CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOÃO DE SALGUEIRO AN­TÓ­NIO FER­NAN­DES AL­FRE­DO KANGA

Dis­ci­pli­na na po­lí­cia

Com a en­tra­da em ser­vi­ço de cer­ca de 400 no­vos agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, a cor­po­ra­ção dá um exem­plo cla­ro e fir­me de que pre­ten­de mu­dar de uma vez por to­das. In­de­pen­den­te­men­te dos re­sul­ta­dos, uma coi­sa pa­re­ce cla­ra­men­te ób­via: a Po­lí­cia Na­ci­o­nal pre­ten­de mu­dar a ima­gem que a so­ci­e­da­de tem dela.

Pa­re­ce-me igual­men­te uma ten­ta­ti­va, pa­ra co­me­çar, mui­to bem su­ce­di­da de aca­bar com a cha­ma­da “ga­so­sa”, me­ca­nis­mo ver­go­nho­sa­men­te in­ter­pre­ta­do co­mo um su­pos­to “en­ten­di­men­to en­tre o agen­te e o au­to­mo­bi­lis­ta”.

Rom­per com aque­la re­a­li­da­de cons­ti­tui um fac­to im­por­tan­te por­que to­dos nós pre­ten­de­mos que as coi­sas mu­dem pa­ra o me­lhor.

Era bom que to­da a so­ci­e­da­de acom­pa­nhas­se es­ses es­for­ços da Po­lí­cia Na­ci­o­nal com a mes­ma de­ter­mi­na­ção pa­ra mu­dar­mos tam­bém e nos es­for­çar­mos to­dos a fa­vor da le­ga­li­da­de.

Não faz sen­ti­do cul­ti­var a ile­ga­li­da­de pa­ra de­pois su­bor­nar os agen­tes do Es­ta­do, uma prá­ti­ca que es­tá a ser com­ba­ti­da.

Gos­tei des­ta im­por­tan­te ini­ci­a­ti­va da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, nu­ma al­tu­ra em que a cri­mi­na­li­da­de es­tá con­tro­la­da em to­do o país. pro­vín­ci­as de Lu­an­da e Ben­go. E no even­to uma das coi­sas que foi sa­li­en­ta­da foi a ne­ces­si­da­de da qua­li­da­de na­que­le im­por­tan­te ra­mo do sa­ber.

Co­mo se sa­be, du­ran­te o “bo­om” das uni­ver­si­da­des os nú­me­ros quan­ti­ta­ti­vos fa­la­ram sem­pre mais al­to e, em mi­nha, opi­nião foi mui­to bom a fa­se de cres­ci­men­to quan­ti­ta­ti­vo das nos­sas uni­ver­si­da­des.

Ho­je, as pre­o­cu­pa­ções de gran­de par­te da so­ci­e­da­de pa­re­ce res­va­lar pa­ra a ne­ces­si­da­de do res­ga­te da qua­li­da­de en­quan­to fac­tor que vai pro­por­ci­o­nar o en­si­no re­co­nhe­ci­men­to e ou­tros agre­ga­dos.

Afi­nal, pre­ci­sa­mos de um en­si­no que re­sol­va os pro­ble­mas da so­ci­e­da­de, ar­ran­jan­do so­lu­ções pa­ra de­sa­fi­os que en­fren­ta­mos nas gran­des ci­da­des e na pe­ri­fe­ria.

Te­mos nu­me­ro­sos pro­ble­mas que pre­ci­sam de re­ce­ber a con­tri­bui­ção de sec­to­res on­de a cha­ma­da “mas­sa cin­zen­ta” fun­ci­o­na a to­do o gás por­que, co­mo sa­be­mos, a in­ves­ti­ga­ção de­ve ser co­lo­ca­da ao ser­vi­ço da so­ci­e­da­de.

Dos pro­ble­mas so­ci­ais, po­lí­ti­cos e eco­nó­mi­cos, An­go­la não po­de con­ti­nu­a­men­te “im­por­tar” mo­de­los, es­tu­dos e ma­nei­ras de exe­cu­tar as coi­sas qu­an­do po­de­mos ob­ter is­so por via do que as nos­sas uni­ver­si­da­des po­dem su­ge­rir. que a lim­pe­za e sa­ne­a­men­to diz res­pei­to. Acho que uma das coi­sas fun­da­men­tais que de­ve su­ce­der em pri­mei­ro lu­gar tem a ver com a ne­ces­si­da­de das pes­so­as mu­da­rem de men­ta­li­da­de.

Ur­ge pon­de­rar­mos a for­ma co mo li­da­mos com o li­xo des­de a ca­sa até ao con­ten­tor, um per­cur­so que dei­xa mui­to a de­se­jar a jul­gar pe­la co­mo as fa­mí­li­as aco­mo­dam os re­sí­du­os só­li­dos. Acho que co­me­ça a fa­zer fal­ta uma am­pla sen­si­bi­li­za­ção e con­tí­nua mo­bi­li­za­ção pa­ra que as fa­mí­li­as fa­çam uma ges­tão efi­ci­en­te do li­xo.

Mes­mo nas zo­nas em que não exis­tam con­ten­to­res dis­po­ní­veis, não faz sen­ti­do que as pes­so­as des­pe­jem o li­xo no so­lo.

Não é ad­mis­sí­vel que se des­pe­je li­xo no so­lo, qu­an­do é re­co­men­dá­vel que o li­xo se­ja em­pa­co­ta­do e de­vi­da­men­te se­la­do num sa­co, pre­fe­ren­ci­al­men­te pre­to.

Vi­a­jei por vá­ri­as ci­da­des afri­ca­nas e nas lo­ca­li­da­des on­de não ha­via con­ten­to­res nun­ca se en­con­tra­va o li­xo no chão, ra­zão pe­la qual su­po­nho que aqui en­fren­ta­mos um pro­ble­ma de edu­ca­ção e sen­si­bi­li­za­ção.

A ma­ni­pu­la­ção do li­xo em con­di­ções hi­gié­ni­cas é fun­da­men­tal pa­ra que te­nha­mos um am­bi­en­te sa­dio, as­se­gu­ran­do uma vi­da tran­qui­la pa­ra as ge­ra­ções ac­tu­ais e as pos­te­ri­o­res. A co­mu­ni­da­de de­ve aju­dar as au­to­ri­da­des a re­sol­ver o nos­so pro­ble­ma de sa­ne­a­men­to bá­si­co. Tos­dos os ci­da­dãos de­vem con­tri­buir pa­ra que lim­pe­za em to­do o país.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.