O bra­ço da bo­ne­ca

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL RUI |

An­ti­ga­men­te, eu não sa­bia bem o que era is­so de ONU ou Na­ções Uni­das. Só mais tar­de en­ten­di tra­tar-se de uma or­ga­ni­za­ção in­ven­ta­da pe­los ven­ce­do­res da 2ª guer­ra mun­di­al. Ou­via meu pai fa­lar do seu ído­lo, Gandhi e da ma­nei­ra co­mo vi­a­ja­ra pa­ra Lon­dres, de tú­ni­ca e lo­a­cos pa­ra ser re­ce­bi­do pe­la rai­nha de In­gla­ter­ra. Do fim da 2ª guer­ra mun­di­al, meu pai fa­la­va de ca­bos de guer­ra co­mo Ei­se­nhower, Chur­chill, Ro­o­se­velt ou Mont­go­mery, tu­do deu­ses do mun­do da guer­ra e da for­ça e que che­ga­vam pe­los no­ti­ciá­ri­os da rá­dio de ami­gos que ou­vi­am a BBC em por­tu­guês pe­la voz do cé­le­bre lo­cu­tor por­tu­guês Fer­nan­do Pes­sa. De res­to, o que mais con­ta­va era a que­da de Hi­tler e, fa­la­vam, os ma­çons e os de­sig­na­dos con­tra a si­tu­a­ção, o re­gi­me por­tu­guês, que Sa­la­zar ti­nha si­do um fal­sá­rio, pas­san­do por isen­to mas fa­vo­re­cen­do Hi­tler.

Pas­sa­ram-se mui­tos anos. E mui­tas guer­ras…que das nos­sas nem fa­lo. Mas, o cer­to é que a ONU nun­ca cum­priu o es­co­po prin­ci­pal que é a ma­nu­ten­ção da paz. E, nos di­as que pas­sam, fin­da a guer­ra fria e aber­tas uma to­ne­la­da de guer­ras quen­tes por to­do o la­do, a ONU as­sis­te im­pá­vi­da e se­re­na­men­te ao bom­bar­de­a­men­to cons­tan­te de uma ci­da­de. Me­lhor, ao bom­bar­de­a­men­to cons­tan­te so­bre ci­vis que so­bre­vi­vem nos es­com­bros de uma ci­da­de. Reú­nem, gas­tam mi­lhões e só de­ci­dem, con­tra a de­mo­cra­cia, no ca­so de ne­nhum dos cin­co mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça não ve­tar.

Ago­ra, Ale­po, a ci­da­de do No­ro­es­te da Sí­ria, qui­çá a mais im­por­tan­te, era uma es­pé­cie de ca­pi­tal co­mer­ci­al e cen­tro in­dus­tri­al do país, ho­je é bom­bar­de­a­da cons­tan­te­men­te. E foi tan­to bom­bar­de­a­men­to que já fo­ram mor­tas mais de 270.000 pes­so­as, qu­a­se to­das as que so­bra­ram es­tão no meio dos es­com­bros e a ima­gem de uma cri­an­ça que se sal­vou cor­re pe­las te­le­vi­sões. Um presidente tei­mo­so pe­lo po­der, es­tá nes­ta or­ques­tra de des­tro­çar a gran­de ci­da­de do seu país e o seu po­vo, ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças. Uma ci­da­de que ti­nha pe­ga­das da his­tó­ria por ser uma das mais an­ti­gas do mun­do, com ar­te, li­te­ra­tu­ra e tu­do o mais que o tem­po cos­tu­ma guar­dar. E o presidente não vai a Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal. Pa­re­ce um he­rói sal­va­dor do oci­den­te, dei­xa de ser o ou­tro por­que os oci­den­tais qu­an­do um eu­ro­peu com­pra um clu­be de fu­te­bol, não di­zem que foi um bran­co ou um ca­tó­li­co… mas qu­an­do é o ou­tro foi um ára­be (ra­ça) ou um mu­çul­ma­no (re­li­gião) que com­prou um clu­be de fu­te­bol…

