­ta­men­te a 73 por cen­to do PIB con­ti­nen­tal, re­gis­ta­ram uma me­lho­ria ao lon­go da úl­ti­ma dé­ca­da.

O mai­or avan­ço foi al­can­ça­do na sub­ca­te­go­ria, in­fra-es­tru­tu­ra im­pul­si­o­na­do por uma sig­ni­fi­ca­ti­va me­lho­ria no in­di­ca­dor In­fra-es­tru­tu­ras Di­gi­tais e de TI, o in­di­ca­dor que mais pro­gre­diu do to­tal de 95.

A pon­tu­a­ção mé­dia da di­men­são in­fra-es­tru­tu­ras con­ti­nua a mos­trar­se bai­xa e ve­ri­fi­ca-se um de­clí­nio par­ti­cu­lar­men­te alar­man­te no in­di­ca­dor In­fra-es­tru­tu­ra Eléc­tri­ca em 19 paí­ses, que abri­gam 40 por cen­to da po­pu­la­ção afri­ca­na. Re­gis­ta­ram-se tam­bém pro­gres­sos na sub­ca­te­go­ria Sec­tor Agrí­co­la.

To­das as di­men­sões (Edu­ca­ção, Saú­de e As­sis­tên­cia So­ci­al) me­lho­ra­ram, ape­sar de o pro­gres­so na sub­ca­te­go­ria As­sis­tên­cia So­ci­al ter si­do afec­ta­do por de­clí­ni­os nos in­di­ca­do­res Ex­clu­são So­ci­al e Pri­o­ri­da­des da Re­du­ção da Po­bre­za.

Mo Ibrahim, Presidente da Fun­da­ção Mo Ibrahim, con­si­de­rou o pro­gres­so na go­ver­na­ção glo­bal em Áfri­ca ao lon­go dos úl­ti­mos dez anos um re­fle­xo de uma ten­dên­cia po­si­ti­va na mai­o­ria dos paí­ses e em mais de dois ter­ços dos ci­da­dãos do con­ti­nen­te. “Ne­nhum su­ces­so nem ne­nhum pro­gres­so po­de ser sus­ten­ta­do sem em­pe­nho e es­for­ço cons­tan­tes”, re­co­nhe­ceu, apon­tan­do o de­clí­nio em Se­gu­ran­ça e Es­ta­do de Di­rei­to co­mo o mai­or pro­ble­ma que o con­ti­nen­te en­fren­ta ac­tu­al­men­te.

“Uma boa go­ver­na­ção e uma li­de­ran­ça só­li­da são fun­da­men­tais pa­ra su­pe­rar es­te de­sa­fio, sus­ten­tan­do os pro­gres­sos re­cen­te­men­te al­can­ça­dos e ga­ran­tin­do um fu­tu­ro bri­lhan­te pa­ra Áfri­ca”.

Di­ver­si­fi­ca­ção é o in­di­ca­dor com a pon­tu­a­ção mais bai­xa do IIAG e so­freu de­te­ri­o­ra­ção ao lon­go dos úl­ti­mos dez anos. Qua­ren­ta por cen­to dos afri­ca­nos vi­vem num país que re­gis­tou de­te­ri­o­ra­ção em “In­fra-es­tru­tu­ra Eléc­tri­ca” ao lon­go da dé­ca­da, com mais de me­ta­de da eco­no­mia afri­ca­na a so­frer os efei­tos des­ta si­tu­a­ção. A Fun­da­ção Mo Ibrahim foi cri­a­da em 2006, ori­en­ta­da pa­ra a im­por­tân­cia decisiva da li­de­ran­ça e da go­ver­na­ção em Áfri­ca, pro­por­ci­o­nan­do fer­ra­men­tas pa­ra ava­li­ar e apoi­ar os avan­ços na li­de­ran­ça e na go­ver­na­ção.

JO­SÉ SO­A­RES

In­di­ca­dor so­bre in­fra-es­tru­tu­ras foi o que mais pro­gres­sos re­gis­tou nos úl­ti­mos dez anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.