O di­rei­to à ha­bi­ta­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A Cons­ti­tui­ção de An­go­la dis­põe no ar­ti­go 85º que “to­do o ci­da­dão tem di­rei­to à ha­bi­ta­ção e à qua­li­da­de de vi­da”. Tra­ta-se de um di­rei­to fun­da­men­tal pa­ra cu­ja con­cre­ti­za­ção o Es­ta­do, por via de ins­ti­tui­ções com­pe­ten­tes, tem pos­to em mar­cha po­lí­ti­cas ori­en­ta­das pa­ra que to­dos os an­go­la­nos vi­vam no país com dig­ni­da­de.

A nos­sa Lei Fun­da­men­tal es­ta­be­le­ce que An­go­la é uma Re­pú­bli­ca ba­se­a­da na dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, e is­so de­ve im­pli­car a re­a­li­za­ção, por par­te de en­ti­da­des com­pe­ten­tes, de ac­ções que vão no sen­ti­do da cri­a­ção de con­di­ções que pos­sam pro­por­ci­o­nar uma ele­va­da qua­li­da­de de vi­da às po­pu­la­ções.

As ques­tões que têm a ver com a ha­bi­ta­ção têm si­do de­ba­ti­das no país, não só pe­las au­to­ri­da­des, mas tam­bém por sec­to­res da so­ci­e­da­de ci­vil, e is­so é nor­mal e até po­si­ti­vo, se ti­ver­mos em con­ta que são ain­da mui­tos os ci­da­dãos an­go­la­nos que não têm ca­sas dig­nas pa­ra vi­ver.

As au­to­ri­da­des têm pro­gra­mas de fo­men­to da cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções pa­ra pes­so­as de mé­dia e bai­xa ren­da e é boa no­tí­cia o fac­to de o Es­ta­do pre­ten­der o con­cur­so de agen­tes eco­nó­mi­cos pri­va­dos pa­ra con­cre­ti­zar pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais que pos­sam sa­tis­fa­zer inú­me­ras ne­ces­si­da­des.

Sa­be-se que é ain­da gran­de a pro­cu­ra de ha­bi­ta­ções no nos­so país, sen­do ne­ces­sá­rio que o ní­vel de ofer­ta de ca­sas au­men­te. Há uma es­tra­té­gia do Es­ta­do ao ní­vel da ha­bi­ta­ção e do ur­ba­nis­mo, di­ri­gi­da pa­ra a cons­tru­ção de ca­sas, ba­se­a­da em mo­de­los com pa­drão eco­nó­mi­co pré-de­fi­ni­do, a re­a­li­zar-se em re­gi­me de cus­tos con­tro­la­dos.

A mi­nis­tra do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to, afir­mou, por oca­sião do Dia Mun­di­al do Ha­bi­tat, ce­le­bra­do re­cen­te­men­te, que o pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal tem co­mo ob­jec­ti­vo a ob­ten­ção fa­vo­rá­vel de qua­li­fi­ca­ção do de­sen­vol­vi­men­to do sis­te­ma ur­ba­no e par­que ha­bi­ta­ci­o­nal, com o fim de ga­ran­tir a ele­va­ção do bem-es­tar so­ci­al da po­pu­la­ção.Tu­do es­tá a ser fei­to pe­lo Go­ver­no no sen­ti­do de as comunidades vi­ve­rem ca­da vez me­lhor, ten­do ca­sa e po­den­do con­tar nas su­as áre­as de re­si­dên­cia com di­ver­sos equi­pa­men­tos so­ci­ais. É im­por­tan­te, en­tre­tan­to, que na exe­cu­ção dos pro­gra­mas de cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções se te­nha em con­ta a ne­ces­si­da­de de fis­ca­li­zar as obras efec­tu­a­das, pa­ra que as ca­sas a se­rem cons­truí­das te­nham qua­li­da­de.

Os bai­xos cus­tos de cons­tru­ção das ca­sas não de­vem ser ra­zão jus­ti­fi­ca­ti­va da fal­ta de qua­li­da­de. Que se fa­çam ca­sas de bai­xo cus­to, sem se sa­cri­fi­car a sua qua­li­da­de. As ca­sas têm de du­rar mui­tos anos, pa­ra não obri­gar as pes­so­as que ne­las ha­bi­tam a su­por­tar as des­pe­sas da sua re­pa­ra­ção . É fun­da­men­tal que a fis­ca­li­za­ção das obras de que o Es­ta­do se­ja do­no ve­nha a exer­cer o seu pa­pel, pa­ra sal­va­guar­dar o in­te­res­se das comunidades.