O que es­tá a acon­te­cer em Ale­po po­de acon­te­cer a qual­quer ci­da­de do “ou­tro” que não fu­ja. Es­tou a fa­lar da po­pu­la­ção ci­vil. De­ve­ria exis­tir uma nor­ma in­ter­na­ci­o­nal que obri­gas­se a eva­cu­ar as po­pu­la­ções ci­vis an­tes da guer­ra. Que ago­ra já nem há mais re­fu­gi­a­dos. Tem a sel­va de Ca­lais na Fran­ça que vai ser ta­pa­da com um mu­ro ou, pa­re­ce, vão es­pa­lhar os re­fu­gi­a­dos, não sei com que cri­té­rio, por di­ver­sos lu­ga­res.

Ca­da vez mais, por es­se mun­do fo­ra o po­vo é ma­ni­pu­la­do pe­los milionários, po­lí­ti­cos e clep­to­cra­tas que, apro­vei­tan­do-se dos lu­ga­res que ocu­pam que­rem per­pe­tu­ar o po­der sem re­pa­rar que exis­te mor­te. Ain­da aqui o nos­so vi­zi­nho Zaí­re (que é uma ofen­sa cha­mar-se Con­go De­mo­crá­ti­co) man­da a po­lí­cia car­re­gar so­bre a mul­ti­dão que não é ce­ga e vê o presidente que­rer al­te­rar a Cons­ti­tui­ção por de­cre­to pa­ra não pro­ce­der a elei­ções e fi­car na ca­dei­ra. Es­tas “mo­nar­qui­as in­cons­ti­tu­ci­o­nais” em Áfri­ca, nun­ca são to­ca­das pe­los do­nos do mun­do des­de que aco­lham as or­dens dos pa­trões. E, as­sim, não que­ren­do sair co­mo ou­tros tão bem saí­ram pe­la por­ta da fren­te, es­trei­tam a por­ta e qu­an­do são obri­ga­dos a sair pe­la por­ta de trás é com san­gue, guer­ra ci­vil e pi­lha­gem.

Em Ale­po já não há na­da pa­ra pi­lhar. É um ce­mi­té­rio sem cam­pas e os ca­dá­ve­res são obs­tá­cu­los pa­ra os que fo­gem tro­pe­ça­rem na mor­te.

Em Ale­po, os pa­trões do mun­do bom­bar­dei­am co­lu­nas de gen­te boa e de paz que le­vam me­di­ca­men­tos e aju­das pa­ra os que ain­da es­tão vi­vos.

De­ve pa­re­cer um fil­me de fic­ção. Os aviões le­van­tam voo, lar­gam as bom­bas e tu­do fi­ca en­vol­vi­do em fo­go e fu­mo. Os aviões re­gres­sam à ba­se, abas­te­cem-se de com­bus­tí­vel e bom­bas. Le­van­tam voo e vol­tam a lar­gar as bom­bas so­bre os es­com­bros de on­de as pes­so­as não po­dem sair co­mo abri­gos dei­xa­dos de es­mo­la pe­los bom­bar­de­a­men­tos.

As pes­so­as de paz, em to­do o mun­do, to­das mas prin­ci­pal­men­te, ar­tis­tas, es­cri­to­res e pen­sa­do­res têm que se opor por abai­xo-as­si­na­do ao que se es­tá a pas­sar em Ale­po.

O me­ni­no de 5 anos que se sal­vou e pas­sa nas te­le­vi­sões mos­tran­do aqui­lo a que o Comité In­ter­na­ci­o­nal da Cruz Ver­me­lha já cha­mou de “de­sas­tre hu­ma­ni­tá­rio”, não é tu­do. Por­que uma me­ni­na fu­gia com a bo­ne­ca na mão. Caiu uma bom­ba. A me­ni­na fi­cou des­fei­ta, san­gue mis­tu­ra­do com ter­ra. Da bo­ne­ca so­brou um bra­ço en­tre os es­com­bros. Pa­re­ce uma lá­gri­ma pen­du­ra­da no pôr do sol.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.