Ca­len­dá­rio das presidenciais pro­vo­ca di­ver­gên­ci­as na RDC

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚ­NEM |

Os par­ti­dos da oposição con­go­le­sa que in­te­gram o “Diá­lo­go po­lí­ti­co” com a mai­o­ria pre­si­den­ci­al e a so­ci­e­da­de ci­vil, des­ti­na­do a pre­pa­rar as pró­xi­mas elei­ções ge­rais na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), re­cu­sam o ar­gu­men­to da Co­mis­são Elei­to­ral Na­ci­o­nal In­de­pen­den­te (CENI), se­gun­do o qual as pró­xi­mas elei­ções presidenciais, le­gis­la­ti­vas e re­gi­o­nais “não de­vem acon­te­cer an­tes de No­vem­bro de 2018”.

Se­gun­do a im­pren­sa con­go­le­sa, Cor­ne­lius Nan­gaa, o presidente da CENI, dis­se, no sá­ba­do, que as elei­ções presidenciais, ini­ci­al­men­te pre­vis­tas pa­ra No­vem­bro de 2016 e que à luz de um acor­do en­tre o Go­ver­no e a oposição de­vem ocor­rer no mes­mo dia, “não de­vem acon­te­cer an­tes de No­vem­bro de 2018”, após anun­ci­ar que o re­gis­to elei­to­ral em cur­so no país ter­mi­na em 31 de Ju­lho de 2017.

Cor­ne­lius Nan­gaa ar­gu­men­tou que de­pois da con­clu­são do re­gis­to elei­to­ral, em 31 de Ju­lho do pró­xi­mo ano, “ope­ra­ções a re­a­li­zar pe­lo CENI de­vem du­rar cer­ca de 504 di­as”, an­tes da re­a­li­za­ção, em si­mul­tâ­neo, das elei­ções presidenciais, le­gis­la­ti­vas e re­gi­o­nais.

“Di­fi­cul­da­des téc­ni­cas e de or­ça­men­to elei­to­ral”, apon­tou, jus­ti­fi­cam o adi­a­men­to da vo­ta­ção.

“Cer­ca de 45 mi­lhões de elei­to­res po­ten­ci­ais de­vem ser ins­cri­tos até 31 de Ju­lho de 2017.

De­pois, há a dis­tri­bui­ção de lu­ga­res por re­gis­to de can­di­da­tu­ras de cir­cuns­cri­ção, con­tro­lo de ma­te­ri­ais elei­to­rais con­si­de­ra­dos sen­sí­veis e im­plan­ta­ção. A for­ma­ção dos fun­ci­o­ná­ri­os elei­to­rais de­ve ser con­cluí­da se­te di­as an­tes do dia da vo­ta­ção”, dis­se Cor­ne­lius Nan­gaa.

Ar­gu­men­tos da oposição

A oposição pró diá­lo­go, a mai­o­ria pre­si­den­ci­al que su­por­ta o Che­fe de Es­ta­do ces­san­te e o que res­ta das for­ças da so­ci­e­da­de ci­vil que par­ti­ci­pam nas ne­go­ci­a­ções - após a saí­da da Igre­ja Ca­tó­li­ca e de ONG de di­rei­tos hu­ma­nos - con­cor­dam com o fim do re­gis­to elei­to­ral em 31 de Ju­lho de 2017, de acor­do com a im­pren­sa con­go­le­sa.

Mas a oposição pro diá­lo­go, su­bli­nham os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al con­go­le­ses, dis­cor­da da CENI qu­an­do o ór­gão diz pre­ci­sar “de pe­lo me­nos 504 di­as, a par­tir de 31 de Ju­lho de 2017”, pa­ra or­ga­ni­zar as elei­ções ge­rais, afir­ma não en­ten­der por que o ór­gão quer le­var mais tem­po pa­ra re­a­li­zar as pró­xi­mas elei­ções do que le­vou pa­ra or­ga­ni­zar as an­te­ri­o­res, de 2006 e 2011, e ale­ga que seis me­ses “é tem­po su­fi­ci­en­te pa­ra re­a­li­zar a vo­ta­ção”.

