Mé­di­cos me­lhor pre­pa­ra­dos pa­ra tra­tar ca­sos de ma­lá­ria

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - ADRI­A­NO SAPALO |

Cer­ca de trin­ta téc­ni­cos de saú­de de dis­tin­tas uni­da­des hos­pi­ta­la­res da pro­vín­cia de Ma­lan­je, en­tre mé­di­cos e di­rec­to­res clí­ni­cos, par­ti­ci­pa­ram, du­ran­te três di­as, nu­ma for­ma­ção pa­ra me­lho­rar o tra­ta­men­to de ca­sos de ma­lá­ria.

Du­ran­te a ac­ção for­ma­ti­va, pro­mo­vi­da pe­la Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Con­sul­to­ria, Ges­tão e Ad­mi­nis­tra­ção em Saú­de (CONSAÚDE), em par­ce­ria com a Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Saú­de, os par­ti­ci­pan­tes abor­dam ma­té­ri­as que têm a ver com a ges­tão e con­tro­lo da ma­lá­ria, ma­lá­ria na gra­vi­dez, pre­ven­ção, ges­tão e con­tro­lo de me­di­ca­men­tos.

No en­con­tro fo­ram abor­da­dos tam­bém as­pec­tos que se pren­dem com os si­nais e sin­to­mas da do­en­ça, ca­sos sus­pei­tos, ma­lá­ria sim­ples e gra­ve, pa­lu­dis­mo sim­ples e gra­ve, en­tre ou­tros.

No ac­to de aber­tu­ra, a co­or­de­na­do­ra pro­vin­ci­al da CONSAÚDE, Fran­cis­ca Ro­meu, dis­se que a ma­lá­ria cons­ti­tui o mai­or pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca em An­go­la, cor­res­pon­den­do a 35% da ta­xa de mor­ta­li­da­de em cri­an­ças me­no­res de cin­co anos e 25% em mor­ta­li­da­de ma­ter­na.

Fran­cis­ca Ro­meu afir­mou que a pro­vín­cia de Ma­lan­je es­tá ca­rac­te­ri­za­da do pon­to de vis­ta epi­de­mi­o­ló­gi­co co­mo sen­do uma área de al­to ris­co pa­ra a trans­mis­são da do­en­ça e con­tri­bui com 7% de to­dos os ca­sos no­ti­fi­ca­dos de ma­lá­ria no país.

A co­or­de­na­do­ra re­fe­riu ain­da que pa­ra se res­pon­der aos ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos pa­ra a re­du­ção de ca­sos da en­fer­mi­da­de é im­pe­ri­o­so for­ta­le­cer as ca­pa­ci­da­des dos téc­ni­cos de saú­de, pa­ra im­ple­men­ta­ção efi­caz dos co­nhe­ci­men­tos ad­qui­ri­dos nas ac­ti­vi­da­des de con­tro­lo da ma­lá­ria.

O se­mi­ná­rio foi re­a­li­za­do com o ob­jec­ti­vo de se do­tar os mé­di­cos e di­rec­to­res clí­ni­cos dos hos­pi­tais e cen­tros lo­cais de saú­de de fer­ra­men­tas in­dis­pen­sá­veis pa­ra o exer­cí­cio da sua ac­ti­vi­da­de pro­fis­si­o­nal, dis­se Fran­cis­ca Ro­meu.

O for­ma­dor Ja­cob Nle­vo, que é igual­men­te di­rec­tor clí­ni­co do Hos­pi­tal Re­gi­o­nal de Ma­lan­je, dis­se que a for­ma­ção tem co­mo ob­jec­ti­vo ca­pa­ci­tar os qua­dros do sec­tor da saú­de na pro­vín­cia de Ma­lan­je, vis­to que a ma­lá­ria é uma pa­to­lo­gia que de­ve ser ge­ri­da pe­los pro­fis­si­o­nais que, por sua vez, de­vem ter o do­mí­nio do di­ag­nós­ti­co, pa­ra um me­lhor dis­cer­ni­men­to do téc­ni­co, aten­den­do a ou­tras do­en­ças com si­nais idên­ti­cos.

Ja­cob Nle­vo re­al­çou que exis­tem ou­tras do­en­ças, co­mo a den­gue e a fe­bre-ama­re­la, que de­vem tam­bém ser pre­ve­ni­das atra­vés da re­a­li­za­ção de ac­ções de for­ma­ção dos téc­ni­cos de saú­de.

MA­RIA AUGUSTA

Cri­an­ças são as prin­ci­pais ví­ti­mas da epi­de­mia que cons­ti­tui o mai­or pro­ble­ma de saú­de em An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.