Devemos apren­der com os er­ros do pas­sa­do. Não devemos in­sis­tir nos mes­mos er­ros. O Es­ta­do não po­de con­ti­nu­ar a gas­tar di­nhei­ro com obras mal exe­cu­ta­das por em­prei­tei­ros que não cum­prem es­cru­pu­lo­sa­men­te os con­tra­tos. É pre­ci­so mo­bi­li­zar, no âm­bi­to da exe­cu­ção do pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal pú­bli­co, em­pre­sas de fis­ca­li­za­ção idó­ne­as que pos­sam as­se­gu­rar que as obras que o Es­ta­do man­da exe­cu­tar se­jam bem fei­tas. É ne­ces­sá­rio aca­bar com uma sé­rie de ir­re­gu­la­ri­da­des que re­sul­tam em pre­juí­zo das comunidades, par­ti­cu­lar­men­te ago­ra que os re­cur­sos fi­nan­cei­ros di­mi­nuí­ram, de­vi­do à cri­se que atra­ves­sa­mos.

Os em­prei­tei­ros con­tra­ta­dos pe­lo Es­ta­do não po­dem fa­zer o que bem en­ten­de­rem, pre­ju­di­can­do o Es­ta­do. O Es­ta­do pa­ga pa­ra que as obras se­jam du­rá­veis. Que se co­me­ce a im­plan­tar no país a cul­tu­ra da fis­ca­li­za­ção das obras. O Es­ta­do já gas­tou mui­to di­nhei­ro com obras de di­ver­sa na­tu­re­za, no­me­a­da­men­te ao ní­vel das in­fra-es­tru­tu­ras ro­do­viá­ri­as, e ho­je tem de no­vo de re­a­bi­li­tar uma sé­rie de em­pre­en­di­men­tos, por­que es­tes se de­gra­da­ram ra­pi­da­men­te. É ur­gen­te aca­bar com es­ta si­tu­a­ção .

Te­mos es­pe­ran­ça de que a qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções ve­nha a me­lho­rar nos pró­xi­mos anos com a ace­le­ra­ção da exe­cu­ção do pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal gi­za­do pe­lo Es­ta­do, que es­tá cen­tra­do na pro­mo­ção de cons­tru­ção de ca­sas pa­ra mi­lha­res de an­go­la­nos. O Es­ta­do vai as­su­mir ao ní­vel da po­lí­ti­ca ha­bi­ta­ci­o­nal as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des, pois con­si­de­ra fun­da­men­tal que as fa­mí­li­as te­nham to­das um lar. As­se­gu­rar ha­bi­ta­ções a to­dos os ci­da­dãos é con­tri­buir pa­ra o pro­gres­so da so­ci­e­da­de.

A lu­ta pe­la dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na no nos­so país de­ve ser cons­tan­te e os di­fe­ren­tes sec­to­res da so­ci­e­da­de de­vem es­tar em­pe­nha­dos em con­tri­buir pa­ra a pro­mo­ção da jus­ti­ça so­ci­al. Ter uma ca­sa é es­sen­ci­al pa­ra qual­quer ser hu­ma­no. Que o Es­ta­do con­ti­nue a fa­zer a sua par­te, fa­zen­do tu­do pa­ra que os an­go­la­nos te­nham bem-es­tar. Foi in­ten­ção do le­gis­la­dor cons­ti­tuin­te, ao es­ta­be­le­cer na nos­sa Lei Fun­da­men­tal o di­rei­to à ha­bi­ta­ção e à qua­li­da­de de vi­da, que os po­de­res pú­bli­cos tra­ba­lhas­sem no sen­ti­do de to­dos os an­go­la­nos po­de­rem usu­fruir de qua­li­da­de de vi­da, que lhes per­mi­ta par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te nas gran­des ta­re­fas que te­mos pa­ra fa­zer­mos cres­cer e de­sen­vol­ver o país.

Qua­li­da­de do en­si­no

Há di­as de­cor­reu um am­plo en­con­tro das ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or per­ten­cen­tes à Pri­mei­ra Re­gião Aca­dé­mi­ca, com­pre­en­den­do as

Sa­ne­a­men­to das ru­as

Mui­to já se fa­lou so­bre a ne­ces­si­da­de das co­mis­sões de bair­ros e mo­ra­do­res jo­ga­rem um pa­pel de­ci­si­vo na or­ga­ni­za­ção da co­mu­ni­da­de no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.