As “di­fi­cul­da­des téc­ni­cas” apon­ta­das pe­la co­mis­são elei­to­ral tam­bém não con­ven­cem a Fran­ça, que acu­sa o Presidente ces­san­te con­go­lês de “efec­tu­ar ma­no­bras pa­ra ig­no­rar a Cons­ti­tui­ção”, bem co­mo os EUA e o Ca­na­dá, que afir­ma te­mer uma guer­ra ci­vil na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e ad­mi­tem re­ti­rar par­te do seu pes­so­al di­plo­má­ti­co.

O que diz a Cons­ti­tui­ção

O ar­ti­go 73º da Cons­ti­tui­ção con­go­le­sa re­fe­re que “o es­cru­tí­nio pa­ra a elei­ção do Presidente da Re­pú­bli­ca é con­vo­ca­do pe­la Co­mis­são Elei­to­ral Na­ci­o­nal In­de­pen­den­te no­ven­ta di­as an­tes da ex­pi­ra­ção do man­da­to do Presidente em exer­cí­cio.”

Ape­sar de um acór­dão do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal au­to­ri­zar o Presidente ces­san­te a go­ver­nar com um adi­a­men­to das elei­ções presidenciais, ana­lis­tas e par­te da oposição con­go­le­sa de­fen­dem que a se man­ter no po­der após o fim do seu man­da­to, pre­vis­to pa­ra es­te ano, o Presidente Jo­seph Ka­bi­la vi­o­la o ar­ti­go 75º da Cons­ti­tui­ção, que diz que “o presidente do Se­na­do as­se­gu­ra de for­ma in­te­ri­na a che­fia do Es­ta­do em ca­so de va­zio por mor­te, de­mis­são ou qual­quer im­pe­di­men­to de­fi­ni­ti­vo.” A cha­ma­da “oposição ra­di­cal” - for­ças po­lí­ti­cas que re­cu­sam o diá­lo­go em cur­so e a me­di­a­ção do en­vi­a­do da União Afri­ca­na, Edem Kod­jo - ame­a­ça o Che­fe de Es­ta­do com o ar­ti­go 64º da Cons­ti­tui­ção, se­gun­do o qual “to­dos os con­go­le­ses têm o de­ver de im­pe­dir qual­quer in­di­ví­duo ou gru­po de in­di­ví­du­os que to­ma­rem o po­der pe­la for­ça ou que vi­o­lem o dis­pos­to na pre­sen­te Cons­ti­tui­ção.”

Ci­mei­ra dos Gran­des La­gos

Pa­ra ten­tar en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra o im­pas­se, a ca­pi­tal de An­go­la, Lu­an­da, aco­lhe es­te mês uma ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do afri­ca­nos e de três or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais pa­ra abor­dar a si­tu­a­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go.

O ór­gão de de­fe­sa e se­gu­ran­ça da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC) reú­ne es­ta se­ma­na em Kinsha­sa, e a reu­nião de­ve pro­du­zir “ele­men­tos im­por­tan­tes” pa­ra a agen­da de tra­ba­lho Ci­mei­ra de Lu­an­da, mar­ca­da pa­ra o pró­xi­mo dia 27. A Ci­mei­ra de Lu­an­da é uma ini­ci­a­ti­va con­jun­ta da ONU, União Afri­ca­na e Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos, es­ta úl­ti­ma li­de­ra­da por An­go­la.

Num co­mu­ni­ca­do con­jun­to di­vul­ga­do no mês pas­sa­do, ONU, União Afri­ca­na, União Eu­ro­peia e Or­ga­ni­za­ção In­ter­na­ci­o­nal da Fran­co­fo­nia (OIF) pe­dem pa­ra as presidenciais se­rem re­a­li­za­das “o mais rá­pi­do pos­sí­vel” e “cre­dí­veis” e ao Go­ver­no e à oposição pa­ra “re­nun­ci­a­rem à vi­o­lên­cia co­mo for­ma de re­sol­ver as di­ver­gên­ci­as po­lí­ti­cas.”

AFP

Apoi­an­tes da cha­ma­da oposição ra­di­cal con­go­le­sa pro­tes­tam con­tra o Go­ver­no de Kinsha­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.