Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da De­fe­sa ana­li­sa as fron­tei­ras do con­ti­nen­te

Jornal de Angola - - PARTADA -

An­go­la par­ti­ci­pa, des­de se­gun­da­fei­ra, na 67ª ses­são do Comité Exe­cu­ti­vo do Al­to Comissariado pa­ra os Re­fu­gi­a­dos (Ac­nur), que de­cor­re no Pa­lá­cio das Na­ções, em Ge­ne­bra, Suí­ça. A ses­são, em que An­go­la par­ti­ci­pa com uma de­le­ga­ção che­fi­a­da pe­lo seu re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te jun­to dos es­cri­tó­ri­os da ONU em Ge­ne­bra, em­bai­xa­dor Apo­li­ná­rio Cor­reia, con­tou na ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra com a pre­sen­ça do Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, Ban Ki-mo­on.

No seu dis­cur­so, Ban Ki-mo­on re­cor­dou o com­pro­mis­so as­su­mi­do pe­los Es­ta­dos-mem­bros da ONU em Se­tem­bro pas­sa­do em No­va Ior­que, em que ma­ni­fes­ta­ram a sua so­li­da­ri­e­da­de pa­ra com os re­fu­gi­a­dos e o apoio aos paí­ses de aco­lhi­men­to. "Os Es­ta­dos-mem­bros da ONU de­vem hon­rar os seus com­pro­mis­sos re­cen­tes so­bre mi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos, sob pe­na de se­rem jul­ga­dos pe­la his­tó­ria", aler­tou.

O dis­cur­so pro­nun­ci­a­do por Ban Ki-mo­on é uma cha­ma­da à res­pon­sa­bi­li­da­de, ten­do ape­la­do ao fim da “cri­se de so­li­da­ri­e­da­de” pa­ra ga­ran­tir os di­rei­tos das ge­ra­ções fu­tu­ras.

O sul-co­re­a­no apon­tou a si­tu­a­ção na Sí­ria co­mo a mais trá­gi­ca e dra­má­ti­ca no mun­do, lem­bran­do tam­bém os mi­lhões de ou­tros re­fu­gi­a­dos que fu­gi­ram do con­fli­to no Ié­men, Afe­ga­nis­tão, Bu­run­di, Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, Su­dão do Sul e em to­do o mun­do.

Pa­ra o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, a De­cla­ra­ção de No­va Ior­que, adop­ta­da em me­a­dos de Se­tem­bro à mar­gem da As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das, po­de fa­zer uma di­fe­ren­ça re­al na vi­da dos re­fu­gi­a­dos. Es­pe­ra-se ago­ra que as pro­mes­sas e os com­pro­mis­sos se­jam con­cre­ti­za­dos no ter­re­no.

A es­se res­pei­to, o Ac­nur vai lan­çar, em 2018, o qua­dro que acom­pa­nha es­ta de­cla­ra­ção. “To­dos nós te­mos uma res­pon­sa­bi­li­da­de”, dis­se Ban Ki-mo­on.

Por seu la­do, o al­to co­mis­sá­rio da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos, Fi­lip­po Gran­di, in­sis­tiu que “as ge­ra­ções fu­tu­ras irão jul­gar du­ra­men­te a nos­sa fa­lha co­lec­ti­va pa­ra pre­ve­nir e re­sol­ver con­fli­tos e pro­te­ger as pes­so­as con­tra as con­sequên­ci­as da guer­ra.”

Se­gun­do da­dos, em 2015, ha­via um re­gis­to de 244 mi­lhões de mi­gran­tes, 65 de pes­so­as des­lo­ca­das à for­ça, in­cluin­do 21 de re­fu­gi­a­dos e três de re­que­ren­tes de asi­lo. Ao adop­tar a De­cla­ra­ção de No­va Ior­que, os Es­ta­dos-mem­bros da ONU com­pro­me­tem-se a pro­te­ger os di­rei­tos de to­dos os mi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos, in­de­pen­den­te­men­te do seu es­ta­tu­to. O tex­to abor­da, em es­pe­ci­al, a ne­ces­si­da­de de pro­te­ger-se as mu­lhe­res e me­ni­nas de to­das as for­mas de ex­plo­ra­ção, com­ba­te ao trá­fi­co de se­res hu­ma­nos e ga­ran­tir a edu­ca­ção das cri­an­ças mi­gran­tes re­fu­gi­a­das.

A ses­são des­te ano do Ac­nur vai, en­tre ou­tros as­sun­tos, exa­mi­nar os re­la­tó­ri­os dos tra­ba­lhos do Comité Per­ma­nen­te, con­cer­nen­tes à pro­tec­ção in­ter­na­ci­o­nal, os pro­gra­mas-or­ça­men­tos, ges­tão, con­tro­lo fi­nan­cei­ro e ad­mi­nis­tra­ti­vo, a adop­ção do seu pro­gra­ma de or­ça­men­to, pa­ra o bié­nio 2016-2017.

RO­GÉ­RIO TUTI

Em­bai­xa­dor Apo­li­ná­rio Cor­reia (à di­rei­ta) che­fia de­le­ga­ção an­go­la­na à reu­nião do Ac­nur

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.