Mais opor­tu­ni­da­de de em­pre­go

Mu­ni­cí­pio dá gran­des avan­ços pa­ra atin­gir o pro­gres­so

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - JOÃO UPALE |

Mais de 12 mil fa­mí­li­as da vi­la pis­ca­tó­ria do Tômbwa, cer­ca de 93 qui­ló­me­tros a sul da ci­da­de de Mo­çâ­me­des, be­ne­fi­ci­am de pos­tos de tra­ba­lho di­rec­tos nas em­pre­sas ali ins­ta­la­das, no âm­bi­to dos in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos re­a­li­za­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Tômbwa, João Er­nes­to dos San­tos, que fa­la­va no ter­mo de uma vi­si­ta do go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Na­mi­be, Rui Fal­cão, avan­çou on­tem ao Jor­nal de An­go­la que os tra­ba­lha­do­res fo­ram em­pre­gues, prin­ci­pal­men­te, no sec­tor pes­quei­ro.

João Er­nes­to dos San­tos enu­me­rou as obras de cons­tru­ção do Por­to Pes­quei­ro, o Cen­tro de Apoio à Pes­ca Ar­te­sa­nal, as fá­bri­cas de con­ser­vas, de pro­ces­sa­men­to do pes­ca­do, de fa­ri­nha e óleo de pei­xe, co­mo os gran­des pro­jec­tos em exe­cu­ção na re­gião, que pro­por­ci­o­nam mais de dois mil pos­tos de tra­ba­lhos di­rec­tos.

No qua­dro do pro­gra­ma do Exe­cu­ti­vo, atra­vés do Mi­nis­té­rio das Pes­cas, o mu­ni­cí­pio co­me­ça a dar gran­des avan­ços pa­ra atin­gir o pro­gres­so, dis­se João Er­nes­to dos San­tos. Pa­ra ma­te­ri­a­li­zar es­ta pre­ten­são, o ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal anun­ci­ou que, es­te mês, são inau­gu­ra­das as fá­bri­cas de con­ge­la­ção de pei­xe, de con­ser­va­ção e ou­tras in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­o­e­co­nó­mi­cas.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal elo­gi­ou a pos­tu­ra das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, pri­va­das e es­tran­gei­ras en­vol­vi­das nos es­for­ços pa­ra ala­van­car a eco­no­mia e o pro­gres­so da re­gião.

Mais água e ener­gia

O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al Rui Fal­cão ga­ran­tiu que a mu­ni­ci­pa­li­da­de vai me­re­cer aten­ção re­do­bra­da das au­to­ri­da­des pro­vin­ci­ais, as­se­gu­ran­do a con­clu­são dos pro­jec­tos em cur­so.

Um dos sec­to­res que o go­ver­na­dor re­fe­riu que vai re­gis­tar um cres­ci­men­to con­si­de­rá­vel, nos pró­xi­mos di­as, é o da dis­tri­bui­ção e da água po­tá­vel, que de­ve ser es­ten­di­do a to­da a pe­ri­fe­ria da vi­la de Tômbwa. O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al in­for­mou que há já con­tac­tos com o Mi­nis­té­rio da Ener­gia e Água, pa­ra a ne­ces­si­da­de de se ins­ta­lar a ní­vel do Tômbwa uma uni­da­de de tra­ta­men­to de água po­tá­vel e ou­tra de águas re­si­du­ais.

Quan­to ao for­ne­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca, Rui Fal­cão avan­çou que a ne­ces­si­da­de da re­gião é de cer­ca de 14.2 me­ga watts, nu­ma al­tu­ra em que a mu­ni­ci­pa­li­da­de dis­põe ape­nas de me­ta­de des­ta ca­pa­ci­da­de.

No qua­dro do pro­jec­to de de­sen­vol­vi­men­to des­te ano pa­ra a pro­vín­cia, o go­ver­na­dor as­se­gu­ra que, até 2021, o mu­ni­cí­pio do Tômbwa vai atin­gir os 21 me­ga watts.

Pers­pec­ti­vas no en­si­no

No que to­ca à im­plan­ta­ção do en­si­no su­pe­ri­or no Tômbwa, Rui Fal­cão jus­ti­fi­cou que o gran­de em­ba­ra­ço tem a ver com os flu­xos aca­dé­mi­cos, ex­pli­can­do que a aber­tu­ra de uma ins­ti­tui­ção de ní­vel su­pe­ri­or de­pen­de da sequên­cia dos es­tu­dan­tes do pri­mei­ro ao se­gun­do ano.

O go­ver­na­dor dis­se ser pre­ci­so ha­ver uma ga­ran­tia pa­ra os anos sub­se­quen­tes, olhan­do pa­ra a den­si­da­de de­mo­grá­fi­ca, que ga­ran­tam o fun­ci­o­na­men­to da ins­ti­tui­ção. “Eu não pos­so abrir ago­ra o pri­mei­ro ano de uma ins­ti­tui­ção do en­si­no su­pe­ri­or, e pas­san­do es­tes pa­ra o se­gun­do ano, já não tem qu­em subs­ti­tua o pri­mei­ro ano,” re­tor­quiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.